Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
a imagem mostra um fundo lilás com os textos: o autismo está no hype? O polêmico texto de Luiz Felipe Pondé sobre o aumento do autismo entre pessoas e a valorização desse termo para o mercado atual.

Luiz Felipe Pondé diz que autismo é “hype” e causa polêmica

No último domingo (28 de agosto), o filósofo e escritor da Folha de S.Paulo Luiz Felipe Pondé, publicou um artigo de opinião sobre “o diagnóstico de autismo estar se transformando em uma tendência no estilo hype” e gerou uma polêmica com suas colocações sobre pessoas no espectro.

Usando o sucesso da série sul-coreana da Netflix “Uma Advogada Extraordinária”, ele questionou sobre o aumento do autismo entre pessoas e a valorização desse termo para o mercado atual.

O colunista contou que ouviu a frase “o autismo tá bombando” de um profissional e que agora: “todo mundo quer ter um filho autista.” Após a publicação da matéria, ele recebeu críticas dos internautas e gerou uma discussão sobre o tema.

O economista Gustavo Ioschpe disse em seu Twitter que Pondé “é um colunista eternamente adolescente, que se regozija ao fazer ofensas pueris. Escreve sempre a mesma coisa, e escreve mal. É um mistério pra mim por que o jornal o mantém”.

Já a pedagoga Luciana Viegas, também em seu Twitter, fez cobranças à Folha de S.Paulo pela publicação do texto do colunista e disse que “Achar que tem direito de falar de autismo e da realidade do autismo por que assistiu UMA SÉRIE de FICÇÃO que retrata a vivência do autismo, é irresponsável. Um intelectual como você, Pondé deveria se certificar sobre os temas que escreve e não levar desinformação”.

O que Luiz Felipe Pondé quer dizer com o autismo estar no “hype”?

Luiz Felipe Pondé afirma que todas as tendências de comportamento tem vocação para se tornar um commodity (uma mercadoria de troca dentro da economia) e que nesse ponto, o autismo está se tornando uma moda de comportamento hype.

Estar no hype quer dizer que algo está exagerado e sendo usado como estratégia de marketing para enfatizar determinado assunto. Assim, com cada vez mais conteúdos produzidos sobre autismo, como séries, filmes e livros feitos por, para ou com pessoas autistas, esse é um assunto que está na moda e sendo comentado por todo mundo.

Além disso, no texto ele usa o termo “novo autismo” como um comportamento que nasceu da diversidade psíquica, algo vítima de um drama ambiental familiar gravíssimo.

Nesse ponto, ele defende a ideia da mãe-geladeira (teoria de Leo Kanner) que afirma que a falta de amor e carinho maternal é a causa do TEA. Em seu texto ele chega até a questionar: “Qual o pecado dessa teoria?”.

O jornalista Tiago Abreu — criador do podcast Introvertendo — também argumentou e lamentou a colocação dessa teoria: “O artigo publicado pelo Pondé hoje na Folha sobre autismo poderia ter ido na direção de falar sobre a comoditização do autismo, que é um tema já bem conhecido e estudado – mas prefere abraçar a ideia de mãe-geladeira que já foi abandonada há pelo menos 50 anos”.

É importante lembrar que esse é um dos grandes mitos sobre autismo, e que não tem nenhuma evidência comprovada. Vale enfatizar que os pais não têm culpa nenhuma sobre o autismo de seus filhos e que o momento de descoberta de um diagnóstico pode gerar muitas emoções no núcleo familiar.

Posicionamento da Folha de S.Paulo

No sábado, 3 de setembro, o jornal Folha de S.Paulo fez uma réplica sobre o artigo de Pondé. Escrito por Bruno Andraus Filardi (Oncogeneticista do Departamento de Genética da Faculdade de Medicina da USP) e José Galluci Neto (Psiquiatra do Instituto de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da USP) o novo texto fala sobre como Luiz Felipe Pondé trouxe equívocos sobre o distúrbio e teorias sem evidências.

Na réplica, os profissionais da saúde transcorrem sobre as causas do autismo, principalmente relacionadas a genética e epigenética, que hoje são as principais causas do TEA, sendo uma das condições clínicas mais associadas à hereditariedade. 

Com isso, eles falam que o colunista cometeu um equívoco ao relacionar a teoria da mãe geladeira com o desenvolvimento de crianças autistas. “Interpretações dessa natureza reforçam o estigma sobre a família e a criança”.

O texto também cita que o “estereótipo de autista extremamente inteligente, funcional e que serve ao mercado é pouco representativo” para o que vemos hoje na nossa sociedade, até mesmo porque a Síndrome de Asperger — que se assemelha ao que Pondé aponta— não é mais uma categoria diagnóstica.

Para fechar, a coluna do jornal traz a seguinte frase: “É fundamental não atribuir qualquer culpa às mães que tanto se esforçam, se fazem presentes e lutam pela inclusão dos seus filhos com TEA.”

É possível ler a Réplica: “Estereótipos sobre autismo mencionados por Pondé não fazem sentido”, clicando aqui.

O autismo ganhando cada vez mais espaço

A problemática de colocar o autismo como uma tendência que está “em alta” pode atrapalhar os diagnósticos na vida adulta. Muitas famílias têm dificuldade em aceitar esse diagnóstico quando não existem discussões e democratização da informação sobre o transtorno.

Por isso, é tão importante que datas como o Dia Mundial de Conscientização do Autismo e Dia do Orgulho Autista existam e cada vez mais haja espaço na sociedade para trazer visibilidade para a causa e a inclusão de pessoas autistas.

Quanto mais falamos sobre um assunto e trazemos isso para o conhecimento de todos, mais fácil fica para pessoas no espectro se sentirem confortáveis em compartilhar suas experiências e maior a representatividade disso em nosso meio. Além disso, isso é uma ótima forma de ampliar espaços ocupados por pessoas no espectro, como no mercado de trabalho, por exemplo.

Não conseguimos criar uma possibilidade de desenvolvimento completo desses indivíduos sem que exista conversa e mudanças na sociedade. Precisamos criar espaços para que pessoas com TEA se sintam confortáveis, além de formar profissionais capacitados para atuar com indivíduos neurodiversos.

Dessa forma, é fundamental, cada vez mais, colocarmos o tema em pauta para que pessoas com TEA, e até mesmo suas famílias, iniciem seu processo de entendimento nesse caminho.

O autismo é caracterizado justamente pelas dificuldades na comunicação e interação, então, quando cada vez mais pessoas dentro do espectro compartilharem suas experiências e vivências únicas, será mais comum para que a nossa sociedade entenda e conheça ambientes ocupados por autistas.

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul Meu filho foi diagnosticado com autismo, e agora? Conheça a Sessão Azul: cinema com salas adaptadas para autistas Síndrome sensorial: conheça o transtorno de Bless, filho de Bruno Gagliasso