Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
Menino com atividades calmantes. Ele está deitado com pedaços de pepino no olho, relaxando em um spa

Atividades calmantes: 5 dicas para ajudar crianças com TEA

Para crianças no espectro do autismo, o manejo das emoções muitas vezes se torna um desafio complexo, especialmente em momentos de crise ou quando há desregulação emocional.

É importante compreender quais atividades calmantes podem integrar suas rotinas, proporcionando uma maior qualidade de vida e bem-estar ao longo dos dias.

Essas crianças frequentemente enfrentam dificuldades na interpretação, organização e resposta adequada às múltiplas informações sensoriais do ambiente, o que pode levá-las a reagir de forma intensa ou limitada em diversas situações.

No entanto, é possível auxiliá-las por meio de atividades que promovem o reconhecimento saudável das emoções, permitindo uma conexão mais clara com os eventos desencadeadores e um maior entendimento dos gatilhos emocionais.

Se você é um cuidador, faz parte da família ou simplesmente busca estratégias e atividades que acalmem e beneficiem, este texto foi elaborado especialmente para você.

Conversamos com a terapeuta ABA, Júlia Amed, da nossa equipe, e reunimos algumas orientações valiosas sobre atividades calmantes que podem ser de grande auxílio!

Julia Parada Amed | Psicóloga | CRP 06/159606

O que é o processamento sensorial?

Compreender o processamento sensorial é essencial antes de explorarmos as atividades tranquilizadoras para crianças com autismo.

Este processo está intrinsecamente ligado ao modo como nosso sistema nervoso central lida com as informações provenientes dos órgãos sensoriais, como estímulos visuais, táteis, auditivos e olfativos.

No contexto autista, é comum observarmos o Transtorno de Processamento Sensorial (TPS), uma disfunção que afeta como essas informações são recebidas e interpretadas.

O TPS é uma condição neurológica em que o cérebro e o sistema nervoso apresentam dificuldades em processar e interpretar estímulos, tanto os provenientes do ambiente externo como:

  • Luzes;
  • Cheiros e
  • Sons)

Quanto os internos:

  • Texturas;
  • Tecidos e
  • Alimentos

Por ser uma condição relacionada ao sistema nervoso, esse distúrbio é considerado uma comorbidade, impactando significativamente a qualidade de vida e o desenvolvimento daqueles que enfrentam essa disfunção sensorial.

Em um ambiente extremo, a hipersensibilidade ocorre quando a pessoa recebe estímulos sensoriais intensos, podendo resultar em crises sensoriais diante de estímulos como barulhos altos ou texturas desconhecidas.

Por outro lado, a hipossensibilidade, ou hipo resposta, manifesta-se na dificuldade de processar múltiplos estímulos, exigindo uma maior quantidade de estímulos para serem percebidos e processados.

Pessoas com hipossensibilidade frequentemente buscam ativamente por estímulos, podendo parecer agitados ou inquietos, enquanto aqueles com hipersensibilidade podem reagir de forma exagerada a estímulos do ambiente.

Essas sensibilidades sensoriais também podem influenciar a aquisição de habilidades motoras, como a coordenação motora fina, levando a aversões a materiais de estímulo, como lápis, canetas ou giz de cera.

Portanto, observar atentamente as reações diante de novos estímulos é fundamental. Adaptações nas atividades são essenciais para promover uma melhor qualidade de vida durante o processo de desenvolvimento e aprendizagem, levando em consideração as necessidades individuais e as especificidades sensoriais de cada pessoa no espectro do autismo.

@genialcare O que é a “Síndrome Sensorial” que está todo mundo falando? A nossa coordenadora de T.O., Mari Asseituno, explicou tudo nesse vídeo! Compartilhe informações verdadeiras ♥ #TPS #TranstornoBless #SíndromeBless #GioEbwank #hipersensibilidade #terapiaocupacionalautismo ♬ Aesthetic – Tollan Kim

Quais os desafios do processamento sensorial em crianças com autismo?

Crianças no espectro do autismo podem enfrentar uma série de desafios no processamento sensorial. Estes desafios podem variar consideravelmente de uma criança para outra. Veja algumas das dificuldades mais comuns.

Hipersensibilidade sensorial

Alguns indivíduos no espectro autista podem ser hipersensíveis a estímulos sensoriais como luzes intensas, sons altos, texturas específicas de alimentos, ou mesmo sensações táteis leves. Isso pode resultar em reações intensas, ansiedade, desconforto ou até mesmo em crises sensoriais diante desses estímulos.

Hipossensibilidade sensorial

Por outro lado, outras crianças no espectro podem ser hipossensíveis, o que significa que têm uma percepção diminuída dos estímulos sensoriais. Elas podem precisar de estímulos sensoriais mais intensos para processá-los ou para se envolverem em atividades sensoriais.

Desafios na regulação emocional

As dificuldades no processamento sensorial muitas vezes estão intimamente ligadas à regulação emocional. Crianças autistas podem ter dificuldade em regular suas emoções, especialmente quando confrontadas com estímulos sensoriais que as sobrecarregam ou as deixam desconfortáveis.

Dificuldades de aprendizagem e comportamentais

O processamento sensorial pode afetar a capacidade de uma criança em se concentrar, interagir socialmente e participar de atividades acadêmicas. A superestimulação sensorial pode levar a distrações constantes e dificuldade em filtrar informações importantes do ambiente.

Impacto nas atividades diárias

As dificuldades sensoriais podem afetar atividades diárias como alimentação, higiene pessoal e interações sociais. Por exemplo, certas texturas de alimentos podem ser intoleráveis ou a sensibilidade tátil pode dificultar o uso de certas roupas.

Desafios de coordenação e habilidades motoras

Algumas crianças autistas podem ter dificuldades com habilidades motoras finas ou grossas devido a aversões a determinadas texturas, ou materiais.

Impacto na qualidade de vida

Em última análise, as dificuldades no processamento sensorial podem ter um impacto significativo na qualidade de vida, causando estresse, ansiedade e dificuldade em participar plenamente de atividades cotidianas.

Esses desafios sensoriais variam de pessoa para pessoa, e é fundamental adaptar estratégias e ambientes para atender às necessidades individuais de cada criança autista.

Integração sensorial e o autismo

Quando falamos de integração sensorial e autismo, estamos nos referindo a uma das práticas mais conhecidas da Terapia Ocupacional. Seu foco está em auxiliar as pessoas que tenham dificuldades sensoriais, auxiliando no processamento de texturas, cheiros, sons e gostos.

Durante essas atividades, os profissionais de T.O. utilizam o interesse e a motivação da criança, onde desenvolve a intervenção num contexto de brincadeiras que envolve cuidadosamente experiências sensoriais como:

  • Toque;
  • Movimento;
  • Sensações musculares/articulares;
  • Equilíbrio;
  • Notoriedade de espaço e lugar.

Nesse aspecto, utilizar de atividades calmantes, pode ser um grande aliado para auxiliar as crianças com dificuldades no processamento sensorial, garantindo que tenham um desenvolvimento mais autônomo e saudável.

Atividades calmantes para crianças com autismo

Agora que você já sabe o que é o processamento sensorial e como as atividades calmantes podem ser usadas como técnicas para ajudar crianças em crises a diminuírem a sensação de que algo está incomodando, chegou o momento de conhecer algumas dicas que podem ser usadas no dia a dia.

Vale ressaltar que: toda criança é única e tem seu próprio repertório e necessidades, sendo fundamental entender o perfil específico da pessoa e apenas usar dicas que fazem sentido no contexto dela.

Se tiver alguma dúvida ou precisar de suporte para adicionar atividades calmantes na rotina, lembre-se de conversar com a equipe multidisciplinar que acompanha o desenvolvimento dessa criança e entender o que faz mais sentido na rotina dela.

Júlia separou 5 dicas de atividades calmantes que podem auxiliar a família nesse momento:

Validar as emoções da criança: de uma forma sucinta – sem ficar falando muito e encher a criança de estimulação sonora, dizer que entende que ela está triste/brava/chateada e que está tudo bem, e aquilo vai passar;

Deixar a criança buscar um item ou atividade de conforto dela para se acalmar: o brinquedo favorito, um jogo, bichinho de pelúcia ou qualquer item que possa ajudar ela a se regular emocionalmente;

Criar um ambiente seguro e que não tenha muitos estímulos: ou seja, sem muitos sons, luz forte, cheiros intensos, já que tudo isso pode dificultar a regulação sensorial da criança no momento de crise;

Atividades calmantes são aquelas que ela se interessa: procure deixar disponíveis itens de interesse, algo que não exija que a criança cumpra uma tarefa, ou aprenda algo novo, além de fazer sempre com pessoas que ela gosta, confia e tem o vínculo estabelecido.

Foque na estimulação que a criança gosta: se a criança gosta de estimulação visual, procure por brinquedos coloridos, com luzes, uma daquelas garrafas sensoriais que tem glitter e bolinhas coloridas. Se ela gosta de estimulação auditiva, foque em livros musicais, brinquedos com sons e instrumentos. E se ela gosta de estimulação tátil, uma boa podem ser as massinhas, bacias com bolinhas de gel, geleca, etc.

A psicóloga afirma que “é interessante no momento de crise retirar demandas, ou seja: não é o momento de fazer perguntas (por mais que sejam para te dar um “norte”), mandar a criança fazer algo ou inserir diversas instruções”.

“É legal também mostrar atividades que a criança já tenha masterizado (ou seja, totalmente aprendido) e que não exigem a ajuda de ninguém, criando um ambiente que ela se interessa.”

5 Atividades calmantes ajudam em momentos de crise

Às vezes, em momentos de crise ou desregulação emocional, encontrar maneiras de acalmar e trazer conforto para crianças no espectro autista pode parecer um desafio.

É nesses momentos que atividades simples, mas poderosas, podem fazer toda a diferença, oferecendo uma jornada sensorial e emocional que acalma e traz estabilidade. Por isso, conheça algumas delas.

Brincar com massinha de modelar

Criança brincando com massinha de modelar

A manipulação da massinha de modelar oferece uma experiência sensorial tátil relaxante. A textura macia e maleável pode auxiliar a criança a se concentrar, liberar tensões e direcionar sua energia para uma atividade mais calmante. Moldar e criar com a massinha também pode servir como uma forma de expressão, permitindo que a criança externalize emoções de maneira não verbal.

Musicoterapia

Mulher tocando violão para menina

A música tem o poder de acalmar e influenciar positivamente o estado emocional. A musicoterapia oferece uma maneira não verbal de comunicação, permitindo que a criança expresse suas emoções por meio da música.

O ritmo, a melodia e até mesmo os sons naturais podem ajudar a reduzir a ansiedade, promover relaxamento e melhorar a regulação emocional.

Pintura

Crianças pintando com tinta um quadro no chão. Todos estão descalços e parecem se divertir.

A pintura é uma forma criativa de expressão que oferece liberdade para a criança explorar cores, formas e texturas. O ato de pintar pode ser terapêutico, permitindo que a criança canalize emoções, alivie o estresse e melhore a concentração.

A arte também proporciona uma maneira não verbal de comunicação e pode ser uma ótima forma de relaxamento durante momentos de crise.

Yoga

Meninas praticando Yoga em um gramado de um parque

O yoga oferece técnicas de respiração, posturas e relaxamento que promovem o equilíbrio emocional e físico. Adaptado para crianças autistas, o yoga pode auxiliar na regulação sensorial, melhorar a consciência corporal e ensinar habilidades de relaxamento e foco.

As práticas de respiração e movimentos suaves podem ser especialmente úteis para acalmar a mente durante períodos de estresse.

Brincar com bolhas de sabão

Meninos se divertindo com bolhas de sabão

A atividade de fazer e observar bolhas de sabão pode ser cativante e calmante. Focar na criação e no movimento das bolhas pode auxiliar a criança a desviar a atenção de estímulos sensoriais aversivos.

A atividade também incentiva a respiração consciente e pode ser uma maneira divertida de ensinar técnicas de respiração profunda para acalmar a mente.

Essas atividades calmantes não apenas oferecem momentos de relaxamento durante crises, mas também podem ser incorporadas à rotina diária para promover o bem-estar emocional e sensorial contínuo da criança no espectro autista.

A personalização dessas atividades de acordo com as preferências individuais da criança pode ser fundamental para obter os melhores resultados.

Conclusão

Em meio aos desafios do processamento sensorial e das dificuldades emocionais enfrentadas por crianças com autismo, as atividades calmantes são aliadas valiosas.

Desde a maleabilidade terapêutica da massinha de modelar até a harmonia relaxamento do yoga, cada uma dessas práticas oferece um caminho para a estabilidade emocional e sensorial.

Ao adaptar estratégias e proporcionar momentos de conforto por meio da música, arte e técnicas de relaxamento, não apenas acalmamos as crises, mas também abrimos portas para um mundo onde a serenidade e o bem-estar emocional são acessíveis, promovendo uma conexão mais harmoniosa entre a criança autista e o ambiente ao seu redor.

Quer descobrir mais atividades para fazer com sua criança? Acesse o texto abaixo:

5 dicas de brincadeiras para integração sensorial no autismo

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Câmara aprova projeto que visa contratação de pessoas autistas Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul