Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
Viajar e aproveitar com filhos autistas.

5 dicas para viajar com a criança autista e aproveitar as férias

Muitas pessoas cuidadoras ainda se preocupam quando o assunto é viajar e aproveitar com crianças autistas. Ainda mais no período de férias, onde é costume se reunir com pessoas queridas para fazer uma viagem a lugares novos que, muitas vezes, estão mais cheios do que o costume.

Para viajar com a criança é importante oferecer previsibilidade a respeito desse evento, além de fazer combinados com todos que estarão na viagem, o que vai tornar a experiência ainda mais agradável para ela e a própria família.

Incluir essas ações faz parte do preparado da viagem, por isso, elas precisam estar presentes no planejamento de qualquer viagem da família, ao longo de itens como: buscar hospedagem, fazer as malas, realizar check up no veículo, ou seja, deve acontecer naturalmente para a viagem ser positivamente memorável.

Pensando nisso, nossa Coordenadora de ABA, Caroline Rorato, separou algumas dicas para viajar e aproveitar com tranquilidade para a criança com TEA.

🔎 Caroline Batina Rorato | Psicóloga | CRP 06/130807

A importância da rotina para pessoas autistas

Muitas pessoas com o Transtorno do Espectro Autista (TEA) se apegam a hábitos rotineiros, os quais já estão acostumados a seguir no dia a dia, por isso a rotina acaba sendo um importante instrumento para auxiliar na jornada corriqueira.

Não existe uma explicação única do porquê algumas pessoas autistas se apegam tanto a rotina, mas geralmente é pela previsibilidade que ela oferece, isto é: quando a rotina está totalmente descrita e acordada entre a pessoa com TEA e seu núcleo de familiares e cuidadores, ela não apresenta surpresas ou situações extras das quais o autista não consegue assimilar.

Além disso, o apego da rotina está ligado a um dos sinais do TEA: apresentar comportamentos restritivos e repetitivos, pois dessa forma a pessoa autista encontra conforto e aprende a conviver com o mundo ao seu redor.

Ah, e a alteração na rotina pode estar ligada tanto em uma grande mudança, por exemplo, da casa, quanto em uma alteração nas atividades diárias, como combinar um horário diferente para tomar o café da manhã.

Quem tem autismo paga passagem de avião?

Quando uma pessoa com autismo viaja de avião, a lei garante um benefício para o acompanhante que a acompanha. Isso significa que a pessoa com autismo paga o valor completo da passagem, sem desconto, enquanto o acompanhante paga apenas 20% do valor original mais a taxa de embarque.

Essa regra é estabelecida pela Resolução nº 280, de 11 de julho de 2013, da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC).

Essa resolução garante esse desconto para acompanhantes de passageiros com deficiência que não podem viajar e aproveitar sozinhos. E como o autismo é considerado, legalmente, uma forma de deficiência, os direitos garantidos para Pessoas com Deficiência (PCDs) se estendem também às pessoas autistas.

Os critérios para ter direito ao desconto incluem situações em que o passageiro precisa de assistência para viajar, seja por questões médicas, dificuldades de entendimento das instruções de segurança durante o voo devido à deficiência mental e intelectual, ou incapacidade de realizar suas necessidades fisiológicas sem assistência.

Para usufruir deste desconto, é necessário comprovar a necessidade de acompanhante, sendo esse maior de 18 anos e apto a prestar auxílio para as assistências necessárias. O acompanhante deve viajar na mesma classe e no mesmo voo do passageiro com TEA.

A solicitação desse benefício deve ser feita junto à companhia aérea com antecedência, apresentando documentos como laudo diagnóstico, Formulário de Informações Médicas (MEDIF) assinado pelo médico da pessoa ou o Cartão Médico do Viajante Frequente (FREMEC).

A resolução da ANAC obriga as companhias aéreas que operam no Brasil a cumprir essas diretrizes, e apesar de não ser uma lei, as empresas que descumprirem podem sofrer penalidades como multas e sanções administrativas.

Portanto, esse desconto de 80% em passagens aéreas para acompanhantes de pessoas autistas é um direito estabelecido pela ANAC para proporcionar maior suporte emocional durante a viagem, tornando-a mais confortável e tranquila para todos os envolvidos.

5 Dicas para uma aproveitar as férias

Confira 5 dicas para viajar e aproveitar com a criança autista:

1. Viajar e aproveitar com a criança autista: ofereça previsibilidade

Viajar e aproveitar pode não ser algo tão comum para essa família, então é fundamental antecipar e discutir com a criança sobre essa atividade. Caroline destaca a necessidade de fornecer antecipadamente todas as informações relevantes para a criança, mantendo contato com a equipe multidisciplinar que a acompanha.

Para otimizar essa experiência, crie um roteiro para facilitar a compreensão da criança autista nesse momento:

  • Comunique-se claramente: explique para onde vão, como irão, o tempo da viagem, mostrando fotos e vídeos do local. Use esse momento para planejar o calendário das idas e vindas;
  • Estabeleça acordos: explique de maneira nítida o que é permitido e o que não é;
  • Informe aos profissionais envolvidos com a criança: eles podem oferecer apoio visual, como histórias sociais, para preparar a criança para o evento;
  • Torne a experiência mais envolvente: conte histórias sobre o destino, como memórias divertidas relacionadas aos avós, por exemplo.

Carol Rorato ainda salienta para que a família “leve brinquedos que são favoritos da criança, ou até mesmo os itens regulatórios dela, isso pode ajudar durante a viagem”.

Além disso, reforça a importância de uma comunicação assertiva entre pessoas cuidadoras e a criança: “sempre descreva o que está acontecendo, principalmente se forem coisas novas. Não force coisas que ela não queira fazer para não ficar aversivo”.

2. Use recursos visuais

Os recursos visuais são valiosos na comunicação alternativa para pessoas no espectro autista. Um calendário marcado, por exemplo, é uma ferramenta eficaz para transmitir informações sem depender da fala.

Antes da viagem, é viável criar uma rotina visual especial com ilustrações representando as atividades durante o passeio:

  • Mostrar o ambiente da viagem com fotos do local (paisagens, onde irão ficar hospedados, áreas de interesse);
  • Ilustrações de atividades planejadas (picnic, brincadeiras na areia, piscina);
  • Horários e acordos adaptados para as atividades planejadas;
  • Ilustrações detalhadas do passo a passo da viagem.

Caroline reforça que é preciso estar atento aos sinais da criança enquanto interagem com o ambiente: “atitudes como tentar fugir do local, colocar a mão no ouvido, buscar locais para se apoiar, apresentar muitas estereotipias, chorar, etc”. Quando isso acontece, é preciso: “respeitar esses sinais e buscar locais mais tranquilos nesses momentos”.

3. Faça passeios antes de viajar e aproveitar

Antes de uma viagem longa, comece com um treinamento divertido! Durante as férias, busque passeios próximos, como uma ida a uma praça pública. Ofereça momentos mais tranquilos para a criança se regular e esteja atento aos sinais de desconforto ou sobrecarga sensorial.

Utilize os recursos visuais e o quadro de rotina para familiarizar a criança com o que vão experienciar. Observar como a criança reage a novos estímulos durante esses passeios pode ser esclarecedor.

A psicóloga ainda enfatiza a importância de respeitar os sinais da criança, buscando locais mais calmos quando necessário.

4. Comunique as pessoas envolvidas nos passeios e viagens

Além de fornecer previsibilidade para a criança autista, é fundamental comunicar-se com outros participantes da viagem. Quando visitarem familiares ou amigos, explique as limitações, estabeleça acordos e compartilhe informações sobre as rotinas e preferências únicas da criança com TEA.

Informe também os prestadores de serviços, como hotéis e meios de transporte, sobre as necessidades especiais, aproveitando os direitos garantidos para facilitar o acesso e evitar situações estressantes.

Se a criança não se sentir confortável com a viagem, permita que ela sugira alternativas para ficar em casa ou com outro cuidador responsável.

5. Seja paciente e respeite as diferenças

Embora a viagem possa ser enriquecedora para a interação social, é crucial respeitar os limites da criança. Esteja preparado para adaptar as atividades das férias conforme necessário.

Marcos Mion, por exemplo, opta por não incluir seu filho adolescente, Romeo Mion, em viagens de longa distância ou atividades que o deixe desconfortável. Lugares menores podem oferecer um controle mais confortável para a criança. Ele gravou alguns vídeos explicando a situação.

Respeitar o tempo da criança é fundamental. Passeios menores e aumentos graduais de tempo podem ajudar a reduzir comportamentos desafiadores.

Conclusão

Em resumo, viajar e aproveitar com uma criança autista pode exigir preparação e consideração extra, especialmente durante as férias, quando os ambientes tendem a ser mais movimentados.

Oferecer previsibilidade, fazer acordos e usar recursos visuais são estratégias-chave para tornar a viagem mais agradável para a criança e para a família.

A rotina desempenha um papel vital para muitas pessoas autistas, proporcionando um senso de segurança e previsibilidade. Respeitar e manter essa rotina, mesmo durante viagens, é essencial para o bem-estar da criança.

Além disso, a legislação prevê descontos em passagens aéreas para acompanhantes de pessoas com autismo, garantindo assistência e conforto durante o voo.

Dicas práticas, como oferecer previsibilidade, usar recursos visuais, realizar passeios antes da viagem, comunicar-se com as pessoas envolvidas e ser paciente, podem ajudar a tornar a experiência de viajar e aproveitar com uma criança autista mais tranquila e agradável para todos.

Não vai viajar e quer dicas de como se divertir nas férias? Confira nosso conteúdo sobre o assunto:

Como aproveitar momentos de lazer com crianças autistas?

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Câmara aprova projeto que visa contratação de pessoas autistas Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul