Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos

A importância do brincar para crianças com transtorno do espectro autista

O ato de brincar é universal e atemporal, uma linguagem que permite que todas as crianças consigam explorar e conhecer o mundo ao seu redor. Mas para além de um simples momento de diversão, as brincadeiras são fundamentais para o desenvolvimento infantil, inclusive no âmbito da aprendizagem.

Assim, a importância do brincar desempenha um papel essencial para crianças no espectro, já que estratégias lúdicas conseguem direcionar as diferentes maneiras de brincar, focando no ganho e desenvolvimento de habilidades e repertório.

Neste artigo, exploraremos os benefícios do brincar para crianças com TEA e compartilharemos algumas brincadeiras específicas que podem auxiliar no seu crescimento e aprendizado. Confira!

A importância do brincar no desenvolvimento infantil

Brincar é uma parte importante do crescimento e desenvolvimento das crianças, ajudando-as a desenvolver várias habilidades, como imitação, atenção, memória e imaginação.

Além disso, as brincadeiras também ensinam sobre regras, relacionamento consigo mesmas e com os outros, e contribuem para o desenvolvimento do pensamento para as situações em que são expostas, seja brincando sozinhas ou em grupos.

De acordo com o estudo “O brincar e a criança com transtorno do espectro autista: revisão de estudos brasileiros” feito em 2020, o brincar é algo que as crianças fazem para satisfazer suas necessidades, reproduzir coisas que veem em sua vida cotidiana e se divertir de formas que não podem fazer em outras situações.

Além disso, existe um conceito chamado de “zona de desenvolvimento proximal” que significa que as crianças têm habilidades que ainda não estão totalmente desenvolvidas, mas que estão evoluindo.

Isso quer dizer que, entre o que a criança já desenvolveu e o que ela poderá desenvolver, existe um espaço onde, por meio de estímulos e mediação, a criança poderá atingir capacidades superiores às já alcançadas, e é aqui que a importância do brincar é ainda maior!

As diferentes maneiras de brincar

duas crianças brincando com gelo

Quando pensamos na importância do brincar para criança autista precisamos levar em consideração que existem formas distintas de desenvolver habilidades e construir repertórios para a rotina.

Antes de conhecermos cada uma delas, é importante lembrar que todas essas maneiras são essenciais para um plano de desenvolvimento amplo da criança, contemplando as várias possibilidades e oportunidades de aprendizagem.

Brincar independente

Aqui, a criança autista consegue se engajar em atividades, com objetos e brincadeiras, sem precisar de outra pessoa para ensinar a função ou medir a ação. É quase que o brincar sozinho para aprendizado.

A importância do brincar independente é fundamental, já que ajuda no estímulo da autonomia e independência, diminuição de agitação, favorecendo a imaginação e criatividade. Além disso, é uma ótima forma de favorecer o enfrentamento de situações novas e autorregulação emocional.

Brincar funcional

Já no brincar funcional, a criança consegue dar funcionalidade a um ou mais objetos e brinquedos que envolvem aquele momento, como, por exemplo: chutar uma bola no gol, fazer um carrinho andar ou ler um livro para uma boneca.

Com esse propósito é possível fazer a criança entender melhor o mundo ao redor, estimular a sua paciência e concentração, além de proporcionar reconhecimento de lógica e sequência de comportamentos.

Brincar simbólico

Quando falamos de brincar simbólico, estamos nos referindo ao ato de usar um objeto ou brinquedo como se fosse outro, criando um aspecto imaginário. Isso ajuda a expandir possibilidades durante a brincadeiras, e mostra que a importância do brincar vai além do momento presente, mas também ajuda na criação de repertório.

Entre os benefícios podemos destacar o desenvolvimento de competências como imaginação e raciocínio, o trabalho de abstração e o estímulo de flexibilização e superação de desafios a partir de novas possibilidades.

Além de tudo isso, o brincar simbólico também prepara a criança autista para outras interações sociais, já que estimula uma conversação e imaginação.

Brincar de faz de conta

Bem próximo do brincar simbólico, nessa modalidade a criança consegue atuar e trocar de papéis durante a brincadeira. Dessa forma, ela consegue pensar, elaborar, construir e representar usando a criatividade.

A importância do brincar de faz conta está no trabalho da linguagem, estímulo de interesse pelo outro, favorecimento da identidade e afetividade e é claro, expansão do ambiente em que está.

Além de tudo isso, esse brincar também prepara a criança para outras interações sociais, já que estimula uma conversação e imaginação.

Brincar compartilhado

Por fim, no brincar compartilhado temos um aspecto de troca, onde cada parceiro tem sua vez, em trocar de turno comunicativas, necessitando da interação social como parte da brincadeira.

Esse ato ajuda na promoção de sensação de pertencimento, construção da autoestima, aprendizado de regras e costumes sociais, além de trabalhar a linguagem e ensinar a dividir e compartilhar.

Benefícios do brincar para a criança com TEA

O brincar deve sempre ser estimulado nas crianças e levado a sério. Por mais lúdico e divertido que esse momento seja para o pequeno, ele também é fundamental para o desenvolvimento e socialização de crianças com TEA.

Entre os principais benefícios de ter estratégias bem direcionadas nesse sentido, sempre respeitando as etapas do desenvolvimento e particularidades de cada criança, temos:

  • Estímulo social: o brincar promove interação social, ajudando as crianças com TEA a desenvolverem habilidades sociais fundamentais para as trocas diárias. Brincar com colegas, familiares e amigos permite que elas pratiquem a empatia, comunicação e compartilhamento de emoções e sentimentos.
  • Melhora da comunicação: o ato de brincar, muitas vezes, envolve o uso da linguagem, seja através da comunicação verbal, gestos ou expressões faciais. Isso é uma oportunidade maravilhosa para crianças com TEA praticarem e aprimorarem suas habilidades comunicativas.
  • Desenvolvimento cognitivo: brincar é uma forma natural de aprendizado. Assim, as brincadeiras estimulam o pensamento criativo, a resolução de problemas e a criatividade, permitindo que as crianças explorem e desbravem o mundo ao redor.
  • Redução do estresse e regulação emocional: a importância do brincar é vista também como forma de regulação emocional, já que esse ato ajuda a reduzir ansiedades e momentos de crise em crianças no espectro, permitindo que elas fiquem mais confortáveis e seguras durante atividades que gostam.
  • Desenvolvimento motor: Muitas brincadeiras envolvem movimentos físicos, o que contribui para o desenvolvimento motor das crianças. Isso é particularmente importante para crianças com TEA, que podem ter desafios na coordenação motora.

A importância do brincar e a participação dos pais

pai e filha brincando com blocos coloridos

A criança autista precisa ser estimulada a aprender de formas naturais e efetivas, e as interações lúdicas e brincadeiras contribuem muito para isso.

É muito mais do que apenas diversão; é uma ferramenta fundamental para o desenvolvimento de habilidades cognitivas, emocionais e sociais.

O que torna essa jornada de descoberta ainda mais significativa é o envolvimento ativo e carinhoso dos pais. Por isso, os pais e todo o núcleo familiar têm um papel essencial nesse processo.

Todos que fazem parte do dia a dia da criança precisam estar envolvidos na hora do brincar, já que ajuda ela ter mais perspectiva do que pode ser feito. Isso porque, o brincar é uma parte essencial do crescimento de uma criança.

Quando os pais se envolvem no brincar de seus filhos, essa interação torna-se um momento precioso de conexão. É uma oportunidade para os pais compreenderem as necessidades, desejos e personalidades únicas de seus filhos.

Essa interação fortalece os laços familiares e a criação do vínculo parental, aumentando a confiança mútua e o amor compartilhado.
Além disso, ao brincar com seus filhos, os pais podem ajudá-los a expressar sentimentos, lidar com desafios emocionais e desenvolver a empatia. O ato de brincar pode ser terapêutico, proporcionando um espaço seguro para explorar emoções.

O que contribuiu efetivamente para o protagonismo infantil dentro do espectro!

Por isso, a participação ativa dos pais no brincar de seus filhos é uma maneira poderosa de enriquecer o desenvolvimento infantil. É um investimento no crescimento físico, mental e emocional das crianças, ao mesmo tempo, em que cria momentos especiais que durarão toda a vida.

Quais brincadeiras podem ser feitas com crianças autistas?

É muito importante lembrarmos que cada criança é única e tem suas preferências, gostos e particularidades. Por isso, não existe uma brincadeira certa ou errada quando falamos do desenvolvimento infantil.

O que existem, são brincadeiras e jogos que fazem parte do repertório e gostos de uma criança, ajudando-a desenvolver o lúdico por meio da diversão. Por isso, é fundamental sempre respeitar o perfil individual de cada criança e pensar em oportunidades que combinem com seu gosto.

O importante é oferecer um ambiente de apoio e incentivar o brincar de maneira que seja confortável para a criança. O brincar é uma poderosa ferramenta para o desenvolvimento, proporcionando diversão e aprendizado simultaneamente.

Aqui você encontra algumas opções de brincadeiras que podem ser aplicadas no dia a dia:

Brincadeiras de imitar (jogos de imitação)

pai e filho olhando para o espelho

As brincadeiras de imitar não apenas estimulam a criatividade, mas também ajudam as crianças a compreenderem o mundo ao seu redor.
Quando as crianças imitam adultos ou outras crianças, estão aprendendo a se comunicar, a entender papéis sociais e a desenvolver habilidades cognitivas.

Além disso, essas brincadeiras fortalecem os laços entre pais e filhos, criando momentos especiais de conexão.

Aqui é possível fazer jogos de imitação, usar brinquedos para criar histórias sociais, sentar em frente ao espelho e promover mímicas e gestos.

Brincadeiras que promovem a comunicação

Crianças brincando com blocos de empilhar.

A comunicação é uma habilidade fundamental que as crianças com TEA podem aprimorar através do brincar.

Brincar com jogos que envolvem diálogo, gestos e interações verbais ou não verbais é uma maneira eficaz de promover o desenvolvimento da linguagem e da comunicação.

Além de ser uma experiência de aprendizado, essas brincadeiras também podem ser divertidas e fortalecer o relacionamento entre pais e filhos.

Atividades ao ar livre

Crianças brincando em gramado de parque

As atividades ao ar livre são uma excelente maneira de as crianças com TEA explorarem o mundo e desenvolverem suas habilidades motoras.
Elas podem descobrir texturas, cores, sons e o ambiente natural enquanto se divertem ao ar livre.

Caminhadas na natureza, piqueniques, jogos esportivos e até mesmo brincadeiras na areia ou na água são oportunidades para um desenvolvimento saudável e para aprimorar habilidades sensoriais.

Além disso, o ar livre oferece uma variedade de estímulos que podem beneficiar crianças no espectro.

Conclusão

O brincar é uma parte fundamental do crescimento e desenvolvimento de todas as crianças, e para aquelas com Transtorno do Espectro Autista (TEA), seus benefícios são ainda mais notáveis.

Essas atividades não apenas proporcionam momentos de alegria e diversão, mas também desempenham um papel vital no desenvolvimento social, emocional, cognitivo e motor dessas crianças.

É essencial lembrar que, enquanto compartilhamos algumas brincadeiras específicas, cada criança é única, e suas preferências podem variar.
Portanto, a chave para promover o brincar saudável para crianças com TEA está na observação, adaptação e no apoio individualizado.

Aqui em nosso blog, temos um conteúdo com dicas de 5 brincadeiras para integração sensorial no autismo que podem ajudar na hora de criar momentos inesquecíveis e divertidos, olha só:

5 dicas de brincadeiras para integração sensorial no autismo

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Câmara aprova projeto que visa contratação de pessoas autistas Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul