Mitos e verdades do autismo Canabidiol autismo: imagem foca em mãos com luvas verdes segurando embalagem de óleo com conta gotas aberta.

Canabidiol é eficaz no tratamento do autismo? Descubra o que é mito e o que é verdade

Foto do author Gabriela Bandeira

Gabriela Bandeira

28 de julho de 2022

O uso de canabidiol para tratamento do autismo vem sendo buscado por muitas famílias que enxergam no óleo de maconha medicinal uma possibilidade para melhorar comportamentos de agressividade e interação social entre pessoas no espectro.

De fato, os efeitos do óleo de CBD em crianças, adolescentes e adultos com Transtorno do Espectro Autista (TEA) vem sendo estudado ao longo dos anos. Essa mesma substância já tem seus resultados comprovados para o tratamento de dores crônicas e doenças como epilepsia e depressão, além de reduzir efeitos de alguns tipos de câncer.

Neste artigo, explicamos mais sobre o uso de canabidiol para tratamento do autismo, o que pesquisadores já descobriram e sobre a legalidade desse tipo de medicamento no Brasil.

O que é e do que é feito o óleo de canabidiol?

O óleo de canabidiol é extraído por meio dos Canabinoides, um dos mais de 510 compostos químicos da Cannabis. Ou seja, uma das substâncias naturais que vem da planta da maconha.

Diferente do que muita gente pensa, ele não tem o poder de causar qualquer tipo de efeito psicoativo, o que é comum em pessoas que fumam o cigarro de maconha. Isso porque seus compostos não se conectam aos receptores cerebrais, como acontece com outros compostos da planta.

Ao contrário disso, a principal atuação do canabidiol é melhorar a ação de determinadas moléculas presentes na comunicação dos neurônios, permitindo ações ansiolíticas, antipsicóticas e anticonvulsivantes, segundo os estudos de seus efeitos.

Por esse motivo, sua confecção requer uma série de cuidados quanto ao:

  • Plantio;
  • Poda;
  • Colheita.

Além disso, sua própria extração exige o auxílio de equipamentos infusores extratores de óleos essenciais. O que significa que somente quem tem conhecimento desses aspectos pode fabricar o óleo de CBD.

Vale ressaltar também que o uso do canabidiol não é recreativo, ele atua apenas como um medicamento natural no tratamento de condições neurodegenerativas e psiquiátricas, tendo seu uso recomendado para doenças como a epilepsia.

Canabidiol no tratamento do autismo: o que dizem os estudos?

Ao pesquisar o canabidiol no tratamento do autismo, muitas famílias se deparam com reportagens e relatos que asseguram que o uso do óleo de maconha medicinal pode ajudar em diversos aspectos presentes no TEA, como:

  • Desenvolvimento da comunicação oral e funcional;
  • Redução de crises e comportamentos desafiadores;
  • Diminuição dos “graus de autismo”;
  • Entre outros.

No entanto, na prática, muita coisa ainda precisa ser estudada sobre canabidiol e autismo. Isso porque, mesmo nos casos onde resultados já são comprovados, ou seja, no tratamento de epilepsia e outras condições, o canabidiol deve ser usado somente como último recurso porque ainda não existem estudos o suficiente que atestem seus efeitos e resultados a longo prazo.

Segurança e Eficácia da Cannabis no Transtorno do Espectro Autista

No caso do autismo, um estudo realizado em Israel analisou 188 pessoas com TEA tratados com a cannabis medicinal entre 2015 e 2017. Antes do início da terapia, foram aplicados questionários e avaliações que atestaram que os sintomas mais comuns entre os pacientes do estudo eram:

  • Inquietação (90,4%);
  • Ataques de raiva (79,8%);
  • Agitação (78,7%);
  • Problemas de sono (60,1%) e
  • Deficiência de fala (60,1%).

A maior parte dos participantes foi tratado com o óleo de cannabis feito de uma composição de 30% de Canabidiol (CBD) e 1,5% de Tetrahidrocanabinol (THC). O medicamento era aplicado diretamente na língua dos pacientes três vezes ao longo do dia.

Depois de 6 meses do início do estudo, 155 pacientes ainda se encontravam em tratamento ativo. Destes, 93 foram avaliados por meio de uma avaliação global e os resultados foram:

  • 28 pacientes (30,1%) relataram melhora significativa nos sintomas;
  • 50 pacientes (53,7%) relataram melhora moderada nos sintomas;
  • 6 pacientes (6,64%) relataram melhora leve nos sintomas;
  • 8 pacientes (8,6%) relataram não ter percebido qualquer alteração nos sintomas.

Além disso, 23 pacientes (25,2%) relataram ter experimentado pelo menos um efeito colateral durante o tratamento, sendo os sintomas de inquietação os mais comuns. Como conclusão ao estudo, os autores definiram que a cannabis parecia ser uma opção bem tolerada, segura e eficaz para aliviar os sintomas, especialmente os comportamentos não essenciais, associados ao TEA.

Estudos com placebos

Para atestar a eficácia do canabidiol no tratamento do autismo e outras condições também é comum a realização de estudos com a presença de placebos. Isso significa que os participantes recebem diferentes substâncias, sendo que algumas são a base de CBD e THC e outras sem esses compostos.

Um desses estudos foi o realizado pelo grupo de pesquisa do Shaare Zedek Medical Center, que fez um estudo prospectivo – que tenta enxergar adiante no futuro – com a participação de 150 pessoas com TEA, com idades entre 5 a 21 anos.

Essa pesquisa se tratava de um estudo duplo-cego, o que significa que seu objetivo era evitar interferências conscientes ou não durante a realização dos experimentos com os participantes. Ou seja, eles não tinham ciência de qual substância estavam tomando – se era o óleo de CBD ou o placebo.

Para serem incluídos, os participantes precisavam apresentar problemas comportamentais medidos por uma classificação superior a quatro no Clinical Global ImpressionSeverity (CGI-S). As substâncias usadas foram:

  • Placebo (azeite);
  • Extrato de planta inteira de cannabis (proporção CBD:THC de 20:1);
  • Solução a base de azeite de 160/8,0mg por mL;
  • Solução de 99% de CBD puro e 99% de THC puro misturado na proporção de 20:1 em uma solução a base de azeite de 160/8,0 mg por mL.

Os participantes foram divididos de forma aleatória e receberam 1 dos 3 tratamentos por um período de 12 semanas e, em seguida, fizeram um cruzamento para um segundo tratamento por um segundo período de 12 semanas.

Como um dos primeiros desfechos desse estudo em questão, os pesquisadores verificaram uma mudança nas respostas do Questionário de Situações Domésticas – Transtorno do Espectro do Autismo (HSQ-ASD) após o tratamento com extrato de planta de cannabis inteira ou extrato purificado versus placebo.
O estudo foi concluído em 2018, mas seus resultados ainda não foram divulgados.

TEA e cannabis medicinal: revisão e experimentação clínica

Os dois estudos citados acima, assim como outros foram citados no artigo Autism Spectrum Disorder and Medical Cannabis: Review & Clinical Experience, de Mojdeh Mostafavi e John Gaitanis, que avalia dados pré-clínicos e clínicos disponíveis sobre o uso de cannabis e canabidiol (CBD) no tratamento de sintomas centrais, sintomas não centrais e comorbidades associadas ao autismo.

Como conclusão ao estudo, os pesquisadores afirmaram que os dados pré-clínicos e clínicos atuais avaliados na revisão sugerem que a intervenção com óleo de canabidiol tem potencial para benefício terapêutico em algumas pessoas com TEA e é geralmente bem tolerado.

No entanto, eles reforçaram que ainda é um desafio identificar quais pacientes terão resultados positivos e quais podem desenvolver efeitos colaterais intoleráveis. Mostafavi e Gaitanis escreveram que ainda são necessários estudos adicionais a fim de identificar melhor as pessoas que podem se beneficiar com a cannabis medicinal, assim como a otimização de protocolos de administração, incluindo, mas não se limitando à relação CBD:THC, uso de outros canabinoides, dosagens, frequência e via de administração.

Por último, é hora de entender se o canabidiol para autismo é legal no Brasil. Como já explicamos, em alguns casos o uso do óleo de CBD é permitido para o tratamento de algumas condições no país.
Por isso, famílias que têm a recomendação médica e a receita em mãos, podem levar a receita de controle especial (tipo A ou B) em uma farmácia ou drogaria que venda o produto desde que ele tenha como base um canabidiol aprovado no Brasil. Também é possível importar, mas, para isso, é preciso solicitar uma autorização especial no site da Anvisa.

Por isso, o tratamento é possível desde que haja uma indicação médica e que, como citado, seja o último recurso. Mas, de acordo com informações publicadas em janeiro de 2022 no portal Cannabis e saúde, apenas 0,4% dos profissionais da medicina habilitados fazem essa prescrição no país.

Os valores dos produtos a base de canabidiol também são altíssimos, chegando a mais de R$2 mil. Por esse motivo, em 2020, o Tribunal Regional Federal acatou a solicitação para que os medicamentos à base de canabidiol estejam na lista de fármacos distribuídos pelos SUS. Mas ainda não existem informações sobre o andamento desta demanda.

Para saber mais sobre outros medicamentos indicados para o autismo, como a Risperidona, leia o artigo do nosso blog.

Foto do author Gabriela Bandeira

Escrito por:

Gabriela Bandeira

Qual é a sua relação com a criança autista?*

Ei, você gostou
do conteúdo? 😄

Responda 4 perguntas abaixo e nos ajude a criar conteúdos mais relevantes para você:

Qual seu e-mail*

Qual desses três grupos você faz parte? *

Qual desses assuntos mais te interessa?

Você encontrou o que procurava?