Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
Menino com protagonismo infantil, brincando no chão com brinquedos de plástico

Como e por que estimular o protagonismo infantil no espectro?

Quando falamos em protagonismo infantil, precisamos lembrar que esse conceito entende que as crianças são seres autônomos, com direito a voz própria, e são capazes de emitir suas próprias opiniões com desejos e sonhos singulares.

Uma importante característica desse protagonismo na infância, é enfatizar a participação ativa das crianças no processo de aprendizagem, com metodologias ativas ou metodologias de aprendizagem.

Isso torna o processo de educação mais inclusivo, e que encoraja a explorar e experimentar novas ideias e experiências.

Nesse texto, vamos falar como as pessoas cuidadoras e até mesmo profissionais da área podem estimular a despertar o protagonismo infantil na criança autista. Leia para aprender!

O que é protagonismo infantil?

O protagonismo infantil diz respeito à importância da criança em ser protagonista da sua própria vida, e a capacidade de tomar decisões que auxiliam no desenvolvimento e bem-estar.

Esse processo envolve a promoção da autonomia, da tomada de decisões e da expressão das próprias opiniões e desejos durante as atividades, como forma de desenvolver essa habilidade para toda a vida.

Para crianças no espectro do autismo, o protagonismo pode ser particularmente desafiador, principalmente para aquelas que possuem barreiras de comunicação ou têm dificuldades de compartilhar seus desejos.

Mas, quando esse protagonismo infantil é estimulado em crianças com TEA, sempre respeitando suas necessidades, repertórios e vontades, isso impacta diretamente seu desenvolvimento global em todas as áreas do aprendizado.

Quando as famílias incentivam o protagonismo infantil na criança autista, uma série de benefícios são impulsionados a serem desenvolvidos, com características que contribuem para a autonomia, tais como:

  • Autoconfiança;
  • Autoestima;
  • Empatia
  • Pensamento crítico

Lembre-se: o protagonismo infantil é um conjunto que deve ser abordado com muito cuidado pelas pessoas cuidadoras e, quando preciso, com a ajuda de um profissional da psicologia para trabalhar essas habilidades socioemocionais, que vão favorecer relações interpessoais ao longo da vida da criança.

Por que estimular o protagonismo infantil em crianças autistas?

Os benefícios de estimular o protagonismo infantil vale para toda criança, típica ou atípica, isso porque essa característica contribui para o desenvolvimento da criança de forma que ela estimule a própria autonomia, autoestima e, ainda, a habilidades socioemocionais.

Esse processo é muito importante durante as etapas de crescimento da criança, para que ela descubra e entenda com o que mais se identifica, além de respeitar os próprios sentimentos e desejos em determinadas situações.

Quando esse protagonismo é feito como parte do desenvolvimento da criança, é possível:

  • Desenvolver a autoconfiança;
  • Melhorar a comunicação e interação Social;
  • Potencializar a autonomia;
  • Respeitar a diversidade.

É muito importante para que ela estabeleça limites, trazendo à tona o pensamento cada vez mais amadurecido acerca das situações que as envolve. Isso impacta – diretamente – na forma como ela vai enxergar a si mesmo, as próprias emoções e, como consequência, na forma que enxerga a pessoa ao redor.

5 dicas para estimular o protagonismo infantil em casa

pai e filha brincando com blocos coloridos

As pessoas cuidadoras podem adotar diversas práticas para estimular o protagonismo infantil em casa, mesmo que não alcancem o resultado esperado, estimular a colaboração e o trabalho em equipe, contribuem para o desenvolvimento socioemocional da criança.

Mas atenção: essas informações sempre devem ser compartilhadas com a equipe que atende e acompanha o desenvolvimento da criança, para garantir que as estratégias sejam individualmente criadas com base no repertório da criança.

Há várias maneiras de os pais estimularem o protagonismo infantil em casa. Algumas sugestões são:

1. Dar espaço para a criança se expressar

Oferecer um ambiente acolhedor e seguro é fundamental para a criança se sentir à vontade para falar sobre suas ideias, pensamentos e sentimentos sem que seja julgada, dessa forma, a criança se sente ouvida e respeitada.

O estímulo ao protagonismo ajuda a construir a autoconfiança das crianças. Para aquelas no espectro, que muitas vezes enfrentam dificuldades na interação social, é fundamental cultivar a confiança em suas próprias habilidades e opiniões.

2. Incentivar a tomada de decisão

As pessoas cuidadoras podem oferecer opções para a criança escolher, dando a ela a oportunidade de decidir sobre assuntos que lhe dizem respeito, como a roupa que vai vestir, o que vai comer no lanche, qual brinquedo quer brincar, entre outros.

Permitir que as crianças tenham voz ativa em suas vidas promove o desenvolvimento da comunicação e das habilidades sociais. Isso pode ajudar a reduzir o isolamento e melhorar os relacionamentos interpessoais.

3. Promover a resolução de problemas

Antes de identificar um problema e a solução, os pais podem auxiliar a criança nessa etapa, oferecendo opções para que ela estimule a criatividade e capacidade de raciocínio.

O protagonismo infantil incentiva a independência e a autonomia, habilidades essenciais para a vida adulta. Ajudar e permitir crianças no espectro a fazerem escolhas e assumirem responsabilidades contribui significativamente para seu desenvolvimento global.

4. Valorizar o esforço e a tentativa

É importante valorizar o esforço e a tentativa da criança, mesmo que ela não alcance o resultado esperado. Isso ajuda a fortalecer a autoestima e a confiança da criança em suas próprias habilidades.

5. Estimular a colaboração e o trabalho em equipe:

O incentivo para a criança colaborar com outras pessoas, seja em atividades em família ou com amigos, pode surgir a partir de jogos colaborativos, que reforçam a importância do trabalho em equipe e ajudam a desenvolver habilidades socioemocionais, como a empatia, a solidariedade e o respeito às diferenças.

Além disso, estimular o protagonismo também promove a aceitação da diversidade. Crianças no espectro têm habilidades e perspectivas únicas a oferecer, e é fundamental reconhecer e valorizar essas diferenças.

O papel do ambiente escolar no desenvolvimento do protagonismo infantil

O ambiente escolar acaba sendo, em grande parte, o principal local para estimular o desenvolvimento do protagonismo infantil, isso porque, como citamos acima, existem metodologias de ensino que têm exatamente esse objetivo: tornar a criança o principal responsável e protagonista do processo de aprendizagem.

Entretanto, a criança precisa que esse processo seja expandido para outros ambientes, de forma que esse processo seja eficaz.

Por isso, alguns pedagogos defendem que a intenção do protagonismo infantil deve começar em casa, com os cuidadores influenciando e promovendo espaços para o desenvolvimento dessa característica.

O que a BNCC fala sobre protagonismo infantil?

3 crianças em um corredor de biblioteca com livros na mão

A BNCC (Base Nacional Comum Curricular) é um documento que estabelece as aprendizagens essenciais que todos os alunos brasileiros devem desenvolver ao longo da Educação Básica, destaca a importância do protagonismo infantil em sua seção introdutória.

Existem metodologias de ensino cujo objetivo é desenvolver diretamente o protagonismo infantil durante o processo de aprendizagem, já falamos sobre algumas delas em nosso blog, como a Montessori e a Reggio Emilia, que são recomendadas, inclusive pela Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

Segundo a BNCC, o protagonismo infantil pode ser visto como um elemento central da Educação Básica, por isso, destaca a importância de promover a participação ativa das crianças em seu próprio processo de aprendizagem e desenvolvimento, estimular a exercitar a capacidade de resolver problemas, tomar decisões e enfrentar desafios.

Isso contribui para o desenvolvimento de competências socioemocionais, como a empatia, a colaboração e o respeito às diferenças, fundamentais para a formação integral dos alunos.

Para a BNCC, é essencial que as crianças sejam reconhecidas como sujeitos de direitos e que tenham a oportunidade de exercer o protagonismo em suas próprias vidas.

Isso significa que elas devem ser incentivadas a tomar decisões e a participar ativamente do processo educativo, em parceria com os adultos.

Conclusão

Estimular o protagonismo infantil no espectro do autismo é essencial para promover o desenvolvimento amplo das crianças.

Ao oferecer-lhes a oportunidade de serem os protagonistas de suas próprias vidas, estamos capacitando-os a alcançar seu pleno potencial e a contribuir de maneira significativa para o mundo ao seu redor.

Com estratégias práticas e o apoio adequado, podemos auxiliar as crianças a terem um futuro muito mais inclusivo, autônomo e independente.

Para ler mais conteúdos relacionados ao tema de desenvolvimento infantil, acesse o botão abaixo:

Para as famílias

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Câmara aprova projeto que visa contratação de pessoas autistas Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul