Search
Pessoa autista lida com o luto: mulher em posição fetal. Ela está com semblante de tristeza e olhar disperso.

O pesar da perda: como uma pessoa autista lida com o luto?

O autismo é um transtorno de neurodesenvolvimento com características, desafios e habilidades singulares. Cada pessoa no espectro autista é única, com suas próprias experiências, necessidades e maneiras de processar emoções.

A empatia, a capacidade de se conectar com as emoções dos outros e entender o que estão passando, é uma habilidade social que muitas vezes se pensa ser limitada em pessoas autistas.

Mas, embora possam enfrentar desafios na comunicação de seus sentimentos e na compreensão das expressões emocionais dos outros, isso não significa que sejam pessoas autistas não tenham sentimentos ou empatia.

Quando falamos do luto, um processo emocional complexo, relacionado à perda de algo ou alguém significativo, sabemos que é uma emoção que comove todas as pessoas, independentemente de estarem ou não no espectro

No entanto, a forma como as pessoas autistas experienciam e lidam com essas fases do luto pode ser profundamente influenciada por suas características individuais no espectro.

Neste texto, vamos falar sobre como as pessoas autistas lidam com suas emoções, incluindo o luto, e como podemos ajudar nesse processo.

O luto e suas complexidades

Homem com o rosto sobre os ombros em sinal de tristeza. Ele representa como Pessoa autista lida com o luto.

O luto é uma experiência emocional complexa que todos nós enfrentamos em algum momento de nossas vidas. No entanto, essa jornada não segue um “roteiro” e suas complexidades variam de pessoa para pessoa.

A psiquiatra suíça Elisabeth Kübler-Ross, em seu trabalho intitulado “Sobre a Morte e o Morrer”, identificou as respostas psicológicas comuns de pacientes em estágio terminal e desenvolveu as cinco etapas que descrevem a perspectiva da morte:

  • Negação;
  • Raiva;
  • Negociação;
  • Depressão e
  • Aceitação.

No entanto, muitos especialistas concordam que o luto não é uma estrada de mão única, e as pessoas podem vivenciar essas fases de maneira não sequencial ou repetitiva.

A forma como o luto é vivenciado varia significativamente entre culturas e indivíduos. Diferentes sociedades têm rituais e tradições distintas para lidar com a perda, e cada pessoa traz suas próprias crenças, valores e experiências para o processo de luto.

Na psicanálise, de acordo com as perspectivas de Sigmund Freud, o luto pode ser interpretado como uma reação natural, uma resposta esperada à perda de um ente querido.

Portanto, ele não deve ser automaticamente considerado como um processo patológico, mas sim como uma condição que, com o tempo, pode ser superada (“trabalho de luto”).

Algumas pessoas podem enfrentar complicações no processo de luto, como luto prolongado, luto complicado, ou transtorno de estresse pós-traumático relacionado à perda.

Identificar essas complicações é importante para buscar apoio profissional quando necessário.

Amigos, familiares e profissionais de saúde desempenham um papel vital no apoio às pessoas enlutadas. Compreender as complexidades do luto e oferecer apoio sensível e empático é fundamental para auxiliar na jornada de cura.

Autismo e emoções

Embora seja comum pensar que pessoas no espectro autista têm dificuldades em expressar emoções e compreender expressões faciais, essa afirmação não é verdadeira.

Pessoas no Espectro do Transtorno Autista (TEA) são sim capazes de compreender e expressar as emoções, assim como qualquer pessoa típica.

O que acontece é que muitas possuem formas diferentes de se comunicar e se expressar, ou possuem dificuldades em se comunicarem com outras pessoas.

Assim como todas as pessoas típicas, pessoas atípicas também precisam de apoio para compreenderem as próprias emoções e, como consequência, passam a entender emoções e expressões de pessoas com quem interagem.

No caso do luto, pessoas autistas podem enfrentar desafios na comunicação e na expressão de sentimentos. Isso pode tornar difícil para eles compartilhar seu pesar com os outros, o que pode ser interpretado como indiferença ou falta de empatia.

No entanto, é importante lembrar que a dificuldade em comunicar sentimentos não significa que não estão vivenciando o luto. Muitas vezes, eles têm maneiras próprias de expressar tristeza e pesar, como por meio de escrita, arte, música ou outras formas criativas.

Entendendo como a pessoa autista lida com o luto

Cada pessoa autista lida com o luto de forma única, mas devido à sua diversidade de características e modos de processar emoções, podem abordar o pesar de maneira diferente em comparação com indivíduos neurotípicos.

Com frequência, a comunicação e a expressão de sentimentos podem ser um desafio, o que pode levar a mal-entendidos por parte dos outros, que podem interpretar a aparente falta de empatia como indiferença.

No entanto, é fundamental compreender que a dificuldade na expressão de emoções não significa ausência de luto.

Muitas pessoas autistas encontram formas criativas, como a arte, a música ou a escrita, para expressar sua tristeza e pesar de maneira significativa.

A maneira como uma pessoa autista lida com o luto é altamente individual e influenciada por suas características no espectro. Compreender suas necessidades e oferecer apoio adaptado a elas é essencial para ajudá-las a enfrentar o pesar da perda de maneira significativa e saudável.

Compreendendo as necessidades autistas no luto

Muitas pessoas autistas têm apego pela rotina e estrutura, principalmente pela previsibilidade dela. A perda de alguém ou algo significativo pode desestabilizar essa rotina, o que pode ser especialmente desafiador para elas.

É importante reconhecer a importância da previsibilidade e oferecer apoio na reconstrução de uma nova rotina que lhes permita lidar com o pesar.

Dê à pessoa autista a oportunidade de falar sobre seus sentimentos, mas também esteja preparado para respeitar seu espaço quando necessário. Algumas pessoas podem precisar de momentos de solidão para processar suas emoções.

Lembre-se de que o processo de luto é pessoal e pode levar mais tempo para algumas pessoas autistas do que para outras. Respeite seu ritmo e evite pressioná-las para “superar” a perda rapidamente.

Estratégias para apoiar pessoas autistas no luto

Uma estratégia importante é atentar a rotina, já que – como falamos acima – ela é tão importante para oferecer a previsibilidade, por isso, em momentos de mudança por conta da perda de um ente querido, procure auxiliar a pessoa autista a se adaptar a qualquer mudança na rotina.

De olho na sensibilidade sensorial

Muitas pessoas autistas têm sensibilidades sensoriais intensas (Transtorno de Processamento Sensorial – TPS), e durante o processo de luto, essas sensibilidades podem ser exacerbadas, tornando sons altos, luzes brilhantes ou toque físico mais aversivos.

Oferecer um ambiente tranquilo e adaptado às necessidades sensoriais da pessoa pode ser crucial para ajudá-la a enfrentar o luto de maneira mais confortável.

Informe tudo claramente

É importante comunicar a situação de maneira transparente, evitando metáforas ou linguagem ambíguas (ironia). Isso ajuda a reduzir a ansiedade e o estresse associados ao processo de luto.

Demonstre apoio

Embora as pessoas autistas possam ter dificuldades na interação social, o apoio de amigos, familiares e terapeutas desempenha um papel fundamental no processo de luto. A criação de um ambiente de apoio e a compreensão das necessidades específicas da pessoa autista são essenciais para auxiliá-la durante esse período.

Se o processo de luto de uma pessoa autista se tornar especialmente desafiador, considere a consulta a um profissional de saúde mental com experiência em autismo para fornecer apoio adequado.

Conclusão

A maneira como uma pessoa autista lida com o luto é profundamente influenciada por suas características individuais no espectro autista. Embora possam enfrentar desafios na comunicação e expressão de sentimentos, isso não significa que não estão vivenciando o pesar da perda.

É importante compreender que o luto é uma experiência altamente pessoal e que as pessoas autistas podem expressar sua tristeza de maneira única, muitas vezes por meio de formas criativas, como a arte, a música e a escrita.

Compreender e respeitar a individualidade das pessoas autistas no processo de luto é fundamental para ajudá-las a enfrentar essa experiência emocional complexa de maneira significativa e saudável.

Quer continuar a ler mais sobre as emoções de pessoas autistas? Acesse o texto em nosso blog:

Habilidades emocionais

Conheça nosso atendimento padrão ouro em intervenção para autismo
Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Canabidiol no tratamento de autismo Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul Meu filho foi diagnosticado com autismo, e agora? Conheça a Sessão Azul: cinema com salas adaptadas para autistas Síndrome sensorial: conheça o transtorno de Bless, filho de Bruno Gagliasso Escala M-CHAT: saiba como funciona! Déficit na percepção visual: Como a terapia ocupacional pode ajudar? 3 aplicativos que auxiliam na rotina de crianças autistas 3 Animações que possuem personagens autistas | Férias Geniais Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Conheça os principais tratamentos para pessoas no espectro autista Diagnóstico de autismo do meu filho. O que preciso fazer? Quais os principais sinais de que meu filho tem autismo? Diagnóstico de autismo: quais os próximos passos. Veja 5 dicas Estereotipias: o que são e quais as principais em pessoas autistas 5 personagens autistas representados em animações infantis Graus de autismo: Conheça quais são e como identificá-los Outubro Rosa: 5 maneiras da mãe se cuidar 5 brincadeiras para o Dia das Crianças O Rol taxativo da ANS chegou ao fim? AUTISMO em ADULTOS: Quando e como saber? AUTISMO e ASPERGER: 25 sinais de Autismo Infantil Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Autismo: Fui diagnosticada aos 60 anos e agora?