Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
uma mulher com camisa branca e cabelos castanhos aparece fazendo exercício de fala com uma menina de cabelos castanhos e blusa azul. a mulher segura um cartão com a letra O

3 dicas para estimular a linguagem funcional em crianças com TEA

Sabemos que o TEA (Transtorno do Espectro Autista) é um transtorno do neurodesenvolvimento que causa dificuldades na comunicação de uma pessoa. Quando pensamos em linguagem funcional no autismo estamos falando de qualquer forma de comunicação compreensível, não necessariamente verbal, podendo ser por gestos, ato motor, olhares e outros recursos de comunicação.

O termo funcional está relacionado ao meio pelo qual qualquer indivíduo irá comunicar espontaneamente suas vontades, desejos e necessidades para os outros. Essa comunicação funcional é um conceito essencial quando pensamos no bem-estar e qualidade de vida de uma pessoa no espectro.

Por isso, é muito importante que existam ferramentas, instrumentos e estratégias capazes de auxiliar nesse processo. Pensando nisso, separamos 3 dicas para pessoas cuidadoras e familiares estimularem a linguagem funcional em crianças com TEA no dia a dia. Acompanhe na leitura e conheça cada uma delas!

Diferença entre fala, comunicação e linguagem

Antes de entendermos sobre a linguagem funcional no autismo, é importante diferenciarmos esses 3 termos que estão ligados entre si e podem causar um pouco de confusão.

  • Fala

A fala é o ato motor que permite que qualquer pessoa consiga transmitir palavras, frases e sons. O seu desenvolvimento está ligado a diversos fatores e pode ser afetado por alterações na percepção do som, problemas estruturais ou motores dos órgãos, como lábios e língua, por exemplo.

Quando pensamos em crianças com TEA podemos ter algumas dificuldades na expressão daquilo que estão sentindo, já que em alguns casos elas não conseguem sequencializar ou criar sons de fala, como a apraxia da fala. Mas isso não significa que elas não são capazes de entender o que está sentido dito ou de se comunicar por gestos ou escritos.

Os distúrbios de fala não estão necessariamente ligados ao autismo. Por isso, muitas crianças no espectro podem conseguir se comunicar, mas exibem alterações no ritmo de fala, entonação ou até tom de voz de cada palavra. Outras podem ser completamente não-verbais, mas usam da tecnologia para conseguir se expressar.

  • Comunicação

Já a comunicação é o processo no qual existe a troca de informações por meio de combinações verbais (fala e linguagem) e não-verbais (expressões faciais, olhar, gestos, postura, linguagem corporal, etc).

Existem crianças com dificuldades de comunicação que conseguem falar frases inteligentes e completas do ponto de vista da linguagem, mas que não fazem sentido algum para quem ouve.

A ecolalia, por exemplo, é uma característica presente em algumas pessoas autistas em que frases ou palavras são repetidas diversas vezes, mas que podem não fazer sentido durante uma interação social.

Existem métodos de comunicação alternativas, como o PECS — Sistema de Comunicação por Troca de Figuras (Picture Exchange Communication System) — que é uma prancha de troca de figuras ou fotos. Com ele a pessoa consegue dizer o que está sentindo ou desejando, montando estruturas visuais que outras pessoas podem entender.

Além dele, também temos as pranchas de comunicação e recursos de alta tecnologia como aplicativos de comunicação, usadas no dia a dia de pessoas com TEA.

  • Linguagem

Por fim, a linguagem é o instrumento da comunicação oral. É por meio dela que conseguimos desenvolver competências em 4 áreas:

  • fonológica (diferenciar sons de letras e sílabas)
  • semântica (atribuir significado às palavras)
  • sintática (organizar termos em uma frase coerentemente)
  • pragmática (adaptar e adequar a linguagem em um contexto social)

Além disso, é importante entendermos que existe uma diferença entre linguagem expressiva e linguagem receptiva. A primeira está relacionada à capacidade de falar. Já a segunda, a capacidade de compreensão, ou seja, de escutar algo e entender o que está sendo dito.

Dessa forma, uma criança com dificuldade na linguagem pode conseguir pronunciar perfeitamente palavras, mas não ser capaz de construir uma frase complexa, por exemplo. Ou seja, existe uma comunicação, mesmo que de forma simplificada e restritiva.

Banner sobre a Rede Genial de terapeutas com mulher sorrindo com o rosto pouco inclinado para sua esquerda.

O que é linguagem funcional no autismo?

Os critérios de diagnóstico do autismo são baseados na chamada Tríade de Wing, que fala do prejuízo na interação social, nos padrões restritos e repetitivos de comportamento e também no prejuízo da comunicação verbal e não-verbal.

Assim, quando pensamos na linguagem como instrumento de comunicação da criança com TEA, estamos falando da habilidade que ela tem de se comunicar, mesmo que seja de forma restrita e simplificada.

Por isso, a linguagem funcional representa uma troca de informações entre pessoas de forma oralizada, além de gestos e outros métodos de comunicação alternativa, na qual os objetivos de comunicação são alcançados.

Como estimular a linguagem funcional em crianças com TEA?

Sabemos que pode existir uma ansiedade pelos pais e familiares para que os pequenos desenvolvam a fala. Entretanto, antes de desenvolver essa comunicação verbal, é preciso que a criança compreenda a função dos atos comunicativos, ou seja, tenha a intenção de se comunicar, seja por ato motor, gestos ou olhar.

As dicas a seguir podem ajudar a estimular a linguagem funcional em pessoas com TEA, mas é muito importante que não exista nenhum tipo de pressão para que a criança se expresse de uma maneira que ainda não consegue e também que se ainda não consegue, é preciso ter o olhar clínico do profissional para isso.

1. Estimule a imitação

A imitação é uma das grandes bases da aprendizagem, seja para pessoas típicas ou atípicas. É por meio dela que conseguimos compreender o que outras pessoas estão fazendo para comunicar suas vontades e desejos.

Por isso, antes da criança conseguir imitar comportamentos verbais, é fundamental que ela tenha estímulos de imitação motora (dar tchau, mandar beijinho, acenar, etc). Em uma fase inicial pode ser importante ajudar fisicamente a criança a imitar o gesto, mas o objetivo é que progressivamente ela vá reproduzindo o comportamento sozinha.

Na hora de fazer o pedido para criança lembre-se de estar sempre frente a frente com ela, pedindo e esperando pelo gesto. Caso ela não faça de primeira, tenha paciência e repita algumas vezes.

Também é muito importante dar o exemplo do gesto, enquanto peça que ela faça igual. Assim, se você deseja que a criança dê tchau, pode fazer o gesto e pedir “João, faz igual.” ao invés de pedir para “dar tchau”.

2. Crie situações de intenção comunicativa

Provocar situações em que a criança precisa fazer o ato comunicativo para obter algo também ajuda a desenvolver a linguagem funcional. Você pode:

  • Colocar a vista coisas que ela gosta;
  • Dar coisas incompletas para que ela tenha que pedir (um iogurte sem colher);
  • Dar um pouco de cada vez para que ela sinta a necessidade de pedir mais.

É possível começar estimulando que ela faça o gesto, caso ainda não consiga reproduzir palavras (estendendo a mão e fazendo contato visual). Aos poucos ela poderá associar o gesto à palavra.

Algumas brincadeiras são ótimas para criar essas situações de intenção, fazendo com que a criança precise pedir/dizer algo para que ela continue. Cócegas, cavalinho, aviãozinho e pega-pega são alguns exemplos que podem ajudar nesse momento.

3. Use de associações e interações

Sempre que possível, use gestos ou sons junto da palavra/objeto/brincadeira que estiver acontecendo. Dessa forma, toda vez que a criança fizer essa ação, ela consegue gravar a informação auditiva verbal daquilo.

Outro aspecto importante da associação é servir de modelo para que a criança veja o movimento da boca ao falar determinada palavra. Deixe que ela observe e imite os movimentos faciais do adulto ao produzir sons.

Brincadeiras e ações interativas são ótimos momentos para estimular a linguagem funcional no autismo, como, por exemplo: fazer caretas e/ou bater palmas, empilhar legos, ou ficar em frente ao espelho e pedir para a criança nomear partes do corpo.

Estratégias que podem ajudar no dia a dia

Além dessas dicas, pais e pessoas cuidadoras podem adotar outras estratégias no dia a dia para estimular e facilitar a linguagem funcional de crianças com TEA. Lembre-se sempre de observar a postura corporal e ficar atento a possíveis desconfortos durante os momentos de interação.

  • Usar atividades e tarefas rotineiras como oportunidades de ensino;
  • Tornar o processo de ensino mais divertido, adicionando elementos que sejam do interesse da criança;
  • Usar reforçadores ajudam a aumentar a probabilidade de que os comportamentos desejados ocorram novamente;
  • Somente dê demandas que a criança consiga realizada, mesmo que seja necessário ajuda em determinados momentos;
  • Estimular a curiosidade, fazendo com que ela tenha que pedir por algo;
  • Sempre elogiar e parabenizar a criança quando cumprir alguma tarefa ou fizer algo positivo, mantendo a motivação e o envolvimento durante a atividade.

Todas as pessoas com autismo podem aprender a se comunicar, mas isso nem sempre acontece por meio da linguagem falada. Autistas não verbais também podem se comunicar de outras formas.

Precisamos lembrar que cada pessoa com autismo é única e apresenta um repertório de aprendizagem diferente. Por isso, algumas estratégias podem funcionar bem com determinada criança e não ser tão eficientes para outras.

Essas dicas podem ajudar a estimular a linguagem funcional em crianças com TEA, mas é importante considerar o desenvolvimento de cada uma delas. Lembre-se sempre de conversar com uma equipe multidisciplinar e apresentar possíveis dificuldades do dia a dia.

Somente assim será possível encontrar as melhores estratégias para que a criança consiga desenvolver suas habilidades de comunicação e apresente resultados positivos.

Em nosso blog temos uma categoria focada em conteúdos sobre Fonoaudiologia e como ela é importante para a vida de crianças com TEA. Acesse agora mesmo e leia mais sobre essa especialidade:
Conteúdos de Fono

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Câmara aprova projeto que visa contratação de pessoas autistas Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul