Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
mulher em cadeira de rodas brincando com criança dentro de casa

Anticapacitismo na terapia: Questionando práticas e buscando mudanças

O capacitismo, infelizmente, ainda é uma realidade presente em muitos aspectos de nossa sociedade, inclusive na área da saúde e da terapia. Dessa forma, é importante que profissionais clínicos saibam sobre anticapacitismo durante a terapia, podendo ajudar e acolher pais e pessoas que sofrem com isso.

Dessa forma, no contexto terapêutico, é essencial reconhecer e questionar as práticas que podem perpetuar atitudes capacitistas, buscando constantemente maneiras de promover uma abordagem mais inclusiva e respeitosa para todos.

Ao mesmo tempo, sabemos que em nossa prática profissional nem sempre é assim. Nesse artigo, vamos falar um pouco sobre como identificar e evitar um cenário capacitista na intervenção para crianças autistas, aprendendo mais sobre anticapacitismo, na prática. Leia para aprender!

Anticapacitismo na terapia: cuidados relacionados à intervenção e a sessão

terapeuta e criança em sessão de intervenção

Em um mundo ideal, a terapia seria um espaço seguro e acolhedor para todas as pessoas, independentemente de sua condição ou deficiência. No entanto, a realidade nem sempre reflete esse ideal, e muitos terapeutas podem inadvertidamente perpetuar atitudes capacitistas em seu trabalho.

O capacitismo refere-se a um conjunto de preconceitos e estereótipos profundamente enraizados que desvalorizam e discriminam pessoas com deficiências.

É importante reconhecer que o capacitismo no ambiente terapêutico, pode se manifestar de várias formas, desde a linguagem utilizada até as práticas de tratamento adotadas.

Ao questionar essas práticas e buscar mudanças, os terapeutas podem desempenhar um papel fundamental na promoção da inclusão e da igualdade na terapia, ampliando o anticapacitismo para todos os envolvidos no processo.

Importante lembrar: Nesse artigo, daremos enfoque sobre condutas em sessões terapêuticas na infância, mas essas dicas, estratégias e informações não se aplicam apenas aos pequenos. As posturas anticapacitistas se aplicam a qualquer pessoa em qualquer fase do desenvolvimento.

Negar alternativas à comunicação é capacitista

Uma das manifestações do capacitismo na terapia é a negação de alternativas à comunicação.

Muitas vezes, os terapeutas podem encontrar dificuldades para lidar com as tentativas de comunicação da criança, principalmente quando ela expressa o desejo de algo que não está disponível na sessão.

Por exemplo, uma criança usando sistemas de Comunicação Alternativa e Aumentativa (CAA) pode estar pedindo para ir à piscina durante a sessão. O terapeuta pode então explicar que não há possibilidade de ir à piscina naquele momento.

No entanto, é importante refletir sobre as ações tomadas nessa situação, ao negar o pedido de ir à piscina:

  • O terapeuta está proporcionando previsibilidade à criança sobre quando ela poderá ir à piscina em sua rotina visual?
  • Se não há possibilidade alguma dessa criança ir a uma piscina, o que o terapeuta faz? Ignora o pedido?
  • E quando a criança continua pedindo para ir à piscina usando a CAA, o terapeuta esconde ou torna inacessível a CAA dela para continuar a sessão sem as interrupções?

Esconder ou tornar inacessíveis as possibilidades de comunicação da criança é negar sua capacidade de se expressar, o que equivale a silenciá-la.

Este tipo de comportamento pode ser considerado um ato capacitista, que vai contra o princípio fundamental de respeitar e valorizar a autonomia e a expressão de cada indivíduo.

Treinos de espera descontextualizados e rígidos também são capacitistas

Quando estamos na recepção de uma consulta médica, esperando nossa vez, geralmente ocupamos o tempo mexendo no celular, lendo um livro ou ouvindo música, certo?

Afinal, estamos nos comportando o tempo todo, ainda que seja em momentos de espera. Então, por que esperar por algo com as mãos paradas e sentados quietos, é frequentemente esperado das crianças com Transtorno do Espectro do Autismo (TEA)?

Essa abordagem desconsidera a diversidade de comportamentos e necessidades individuais dessas crianças, sendo assim uma atitude capacitista na intervenção. Algumas reflexões sobre essa condução:

  • Qual é a sua expectativa em relação a como a criança deve estar enquanto espera?
  • Quanto tempo ela realmente precisa esperar por determinados itens?
  • Como planejamos implementar esse “ensino de espera“ para que essa habilidade faça sentido no mundo real da criança e da família?
  • Que outras coisas essa criança pode fazer enquanto espera?
  • Qual o sentido da criança precisar ficar parada e imóvel enquanto espera por algo?
  • Isso é esperado de outras crianças?

Capacitismo também é falar sobre a criança com os pais, sem considerar a presença dela

Considerando o cenário de uma sessão de intervenção direta com a criança, comunicar-se eficazmente com os pais é fundamental. Isso envolve a criação de um ambiente acolhedor e empático, onde os pais se sintam ouvidos e respeitados.

Por outro lado, quando se trata de abordar dúvidas e preocupações sensíveis em relação à criança, esse momento não é ideal!
Aqui, é importante destacar uma consideração importante: a presença da criança durante essas conversas.

Embora a criança possa apresentar prejuízo na comunicação, isso não significa que ela não esteja entendendo o que está sendo discutido sobre ela. Portanto, falar sobre ela com os pais, desconsiderando sua presença, pode ser desrespeitoso e uma atitude capacitista.

Os terapeutas devem estar atentos a essa questão, considerando cuidadosamente a melhor forma de abordar tópicos sensíveis na presença da criança.

Quando for imprescindível falar sobre ela em sua presença, isso deve envolver a escolha de palavras com cuidado e a garantia de que a criança seja incluída na conversa de maneira apropriada ao seu nível de compreensão.

Anticapacitismo nos Stims e Estereotipias

mulher e criança na frente de uma janela

Nos tornarmos anticapacitistas com crianças com autismo também abrange a compreensão das estereotipias e stims. A preferência de terminologia pode variar entre indivíduos com TEA.

No entanto, é importante entender a diferença entre os termos “stims” e “estereotipias” e respeitar as preferências individuais:

  • Stims: Este termo é uma abreviação de “comportamentos autoestimulatórios”. Stims são comportamentos repetitivos que algumas pessoas com TEA usam para autorregulação sensorial ou emocional. Esses comportamentos podem incluir balançar as mãos, bater os dedos, balançar o corpo, entre outros. Para muitos autistas, os stims são uma forma legítima de expressar suas necessidades, aliviar o estresse ou se concentrar. Alguns autistas preferem usar o termo “stims” para se referir a esses comportamentos, pois é uma maneira mais neutra e positiva de descrevê-los.
  • Estereotipias: Este termo se refere a padrões repetitivos, rígidos e aparentemente sem função de comportamento. As estereotipias podem incluir movimentos repetitivos, como balançar a cabeça de um lado para o outro, bater as mãos ou fazer movimentos faciais. No contexto clínico, o termo “estereotipia” pode ser usado para descrever comportamentos repetitivos que podem ser prejudiciais ou interferir nas atividades diárias. No entanto, muitas pessoas com autismo podem não gostar de usar esse termo para descrever seus comportamentos, pois ele pode ser associado a uma visão patologizante.

A melhor prática ao se referir a esses comportamentos é perguntar ao próprio indivíduo qual termo ele prefere. Algumas pessoas autistas não se importam com os termos e podem usar “stims” ou “estereotipias” indistintamente.

Sabemos que nem sempre será possível perguntar à criança como ela prefere, mas o importante é respeita-la e reconhecer que esses comportamentos desempenham funções importantes para ela, independentemente de como são descritos.

Como ser anticapacitista em relação as stims ou estereotipias?

Embora os stims e estereotipias possam, por vezes, ser objeto de preocupação por parte dos cuidadores, é crucial reconhecer que esses comportamentos desempenham um papel significativo no autismo e na autorregulação da criança.

Bloquear ou tentar eliminar esses comportamentos repetitivos é capacitista, pois pode causar danos à criança ao desrespeitar sua maneira única de lidar com o mundo e de se autorregular.

Muitas vezes, os stims e estereotipias ajudam o indivíduo a reduzir a ansiedade, a lidar com a sobrecarga sensorial e a se concentrar. Tentar suprimir esses comportamentos pode resultar em aumento do estresse e do desconforto.

Em vez de bloquear os stims e estereotipias, uma abordagem anticapacitista envolve compreender a função desses comportamentos e, quando necessário, redirecioná-los de forma respeitosa.

Isso pode incluir a introdução de estratégias alternativas para a autorregulação da criança, bem como a criação de ambientes que minimizem a necessidade de emitir essa resposta de maneira excessiva.

É importante lembrar que cada criança é única, e o que funciona para uma pode não ser adequado para outra.
Portanto, a ética na terapia exige uma abordagem individualizada que respeite e valorize a autonomia da criança, reconhecendo que os stims e estereotipias fazem parte de quem ela é.

O objetivo principal é garantir o bem-estar da criança, promovendo uma compreensão mais profunda de seus comportamentos e ajudando-a a desenvolver estratégias de autorregulação saudáveis e eficazes.

Conclusão

Quando os preconceitos e estereótipos entram em jogo, é mais provável que as vozes das pessoas com autismo sejam desconsideradas ou mal interpretadas, o que pode ter sérias consequências para seu desenvolvimento e bem-estar.

Portanto, combater o capacitismo não é apenas uma questão de justiça social, mas também uma parte essencial da promoção de uma comunicação inclusiva e respeitosa com as crianças e isso pode e deve começar nas nossas sessões.

Que tal conhecer a autobiografia do autista Ido Kedar, em que ele apresenta a experiência dele com os profissionais capacitistas que atenderam ele na infância? Clique para conhecer esse livro:

Conheça o livro “Ido in Autismland”

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Câmara aprova projeto que visa contratação de pessoas autistas Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul