Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
uma professora negra aparece sentada em uma mesa com 4 alunos, um menino negro e 3 meninas brancas. na mesa é possível ver vários materiais escolares

Educação especial ou ensino regular: qual a melhor escola para crianças com autismo?

A educação de crianças com TEA pode ser um desafio para muitas famílias, que ficam na dúvida sobre matricular seus filhos em uma escola de educação especial ou ensino regular, sempre buscando garantir um processo de aprendizagem real e com inclusão escolar.

Isso porque muitas pessoas no espectro apresentam dificuldades na interação e comunicação com outras pessoas, além de comportamentos restritos e repetitivos, o que pode dificultar o aprendizado.

Nesse aspecto, a família acaba procurando diversos locais focando em encontrar aquele que mais se adeque ao que a criança com autismo precisa, desde a estrutura em si, até a capacitação dos profissionais dessa escola. Além disso, essa é uma decisão que pode envolver questões que vão além das preferências pessoais do núcleo familiar.

Conversamos a professora a psicopedagoga Maria Bispo para falar sobre a educação para crianças com TEA e como a família pode escolher a escola certa. Ela também é orientadora educacional, mestranda em Neurociências, capacitada em mediação escolar, TEA e Síndrome de Down e mãe da Maria Clara, que tem Síndrome de Down.

Educação especial ou ensino regular?

Todas as pessoas com autismo têm acesso à educação de qualidade garantido por lei, seja em uma escola de educação especial ou regular, e punível de multas e processos caso a instituição negue a vaga. Isso porque, a escola é um dos principais locais para estimular o desenvolvimento de habilidades sociais, importante para todas as crianças.

Mesmo assim, muitas famílias ficam com dúvidas sobre matricular seus filhos em uma escola de educação especial ou regular. A Educação especial no Brasil é definida pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, como uma modalidade de ensino escolar oferecida preferencialmente na rede regular para alunos com deficiência.

Seu foco está em proporcionar igualdade de oportunidades, mediante a diversificação de serviços educacionais, atendendo às diferenças individuais doa alunos. Além disso, ela também apresenta uma proposta de ensino muito mais direcionada para crianças com atraso no desenvolvimento.

Já o ensino regular, na teoria, oferece uma maior possibilidade de inclusão e socialização com crianças típicas e atípicas. O mais importante aqui é conversar com a escola e garantir que a formação atenda às necessidades dos filhos.

O censo escolar feito pelo MEC de 2003 a 2013 mostra que as políticas de educação inclusivas adotas pelo governo federal promoveram o acesso e expansão da rede escolar. “A acessibilidade arquitetônica, que é o preparo do espaço físico das escolas para receber alunos com deficiência, é realidade em 41.602 escolas da educação básica pública”.

Os dados também mostram o aumento da formação de professores em educação especial, que aumentou 17%, contabilizando 93.371 educadores especializados.

Como escolher a escola para a criança com autismo

É na escola que os pequenos encontram oportunidades de participar de diversas atividades e fazer escolhas que contribuem diretamente com o crescimento, vivenciando um ambiente diferente do qual está exposto e também convivendo com parceiros da mesma idade para aprendizado e trocas.

Exatamente por isso, Maria cita três aspectos fundamentais como parte do processo nesse momento que são:

  • Procurar indicações de uma escola efetivamente inclusiva;
  • Conversar com a equipe pedagógica;
  • Estar disposto a ajudá-los com a inclusão, sendo uma família presente e participativa.

É importante entendermos que não existe a escola ideal para a criança, mas sim aquela que se encaixa às necessidades de todo o núcleo familiar, oferecendo um ambiente que se adapte a isso.

Além do repertório, dificuldades e individualidades da pessoa autista, é preciso lembrar que cada criança tem um perfil específico já avaliado pela equipe que acompanha o desenvolvimento dela.

Por isso, é importante respeitar esse alinhamento na hora de escolher a escola, entendendo como ela se encaixa na rotina, repertório e perfil de aprendizado dessa criança e alinhando essas dicas a isso.

1. Posicionamento da escola em relação a receber uma criança com autismo

Mesmo sendo garantido pela legislação o direito de inclusão da pessoa autista no ensino regular, algumas escolas ainda estão despreparadas para receber essas pessoas. Infelizmente, não é raro que a família encontre professores que estão recebendo, pela primeira vez, um aluno diagnosticado com TEA, tendo o processo de inclusão como um esforço conjunto entre o núcleo familiar, educadores e alunos.

Por isso, é importante dialogar com a escola e entender qual o posicionamento dela sobre isso, entendendo como está o processo de inclusão e de aprendizagem. Alguns pontos são essenciais nesse momento, como:

  • Respeito sincero pela criança ou adolescente com autismo;
  • Desejo genuíno em ajudar no desenvolvimento daquele aluno;
  • Flexibilidade para trabalhar adaptações do ambiente;
  • Capacidade de articular em conjunto dentro e fora da sala de aula.

“A inclusão é formada por uma tríade: amor, capacitação e empatia. Sem esses três elementos, ela não funcionará. De nada adianta o aluno ficar num cantinho em sala de aula, ele precisa fazer parte da mesma. Precisa que seus direitos sejam respeitados.”

Nesse sentido, a psicopedagoga afirma que a avaliação escolar de cada aluno é essencial, pois a inclusão é um estudo de caso. “É preciso saber quais são as dificuldades, mas sobretudo suas habilidades para se compreender o que é efetivo para o aprendizado do mesmo”, reforça ela.

2. Possibilidade de manter um diálogo constante com a família

Quando a família encontra algumas escolas que se adequem à criança, seja de educação especial ou regular, é fundamental entender se existe motivação para uma comunicação constante, já que ela é fundamental para troca de informações do aluno tanto na escola, quanto em casa e até mesmo no ambiente terapêutico.

Nesse aspecto, os pais podem ficar atentos a alguns pontos específicos, como:

  • Existem sensibilidades do aluno no dia a dia?
  • Quais são os interesses e motivações dele?
  • Os professores conseguem auxiliar diante de uma sobrecarga sensorial?
  • Como a escola enxerga a inclusão em todos os ambientes?

Essas foram apenas algumas sugestões de perguntas para ter em mente na hora de dialogar com a escola, mas novamente: é importante lembrar qual o perfil específico da criança, para entender o que pode ser perguntado no dia a dia.

Da mesma forma, como cada criança é única e aprende de uma forma diferente, o fato de educadores ou da escola já terem uma experiência prévia, não garante que exista um sucesso na inclusão.

Maria conta que a maior insegurança que teve em relação à escola da filha foi a falta de capacitação por parte dos profissionais envolvidos com ela e a falta de conhecimento dos alunos e dos responsáveis quanto a sua deficiência.

Por isso, a troca de informações constantes e sinceras é a melhor forma de fortalecer o vínculo de confiança e troca entre os responsáveis e a escola.

3. Se necessário, existe a possibilidade de adaptações físicas na classe?

Não somente o aluno precisa de adaptar a escola, mas o ambiente também precisa ser inclusivo para os alunos. No caso de pessoas com autismo, essas adaptações podem incluir aspectos físicos nos espaços, para ajudar a mobilidade, por exemplo, como aspectos ligados à metodologia de ensino e aprendizagem.

Por isso, é muito importante que a família converse sobre a possibilidade de adaptações na classe de aula, explicando sobre as características da criança e procurando maneiras de minimizar os estímulos sensoriais que podem afetar a permanência na escola.

A antecipação de mudanças é algo que precisa estar claro para todos e também passível de acontecer. Nesse sentido, alguns pontos podem ser considerados:

  • Mudanças na posição do aluno na sala;
  • Modelos de mesa ou carteira com acessórios, ou não (como almofadas);
  • Uso de quadros de rotina e outros suportes visuais;
  • Criação de um espaço de descompressão sensorial.

Uma boa dica aqui é compartilhar com a escola as adaptações que já são feitas em casa e podem ser implementadas na classe.

4. Educação especial e disponibilidade de oferecer um plano pedagógico individualizado (PEI)

O PEI – Plano Educacional Individualizado – é um importante instrumento para planejamento de metas e inclusão de pessoas com autismo no ambiente escolar. Também chamado de PDI – Plano de Desenvolvimento Individual – em alguns locais, seu objetivo é garantir o aprendizado do aluno, levando em consideração suas dificuldades e necessidades.

Ele é feito em conjunto pela escola e os profissionais que acompanham o aluno, como professores reagentes e de inclusão escolar. Ele deve orientar quais são as instruções para um aluno com deficiência, considerando as necessidades acadêmicas, comportamentais e sociais.

Além disso, a escola pode procurar outras formas diferentes de garantir a atenção e proporcionar o engajamento do aluno nas tarefas. Dessa forma, os interesses e motivações da pessoa podem ser usados como reforçadores para a participação nas atividades.

A família tem papel fundamental no processo de aprendizagem

Além de escola, seja ela de educação especial ou regular, a família é peça fundamental no processo de aprendizagem e desenvolvimento da criança com autismo. Todo o núcleo familiar funciona como agente de transformação, potencializando as oportunidades de evolução do dia a dia.

Dessa forma, é importante que os pais explorem as possibilidade da rotina, e interpretem o novo como algo positivo para o comportamento dos filhos, tendo uma visão de implementar as alternativas da escola e garantir que os ensinamentos estejam presentes em todas as esferas.

Converse sempre com os profissionais que acompanham a criança autista, entendendo qual o comprometimento deles e quais materiais são propostos para diminuir possíveis barreiras de aprendizado. Além disso, é importante compartilhar o que é estabelecido com a equipe terapeuta.

A colaboração das pessoas cuidadoras, equipe multidisciplinar e profissionais escolares é essencial para a evolução da criança com autismo quando o assunto é desenvolvimento escolar.

Que tal entender melhor sobre o papel da educação inclusiva no autismo? Temos um texto em nosso blog completo sobre o assunto. Clique para ler:
Educação Inclusiva no Autismo

Conheça nosso atendimento para autismo

Conteúdos relacionados

Esse artigo foi útil para você?

Dia Nacional do Futebol: inclusão e emoções das pessoas com TEA Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Aprovado Projeto de Lei que obriga SUS aplicar a escala M-CHAT em crianças de 2 anos Dia mundial do Rock: conheça 5 bandas com integrantes autistas Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? Senado: debate público sobre inclusão educacional de pessoas com TEA Emoções no autismo: saiba como as habilidades emocionais funcionam Dia do cinema nacional: conheça a Sessão Azul Por que precisamos do Dia do Orgulho Autista? Conheça o estudo retratos do autismo no Brasil 2023 | Genial Care Dia Mundial do Meio Ambiente: natureza e a interação de crianças TEA Pessoas com TEA tem direito ao Benefício de prestação continuada (BPC)? Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Câmara aprova projeto que visa contratação de pessoas autistas Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin