Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
Mãe com dois filhos pequenos compartilhando o momento de preparar a refeição, estimulando a desenvolver o contato com os alimentos, erradicando a seletividade alimentar.

Seletividade alimentar no autismo: como o fonoaudiólogo pode ajudar?

O termo seletividade alimentar possui significados variados, que incluem a recusa alimentar, repertório restrito de alimentos e até mesmo a ingestão frequente de um único tipo de alimento.

Embora esta restrição alimentar não seja incomum entre crianças pequenas com desenvolvimento típico, ela pode ser ainda mais restritiva em crianças com TEA podendo se estender para além do período da primeira infância.

Neste artigo, vamos falar sobre a seletividade alimentar e como o fonoaudiólogo pode ajudar com esse comportamento desafiador.

O que é seletividade alimentar?

bebê fazendo cara feia para um alimento

Seletividade alimentar é o ato que a criança (ou o adulto) tem de rejeitar alguns alimentos ou grupos alimentares, gerando, muitas vezes, desinteresse pela comida, falta de apetite ou até náuseas e vômitos.

As principais características da chamada seletividade alimentar são:

  • Comer uma pequena variedade de alimentos,
  • Apenas comer alimentos com os mesmos padrões sensoriais (cor, textura etc),
  • Recusa em experimentar novos alimentos.

Aproximadamente um quarto de todas as crianças têm problemas alimentares nos primeiros anos de vida, porém a taxa é de 80% em crianças com algum atraso de desenvolvimento.

Essa rejeição pode vir a acontecer por diversos fatores, como:

  • Cheiro;
  • Cor;
  • Temperatura;
  • Sabor;
  • Forma;
  • Textura, por exemplo, quando o alimento é pastoso, crocante ou seco;
  • Aspecto visual e tamanho.

Além desses fatores, também é comum observar seletividade alimentar gerada por uma dificuldade sensoriomotora que causa falta de habilidade para morder, mastigar ou engolir.

A seletividade alimentar reduz a dieta da criança e/ou adulto, empobrecendo a variedade de nutrientes e frustrando a família, por gerar estresse e complicar o dia a dia na escolha e no preparo das refeições.

Devido a esse padrão alimentar rígido, é comum que pessoas com um comer seletivo não atinjam as necessidades nutricionais para um desenvolvimento saudável, já que a variedade de alimentos consumidos é bastante limitada.

Isso faz com que haja déficits de nutrientes necessários para o funcionamento adequado do organismo.

Com que idade a seletividade alimentar aparece?

Geralmente, a seletividade alimentar surge antes dos 6 anos, no início da infância, sendo um padrão comportamental bastante comum de ser visto por pais e profissionais.

Apesar de alguns estudos apontarem que esses padrões alimentares rígidos melhoram com o passar do tempo, adolescentes e adultos no espectro apresentam maiores taxas de seletividade alimentar, do que seus pares neurotípicos.

Em uma pesquisa realizada na Holanda em 2015, foram descritos dados de que 46% da população geral de crianças apresenta algum tipo de seletividade alimentar. Enquanto, uma a cada dez crianças apresenta padrões de restrição severos.

Devido a essa relação entre seletividade e autismo, veremos a seguir quais são os impactos na saúde que a seletividade alimentar causa e como lidar com eles.

A seletividade alimentar é um transtorno alimentar?

Quando pensamos em Transtornos Alimentares (TA) é comum associarmos a preocupações com peso e imagem corporal, que são aspectos característicos dos TAs mais conhecidos como: Anorexia (AN), Bulimia (BN) e Compulsão Alimentar (CA).

Apesar dessas preocupações serem realmente frequentes nos quadros mencionados acima, existem transtornos que não giram em torno desses aspectos. É o caso do Transtorno Alimentar Restritivo Evitativo (TARE), incluído em 2013 na quinta edição do DSM.

Os critérios diagnósticos do TARE são bastante parecidos com os descritos acima relacionados à seletividade alimentar.

O que os diferencia é a intensidade do sofrimento emocional e o risco à saúde causado pelos comportamentos restritivos. Inclusive, muitas vezes o grau de sofrimento associado a essa condição pode ser semelhante ao vivido em quadros graves de transtornos alimentares, como na anorexia.

Os efeitos do TARE podem ser muito graves, tanto que em um artigo do The Guardian, de 2019, é relatada a história de um menino, na época com 12 anos, que perdeu permanentemente a visão, em decorrência da má nutrição, já que por sua dieta altamente restritiva não eram consumidos os nutrientes necessários.

Por isso, é preciso que pais e profissionais conheçam mais sobre esse quadro e sobre quais formas de atuação podem ajudar crianças e adultos com TEA que também apresentam TARE.

Seletividade alimentar no autismo

Apesar desse padrão alimentar também ser visto em pessoas com desenvolvimento típico, a seletividade alimentar é frequentemente associada ao diagnóstico de Transtorno do Espectro Autismo (TEA), já crianças autistas têm 5 vezes mais chances de apresentarem dificuldades alimentares, do que crianças neurotípicas.

Em 2010, a University of Massachusetts Medical School realizou uma pesquisa comprovando que cerca de 67% das crianças no espectro autista apresentam transtorno ou seletividade alimentar.

Cada situação é única, mas em muitos casos há a dificuldade e/ou recusa da criança de experimentar alimentos novos, pelo fato de que, ao comer, as crianças no espectro autista recebem interferência de estímulos sensoriais.

Além disso, a seletividade alimentar também pode aparecer por dificuldades de modulação sensorial da audição, visão, olfato, paladar e toque, rejeitam o alimento.

Por outro lado, quando não há fatores orgânicos identificáveis, a questão alimentar pode ser considerada manifestação de interesses restritos e comportamento de rigidez, que também são características do autismo.

A rigidez é caracterizada como a relutância em:

  • Experimentar novos alimentos;
  • Ter um pequeno repertório de alimentos aceitos;
  • Não realizar as refeições em horários e locais diferentes;
  • Resistir à apresentação de pratos e tipos de utensílios novos;
  • Comer alimentos específicos em lugares específicos;
  • Comer alimentos da mesma cor ou marca.

Em outros casos, estar preso a rotina também não é nada motivador para uma criança em processo de crescimento e descobrimento.

Transtorno Alimentar Restritivo Evitativo (TARE) e autismo

É comum que crianças neurotípicas e atípicas apresentam fases de recusa ou seletividade alimentar. Porém, aqueles diagnosticados com TARE têm um padrão alimentar rígido, pervasivo e consistente, causando problemas para:

  • O desenvolvimento saudável e manutenção das funções corporais: já que não são consumidos os nutrientes e calorias necessárias;
  • Socialização: já que há evitação de diferentes alimentos, diferentes preparações e diferentes apresentações das comidas.

Esse quadro diagnóstico é frequentemente visto em crianças e adolescentes autistas. Alguns estudos apontam que 20% daqueles diagnosticados com TARE também têm TEA.

Dentre os principais sinais do TARE estão:

  • Pouco interesse em alimentos e em comer;
  • Evitação de alimentos baseada em suas características físicas: cor, textura, cheiro;
  • Medo de engasgar, vomitar ou se contaminar ao experimentar alimentos diferentes;
  • Queixas de dores de estômago ou sensação de estufamento perto das refeições;
  • Perda de peso;
  • Fadiga;
  • Problemas de sono;
  • Comprometimento social.

Como trabalhar a seletividade alimentar com a fonoaudiologia?

Este trabalho é muito amplo e específico, a fonoaudiologia é uma parte importante do tratamento, mas é necessário um trabalho conjunto com a equipe multidisciplinar, com Terapeutas Ocupacionais, Nutricionistas, Psicólogos, entre outros.

Cada caso deverá ser analisado cuidadosamente para definir quais os estímulos corretos para cada criança.

No geral, a fonoaudiologia pode auxiliar no diagnóstico e no processo terapêutico, diretamente.

O fonoaudiólogo pode fazer a terapia alimentar com o objetivo de aumentar o número de alimentos que a criança consome, além de ser um profissional com expertise nas funções que estão relacionadas com a alimentação (respiração, sucção, mastigação e deglutição).

Porém, vale lembrar que, por se tratar de um problema multifatorial, o ideal é ter um acompanhamento multidisciplinar.

Quando os estímulos são trabalhados em conjunto a um terapeuta ocupacional, os profissionais oferecem:

  • Estímulos táteis;
  • Contato com as diversas texturas;
  • Treino motor e
  • Apresentação de novos alimentos.

O que é um momento comumente reportado pelos pais como grande estresse e muita recusa.

Durante a estimulação são trabalhados todos os sistemas: olfato, visão, audição, paladar, vestibular e proprioceptivo, e a família participa, reproduzindo essa interação em casa.

O que fazer para auxiliar a criança na aceitação do alimento?

Além de acompanhar a criança autista em frequentes consultas com o fonoaudiólogo, é preciso colocar as estratégias em prática, para que o momento da refeição deixe de ser complexo e desafiador.

Já que é no círculo familiar que acontecem a maior parte das refeições, pais e cuidadores podem ficar atentos aos comportamentos alimentares da criança.

A ação de comer corresponde a uma cadeia de comportamentos complexos, que possuem diversas etapas. A organização do ambiente, a maneira de ofertar o alimento e o treino alimentar tornam a experiência mais agradável para a criança.

Afinal, o que fazer para ajudar a criança na aceitação do alimento? Para facilitar a alimentação da criança, alguns passos podem ser seguidos:

1. Estruture a rotina

Quando falamos em alimentação, criar um passo a passo para familiarizar a criança com a hora de comer ajuda muito na seletividade alimentar do autismo! Influencie ela a ajudar no preparo para a refeição, como: organizar a mesa, lavar as mãos e sentar à mesa com os familiares.

2. Incentive o processo de descoberta

Deixe que a criança sinta os alimentos, tocando-os mesmo que seja um “momento de bagunça”. É muito importante para que ela se familiarize com o que vai levar à boca. Comer junto a outras pessoas da família também as motiva para experimentarem algo desconhecido, pois se todo mundo está comendo, a criança pode ficar curiosa e experimentar.

3. Ofereça alimentos variados

Converse com a sua equipe multidisciplinar que acompanha esse processo, e descubra quais alimentos podem ser oferecidos para a criança. O fonoaudiólogo poderá indicar um bom caminho a seguir para potencializar e estimular o que é feito nos atendimentos, juntamente com um nutricionista que indicará a melhor fonte de nutrientes.

4. Estimule-a

Celebre cada alimento novo que a criança comer. Convide-a para cozinhar junto com você, lavar legumes e verduras, e deixe que ela participe da seleção dos alimentos, assim a relação com a alimentação se torna cada vez melhor.

5. Conheça onde está a dificuldade da criança e estabeleça as etapas de aproximação

Por exemplo: se a criança tem dificuldade com o cheiro do alimento no prato, você pode fazer uma brincadeira na cozinha enquanto o almoço está sendo preparado. Assim, a criança estará exposta ao cheiro, mas fazendo algo que não seja relacionado a ingerir o alimento.

Toda família quer que a criança se alimente da melhor forma possível, para ter um desenvolvimento saudável. Mesmo que a seletividade alimentar no autismo tire a paz de muitos pais, é preciso lembrar de que a criança precisa de um estímulo certo, com uma equipe multidisciplinar que potencialize o desenvolvimento dela.

Nunca force a criança a comer e nem faça combinados que a fará comer por ser uma troca. O prazer da alimentação deve ser o grande motivador e não algo externo, como, por exemplo, comer para poder assistir televisão.

Como a Genial Care pode auxiliar as crianças com autismo?

Para evitar que haja complicações sérias decorrentes da seletividade alimentar em crianças com TEA, é importante que pais e profissionais fiquem de olho nos seguintes aspectos:

  • A criança tem apresentado ganho de peso e altura adequados?
  • A criança consome alimentos de todos os grupos alimentares?
  • Há restrição de algum tipo de textura, cor, cheiro?
  • Há restrição de algum tipo de preparo ou apresentação do alimento?
  • Há restrição quanto ao contexto no qual há consumo alimentar?
  • Há medo excessivo de engasgar, vomitar ou se contaminar com alimentos evitados?

Caso seja avaliado que há comprometimento nesses aspectos, é necessária a busca por ajuda especializada quanto antes, para assim evitar complicações decorrentes da má nutrição, como, por exemplo, dificuldades de sono, fadiga e comprometimento social.

Aqui na Genial Care cuidamos para que as crianças com TEA e suas famílias alcancem seu máximo potencial, unindo a tecnologia a uma equipe multidisciplinar de desenvolvimento, com profissionais especializados em TEA — inclusive fonoaudiólogos.

Por isso, estamos disponíveis para entender mais sobre a seletividade alimentar da sua criança e encontrar estratégias efetivas para um futuro com mais qualidade de vida e autonomia.

Rede de cuidado de saúde atípica

Estamos contratando

Se você é um profissional da fonoaudiologia e busca uma oportunidade inovadora para fazer a diferença na vida de crianças com autismo e suas famílias, a Genial Care é o lugar perfeito para você.

Nossa clínica multidisciplinar está com vagas de fono, expandindo sua equipe e buscando fonoaudiólogos comprometidos e talentosos para se juntarem a nós nessa transformação.

Oferecemos um ambiente de trabalho colaborativo, infraestrutura moderna e recursos atualizados para o desenvolvimento profissional contínuo.

Além disso, você terá a chance de trabalhar lado a lado com uma equipe experiente de especialistas multidisciplinares, incluindo psicólogos ABA e terapeutas ocupacionais, proporcionando uma abordagem abrangente e integrada em todo o processo.

Fonoaudiólogos: preencham já nosso formulário

Na Genial Care, valorizamos a dedicação, a empatia e o compromisso em ajudar todas as crianças a alcançarem seu máximo potencial. Se você deseja fazer parte de uma equipe apaixonada por transformar vidas e contribuir para o avanço da fonoaudiologia no autismo, acesse nossas vagas agora mesmo.

A Genial Care é uma clínica multidisciplinar para crianças autistas e suas famílias, mas, além disso, é uma healthtech que valoriza os profissionais clínicos e oferece constantes treinamentos, trocas e formações para entregar resultados clínicos e intervenções de excelência.

Conclusão

A seletividade alimentar no autismo é um desafio complexo, mas com a intervenção adequada de um fonoaudiólogo especializado, muitas crianças podem expandir suas dietas e melhorar sua qualidade de vida.

Lembramos que cada criança é única, e as estratégias de tratamento podem variar. Portanto, é essencial buscar orientação profissional para determinar a melhor abordagem para seu filho.

Com a intervenção adequada, é possível superar esse desafio e promover uma alimentação saudável e equilibrada. Já temos um conteúdo sobre Escalada do Comer que pode ajudar na sua busca por informações, leia agora:

Conheça a Escalada do Comer no autismo

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Por que precisamos do Dia do Orgulho Autista? Conheça o estudo retratos do autismo no Brasil 2023 | Genial Care Dia Mundial do Meio Ambiente: natureza e a interação de crianças TEA Pessoas com TEA tem direito ao Benefício de prestação continuada (BPC)? Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Câmara aprova projeto que visa contratação de pessoas autistas Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi