Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
uma menina negra sentada em uma mesa de madeira escrevendo com um lápis amarelo

A importância do método TEACCH para o desenvolvimento da criança com autismo

O método TEACCH é um programa clínico e educacional criado por meio de um projeto de pesquisa, que observou os comportamentos de crianças autistas em diversas situações do cotidiano.

O foco desse modelo está na promoção do aprendizado a partir da valorização das capacidades cognitivas de cada indivíduo. Além disso, ele se baseia na adaptação dos ambientes, facilitando os novos aprendizados nas mais diversas ocasiões como escola, casa, trabalho e outros.

Muitas famílias, pais e cuidadores de pessoas com TEA acabam ficando com dúvidas quando o assunto são intervenções para melhora da qualidade de vida, já que encontram a ABA, o método TEACCH, Denver e muitos outros.

Por isso, neste texto, você vai entender melhor o que é o método de TEACCH, quais são os seus objetivos e suas diferenças com a ciência ABA. Acompanhe!

O que é método TEACCH?

Criado na década de 1960, pelo Dr. Erick Schopler no Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade da Carolina do Norte, o método TEACCH é a sigla para Treatment and Education of Autistic and Related Communication Handicapped Children que, em português, significa Tratamento e Educação para Autistas e Crianças com Déficits Relacionados com a Comunicação.

Ele foi uma resposta do governo ao movimento crescente de pais que reclamavam da falta de atendimento para crianças com autismo na sociedade. A partir de 1972, ele se tornou um modelo para outros programas em todo o mundo.

Todo esse modelo foi fundamentado na psicolinguística e psicologia comportamental para ajudar pessoas com TEA a adquirirem independência e autonomia por meio do desenvolvimento de novas habilidades e maior compreensão do mundo ao seu redor.

Aqui no Brasil, esse método é muito difundido pelas professoras Viviane Costa Leon, terapeuta ocupacional e psicopedagoga, e Maria Elisa Granchi, psicóloga do desenvolvimento e especialista no atendimento de pessoas autistas.

Quais são os objetivos do método TEACCH?

Como vimos, o TEACCH foca em melhorar as habilidades sociais e de comunicação da pessoa no espectro, além de reduzir comportamentos desafiadores e melhorar a qualidade de vida de todo o núcleo familiar.

Pessoas autistas que usam esse modelo ganham muito mais autoconfiança e conseguem realizar ações de forma produtiva e independente.

Entre os principais princípios e prioridades do método TEACCH estão:

  • Adaptação dos objetivos ao nível de repertório da pessoa com TEA;
  • Ambiente de aprendizagem estruturados;
  • Compreensão do autismo e identificação das diferenças por meio de avaliações individuais;
  • Ensino de forma flexível;
  • Foco na pessoa, seus interesses, habilidades e necessidades;
  • Sequência de tarefas diárias por diferentes meios, como fotografias e desenhos;
  • Utilização de estruturas visuais para organização dos ambientes e tarefas.

Como usar o método TEACCH?

O método TEACCH usa uma avaliação conhecida como PEP-R — Perfil Psicoeducacional Revisado. A partir dela é possível avaliar a criança com autismo e identificar quais são os pontos fortes e interesses, assim como as dificuldades diárias. Com todos esses dados os profissionais conseguem elaborar um programa individualizado para desenvolver as habilidades necessárias.

Para que o TEACCH seja efetivo, o ambiente de aprendizagem precisa ser adaptado para facilitar a compreensão da criança com o mundo ao seu redor, gerando assim independência e autonomia nas decisões.

Seus principais princípios para a melhora do desenvolvimento são:

  • Ambientes organizados;
  • Ensino estruturados;
  • Previsibilidade.

Em todas as sessões, a pessoa no espectro encontra a estrutura e organização necessária para compreender o ambiente e ganhar autonomia nas situações. Além disso, muitas vezes são usados suportes visuais para aumentar o poder de comunicação, como: objetos sinalizadores, ícones, fotografias e escrita.

Há também o uso de agenda de imagens para sinalização da rotina pessoal e das marcações visuais no ambiente, ajudando o indivíduo na realização de tarefas simples e compreensão do que está sendo pedido.

Qual a diferença entre os métodos ABA e TEACCH?

Agora que você já conhece o método TEACCH, deve estar se perguntando no que ele diferencia da Análise do Comportamento Aplicada, já que ambas abordagens trabalham com um ambiente planejado e atividades com antecedência.

Antes de tudo, é importante lembrar que a ABA não é um método, mas sim uma ciência de aprendizagem, ao contrário do TEACCH que é um programa educacional. Dessa forma, as intervenções em ABA procuram promover o ensino de novas habilidades e reduzir os comportamentos desafiadores.

O que diferencia as abordagens é que o TEACCH é um programa de menor intensidade se comparado com a ABA. Além disso, ele também fornece dados sistemáticos e estudos a longo prazo.

O TEACCH preza pela estrutura do ambiente e pode ser visto como um conjunto de fatores para obter uma determinada resposta naquele espaço. Ou seja, com ele, o profissional espera que o ambiente crie uma resposta para certa ação.

Já a ABA é a ciência que fornece o estudo para todos os comportamentos humanos que são relevantes, assim, seu foco está na observação, análise e explicação entre o ser humano, o aprendizado e o ambiente.

Dessa forma, podemos considerar o TEACCH como a prática e a ABA como a teoria. Já que, apenas a partir da análise do comportamento, é possível saber quais são as necessidades que devem ser atendidas em cada atividade.

Durante as intervenções para pessoas no espectro, os profissionais não precisam usar um ou outro. É possível que eles se complementam, ao invés de se contraporem.

Por isso, é muito importante que a equipe multidisciplinar entenda quais as necessidades da criança e saiba encontrar oportunidades de aprendizagem em diversos ambientes e contextos, trazendo as estratégias que melhor se aplicam aquele espaço.

Aqui em nosso blog você encontra vários outros conteúdos para ajudar na sua jornada de conhecimento, entendendo melhor o que é possível fazer para garantir qualidade de vida para todo o núcleo familiar. Acesse agora mesmo:
Blog Genial Care

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Câmara aprova projeto que visa contratação de pessoas autistas Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul