Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
Mulher com as mãos cobrindo o rosto sem saber como lidar com as emoções

Dificuldades em aprender como lidar com as emoções? Confira 3 dicas

Saber como lidar com emoções é um dos passos fundamentais para cuidar da saúde mental e ter mais bem-estar. Isso pode ser uma preocupação ainda maior para famílias atípicas, já que são muitos os sentimentos ligados às diversas fases do TEA, desde o diagnóstico, até o desenvolvimento no dia a dia.

Consequentemente, essa preocupação reflete nas relações com as pessoas ao redor, sejam as crianças no espectro, outros membros da família ou até mesmo indivíduos fora do núcleo familiar, englobando qualquer tipo de situação, inclusive crises e conflitos.

Em caso de situações desafiadoras, quando não estamos regulados emocionalmente, é possível que as ações acabem causando decisões impulsivas, gerando um conflito ainda maior e provocando um mal-estar psicológico para todas as pessoas envolvidas na situação.

Por exemplo, quando foi a última vez que você se arrependeu de uma atitude impulsiva, ou mesmo de dizer alguma coisa logo em seguida sem refletir sobre? Isso acontece justamente por não buscarmos entender como são os nossos sentimentos em determinada situação.

Quando falamos de famílias de crianças no espectro do autismo, isso não é diferente. Em situações desafiadoras e de conflitos, é comum que o cuidador que está próximo da criança tenha uma atitude impulsiva, tomada geralmente devido à dificuldade em lidar com as próprias emoções.

Se isso já aconteceu com você, saiba que está tudo bem!

Entendemos o quanto passar por isso pode ser complicado e estamos aqui para te ajudar a entender como você pode se regular emocionalmente, e quem fala sobre isso é a Ashley Curcio, psicóloga americana.

Por que é importante aprender como lidar com as emoções?

O autoconhecimento pode aparentar ser um caminho sinuoso a seguir, pois, muitas vezes, o reencontro consigo mesmo nem sempre pode ser prazeroso no início.

Entretanto, buscar compreender a si é um passo fundamental para aprender como lidar com emoções e com a forma de se comunicar e interagir com as pessoas ao redor de forma saudável.

Entender como nos expressamos em momentos difíceis ou até mesmo felizes, é uma maneira de não deixar acumular sentimentos e emoções em nós mesmos, levando a comportamentos explosivos, que podem até gerar angústias físicas.

Lidar com as emoções é dar conta de que elas existem para podermos compreendê-las. Conseguir identificar “o que tem causado tanta preocupação” ou “o motivo de muita ansiedade e estresse” é uma maneira eficaz de aprender como lidar com isso e evitar situações futuras.

Além disso, expressar sentimentos e emoções de forma saudável em diferentes momentos para diferentes pessoas, é essencial para desenvolvermos nosso modo de ser e agir perante o modo, bem como na qualidade do nosso cotidiano.

Isso impacta diretamente o comportamento e a maneira como enxergamos tudo ao nosso redor. Dessa forma, saber distinguir o que estamos sentindo e aprender a conversar sobre isso, pode proporcionar do tamanho correto nossas sensações e evitar a criação ilusório de percepções ou emoções distorcidas.

Então lembre-se: nomear sentimentos é um passo importante para amadurecermos e aprendermos como lidar com emoções de forma saudável.

Passos fundamentais para aprender como lidar com emoções

Existem exercícios e ideias bem simples e rápidas que vão te ajudar a sentir uma diferença enorme, e que auxiliam na jornada de lidar com as emoções. É muito comum ouvir a frase “pare e tente se acalmar” em momentos de discussões ou de acolhimento, mas como fazer isso?

Existem três passos que podem auxiliar nesse processo!

1. Respire fundo e faça exercícios

mulher sentada respirando de olhos fechados

Em uma situação de desespero e com as emoções à flor da pele, tenho certeza que alguém próximo já te aconselhou a manter a calma e respirar fundo. Na hora, isso pode parecer impossível e até inútil, mas é uma das formas mais rápidas de se regular emocionalmente.

Ashley Curcio, costuma dizer que a respiração é uma das ferramentas de gerenciamento de estresse mais eficazes que existem e, mesmo assim, uma das mais negligenciadas.

“Sempre que estamos nervosos e alguém diz ‘continue respirando’ devemos ouvir! A respiração pode ter um efeito muito profundo no nosso estado de espírito e regula nosso sistema nervoso, nos tirando desse estado de reatividade. Eu sempre respiro profundamente três vezes quando preciso me regular emocionalmente”, conta.

Além disso, estudos mostram que exercícios respiratórios podem melhorar a função cognitiva, estimular processos de pensamento positivo e reduzir os sintomas de

ansiedade e estresse. A melhor parte disso tudo? A respiração é algo que carregamos involuntariamente a cada segundo. Hora usá-la cada vez mais a nosso favor!

2. Tire um momento para parar e refletir

mãe e filha se abraçando e sorrindo

As melhores decisões que tomamos são aquelas que vêm depois que paramos e refletimos. Por isso, a segunda dica da Ashley é justamente essa: reservar um período diário para esta prática. Nesse momento, você deve pensar o seguinte:

  • Algo bom que aconteceu no meu dia;
  • Algo que aprendi;
  • Algo pelo qual sou grato(a).

Você pode mentalizar estas informações, mas é importante que as mantenha anotadas em algum lugar, como um caderno ou diário.

Quando escrevemos conseguimos enxergar e lidar com as emoções com mais objetividade, invés de nos perder na nossa própria desregulação e ajuda a mensurar e medir nosso progresso.

Elas também ajudam porque o sentimento de gratidão também está associado à melhora da saúde psicológica, redução de uma infinidade de emoções tóxicas e pesquisas já mostram uma relação entre gratidão e bem-estar. Portanto, torne isso um hábito.

3. Reserve momentos para seu autocuidado

mulher alongando o pescoço no por do sol

Uma metáfora que a Ashley ama é a seguinte: você não pode fazer nada com um copo vazio. Isso significa que não é possível cuidar de alguém sem antes cuidarmos de nós mesmos. Você pode fazer isso com pequenos passos diários na direção do seu autocuidado.

Existem atividades que podem ser feitas com companhias ou não, e que estimulam o cérebro a produzir a endorfina, o hormônio da felicidade. Algumas das sugestões de Ash para esse momento são:

  • Assistir ao seu programa de TV ou filme favorito;
  • Se exercitar;
  • Sair com os amigos;
  • Ler um livro;
  • Escutar uma música;
  • Ligar para conversar com uma pessoa querida.

Sabemos que cuidar de uma criança no espectro do autismo e conciliar esses cuidados com a rotina não é uma tarefa fácil e talvez nem te dê tempo de sair com os amigos ou fazer uma caminhada ao ar livre, por exemplo. Nem sempre é possível realizar essas atividades, mas tudo bem! Procure começar com atividades acessíveis para a sua rotina.

Com esses três hábitos inseridos no seu dia a dia, Ash conta que “você com certeza vai conseguir lidar melhor com suas próprias emoções e conseguir tomar decisões mais conscientes e tranquilas”.

Além disso, se fizer parte da realidade de sua família, é muito importante que você busque o acolhimento terapêutico por profissionais da psicologia, onde as sessões vão te ajudar a lidar com as emoções e situações do presente.

Como lidar com emoções no início da jornada de descoberta do autismo?

Ansiedade, incertezas e medos são sentimentos comuns para algumas pessoas cuidadoras que receberam recentemente o diagnóstico de autismo da criança.

Por isso, é importante aprender a lidar com esses pensamentos e regular as emoções para que essa jornada seja a mais saudável possível. O primeiro passo para lidar com estas emoções difíceis talvez seja algo que você já fez: aceitá-las. A partir daí, é importante notar o que você consegue mudar sozinha e o que precisará de ajuda para enfrentar.

Conclusão

Nós da Genial Care estamos aqui para ajudar! Em nosso Blog temos conteúdos dedicados para as famílias que partilham de pensamentos semelhantes. Vale a pena continuar a sua leitura no texto “Ansiedade, culpa e aceitação: como enfrentar emoções difíceis?”.

Além disso, também temos um espaço com conteúdos ricos que, além de auxiliar na insegurança, são materiais que favorecem o aprendizado para pessoas cuidadoras de crianças no espectro do autismo.

Para conhecer esses materiais clique no link abaixo:

Acesse nossos materiais ricos

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Câmara aprova projeto que visa contratação de pessoas autistas Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul