Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
Crianças brincando com blocos coloridos

Práticas baseadas em evidências: conheça a modelação

Os comportamentos são parte da nossa história e da internação entre as pessoas e os ambientes que estamos inseridos. Eles são em suma, aprendizagens que temos ao longo da vida. Quando pensamos em crianças com TEA, é fundamental entendermos como funciona esse ensino comportamental.

A modelação (modeling) é uma estratégia focada na aquisição de comportamentos por meio da observação e duplicação de comportamentos feitos por outra pessoa (ou organismo no termo mais técnico).

Assim como várias outras estratégias de aprendizagem de habilidades usadas nas intervenções para crianças com autismo, a modelação faz parte das práticas baseadas em evidências (PBEs) e amplamente usada em ambientes clínicos e do dia a dia.

Neste texto, você vai conhecer a modelação comportamental e entender como ela pode funcionar no dia a dia da pessoa no espectro.

As práticas baseadas em evidências

Primeiro, vale lembrarmos o que são as práticas baseadas em evidências e como elas estão ligadas com a Análise do Comportamento Aplicada ou ABA (do termo em inglês Applied Behavior Analysis).

As PBEs são um conjunto de procedimentos que foram pesquisados e tiveram um nível aceitável de resultados positivos para crianças, jovens e adultos com TEA. Assim, podemos entender esses resultados como ferramentas para atingir a evolução das necessidades de uma pessoa.

Em 2014, a ASAT (Associação para a Ciência no Tratamento do Autismo) publicou o Evidence Based Medicine (EBM), um estudo que analisou 20 anos de intervenção para TEA relacionadas à ABA. Foram identificados 28 práticas baseadas em evidência, sendo 23 baseadas na Análise do Comportamento Aplicada. Ou seja, funciona e é comprovado cientificamente!

O que é Modelação (MD)?

A modelação é uma estratégia usada para o ensino de novos comportamentos por meio da duplicação e observação de comportamentos alheios. Com ela, um indivíduo mostra qual o comportamento alvo (aquele desejado), fazendo com que a pessoa no espectro consiga copiar e emitir uma resposta.

Ela é uma forma prática de aumentar o repertório de uma criança no espectro, utilizando as interações sociais como forma de aprendizagem. Além de ensinar algo novo, também é possível modificar um comportamento através da observação.

Esse é um procedimento muito importante quando pensamos no aprendizado das crianças com autismo, já que esses modelos ajudam na aceleração de novas respostas.

Vamos pensar em uma criança que vai participar de uma aula de natação e precisa aprender um novo estilo de nado. Ainda fora d’água, ela observa o professor e outros alunos executarem aquele movimento e depois os reproduz na piscina.

Para que esse comportamento possa ser reproduzido, a criança precisa de:

  • um comportamento modelo para copiar;
  • uma resposta durante (prestar atenção e observar) e após o ensino (reproduzir a resposta observada).

Modelação e Modelagem são a mesma coisa?

Na hora de entender mais sobre as PBEs e a modelação, muitas pessoas cuidadoras acabam encontrando a modelagem (shaping) no processo. Isso faz com que surja uma dúvida se ambos os termos são a mesma coisa.

A resposta é não. Apesar de bem-parecidos, a modelação e a modelagem são procedimentos diferentes dentro da Análise do Comportamento Aplicada.

A modelação foca na aprendizagem por meio da observação, já a modelagem cria o ensino por meio de aproximações sucessivas de reforços para o comportamento alvo.

Existem dois aspectos diferentes quando pensamos na modelagem de habilidades:

  1. o reforçamento de determinadas respostas, chamado de reforço diferencial;
  2. as modificações graduais dos requisitos para o reforçamento, chamadas de aproximações sucessivas.

O método das aproximações sucessivas é uma série de passos nos quais gradualmente o indivíduo emite uma resposta cada vez mais próxima do comportamento desejado.

Esse conceito foi estruturado pelo psicólogo Albert Bandura, que desenvolveu a teoria de Aprendizagem por Modelagem ou Aprendizagem Social. Ela defende que muitos dos comportamentos que aprendemos são adquiridos de uma forma mais rápida do que seria possível se eles fossem adquiridos por sucessivas aproximações e reforços.

Ele defendia que o ser humano poderia aprender das seguintes formas:

  • Observando o comportamento dos outros;
  • Imitando as ações de outra pessoa;
  • Interagindo socialmente;
  • Apenas fazendo parte de uma sociedade.

Para Bandura, a observação e a interpretação pessoal fazia com que a pessoa repetisse esse comportamento, e esse modelo era reproduzido de acordo com as consequências, fossem elas boas ou ruins. Nessa teoria, o ser humano é moldado:

  • Por pensamentos;
  • Regras sociais;
  • Por aquilo que se aprende com os modelos transmitidos pelos outros.

O behaviorismo defende que essa tarefa ajuda no desenvolvimento de novas respostas por meio do processo de aprendizagem gradativo, influenciado pelo reforçamento positivo.

Vamos pensar na mesma criança do exemplo anterior. Por meio da modelação ela reproduziu o movimento com base no que foi fornecido pelo professor e não conseguiu fazer algo igual ao que foi observador. Ela apenas aprendeu o princípio básico daquele movimento.

Quando já está dentro d’água, o professor irá continuar dando passos gradativos como “levante seu braço enquanto abaixa a cabeça” e também reforço positivo como “isso mesmo, você está se saindo muito bem” para que os movimentos do nado sejam bem mais específicos e direcionados.

Essa segunda parte é a representação de modelagem, já que o professor reforçou as respostas da criança enquanto ela praticava e foi fazendo modificações graduais nos requisitos do comportamento.

Muito importante lembrar que apesar de termos distintos, com frequência eles acontecem em conjunto durante as intervenções da criança no espectro.

Quais são as etapas de aprendizado de modelagem na ABA?

Na modelação existem diferentes respostas (comportamentos) que podem ser reforçadas, variando de acordo com o que é esperado durante a intervenção e também plano de ação do terapeuta.

Por isso, para ser possível criar novas respostas ao repertório comportamental, facilitando a aprendizagem, existe um passo a passo a ser seguido:

  1. Na escolha da resposta terminal;
  2. Na escolha do reforçador potencial e que pode ser usado ao longo do procedimento terapêutico;
  3. Na escolha da resposta inicial;
  4. No reforço de uma resposta inicial condicionada e possa ter frequência regular. Em seguida, existe uma resposta intermediária que se aproxima do comportamento terminal.

Um exemplo prático disso é durante a melhora da comunicação verbal. Imagine uma criança com TEA tentando pedir um copo de água para mãe, mas que consegue emitir apenas o som “aa”. A mãe entende o que a criança quer e dá o que ela pede como reforçador.

Nas próximas vezes que essa situação acontecer, a mãe pode pedir para que a criança melhore a pronúncia aos poucos, mostrando em si como ela pode falar. Com isso, o pequeno vai evoluindo de “aua” para “aga”, modelando seu comportamento para conseguir falar “água”.

Todo esse processo, por mais simples que pareça, foi consequência da demonstração de comportamentos alvos desejados, e da observação da criança ao longo do tempo. Assim, com treinos constantes, ela consegue aprender a dar novas respostas, resultando no desenvolvimento e aquisição de novos conhecimentos no repertório.

Vale lembrar que antes de qualquer intervenção de modelação ser aplicada, é importante que haja uma avaliação inicial da equipe multidisciplinar, entendendo quais são as possibilidades e oportunidades de aprendizagem para as necessidades daquela criança.

A vídeo-modelagem também funciona muito bem para a demonstração de comportamentos alvos como modelos. A única diferença é que essa prática é feita através de vídeos. Já temos um texto sobre isso em nosso blog, clique no botão abaixo para ler sobre:
Modelagem em Vídeo

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Câmara aprova projeto que visa contratação de pessoas autistas Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul