Search
menina brava com braço cruzado

O que é Transtorno Opositivo Desafiador (TOD)?

O Transtorno Opositivo Desafiador (TOD) é uma condição que geralmente se manifesta durante a infância e adolescência. Envolve comportamentos desafiadores e impulsivos em relação a autoridades, como pais e professores.

É importante compreender que esse transtorno não define uma pessoa por completo. Com o apoio adequado, é possível superar essas dificuldades e promover um ambiente de compreensão e apoio.

Para entender mais sobre esse assunto, conversamos com o Dr. Ênio Roberto de Andrade, psiquiatra da infância e adolescência e diretor do SEPIA no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina FMUSP.

Sinais e sintomas do Transtorno Opositivo Desafiador (TOD)

O Transtorno Opositivo Desafiador geralmente se manifesta na infância, podendo prevalecer até na adolescência e início da vida adulta. Geralmente, são professores em sala de aula que percebem os primeiros sinais do transtorno, visto que a escola é um ambiente com regras e combinados.

Crianças com TOD exibem comportamentos desafiadores e desobedientes de maneira recorrente. Elas têm dificuldade em controlar suas emoções, e como geralmente esse transtorno está ligado à criança, ela sente dificuldade em organizar os próprios pensamentos e sentimentos, por isso apresentam comportamentos desafiadores como crises de raiva e/ou choro.

O Dr. Ênio explica: “uma coisa que tem que ficar clara é que ninguém gosta de ser frustrado, o que acontece é que crescemos e vamos aprendendo a lidar com essas frustrações”, e completa: “por isso, essas crianças que têm TOD, entendem de uma maneira diferente as regras e os limites, elas acham que aquilo com elas é mais ofensivo do que com outras crianças”.

Por isso, elas tendem a argumentar e desafiar constantemente figuras de autoridade, como pais, professores e outros adultos. Além disso, podem manifestar irritabilidade crônica, demonstrar ressentimento em relação a regras e limites e não saber controlar uma crise de irritabilidade quando são desafiadas a obedecerem.

Quais intervenções são indicadas para o TOD?

É essencial buscar apoio profissional ao lidar com o Transtorno Opositivo Desafiador. Um diagnóstico preciso por parte de um profissional de saúde mental é fundamental.

Dependendo da gravidade dos sintomas, diferentes abordagens terapêuticas podem ser recomendadas. A terapia cognitivo-comportamental (TCC) pode ajudar as crianças a desenvolver habilidades de controle emocional e gerenciamento de comportamento.

Além disso, programas de treinamento para pais podem ser eficazes no fornecimento de estratégias para lidar com os desafios associados ao TOD.

Segundo Dr. Ênio, “o tratamento não é medicamentoso, mas principalmente com terapia cognitiva comportamental e treino parental”. Ele ainda reforça: “o uso de medicamento só pode ser associado quando a pessoa se machuca, ou por alguma agitação que não está diretamente ligada ao TOD, como o TDAH, por exemplo”.

O Transtorno Opositivo Desafiador (TOD) tem cura?

É fundamental que a pessoa com TOD esteja em terapia cognitiva comportamental, para estimular o desenvolvimento em diversas áreas da vida, principalmente a social. Não existe medicamento para “curar” esse transtorno, mas ele tendem a desaparecer, segundo o Dr Ênio:

“É comum que as crianças tenham mais sinais de TOD na infância, e esses sinais vão diminuindo na adolescência. Ele pode, sim, desaparecer. Ele melhora com o envelhecimento, até porque a pessoa entende mais as regras, que não vale a pena se opor a todas as regras que existem”.

Em alguns casos, quando o transtorno está causando danos físicos à pessoa, principalmente derivado das crises de autoagressão, existe o uso de medicamentos pensando em diminuir a agitação.

Lidando com Transtorno Opositivo Desafiador no dia a dia

Enquanto o tratamento profissional é essencial, existem algumas dicas que podem ajudar os pais e pessoas cuidadores no dia a dia a promoverem uma experiência mais saudável para pessoas com esse transtorno. Como:

  • Estabelecer rotinas consistentes — definir limites claros e reforçar comportamentos positivos podem contribuir para o manejo do Transtorno Opositivo Desafiador;
  • Buscar o apoio — de grupos de apoio e educar-se sobre a condição;
  • Terapia para pessoas cuidadoras e professores da criança — para entender como auxiliar em comportamentos desafiadores como as crises.

“A intervenção não pode ser verbal ou física. Na hora de uma crise de TOD, a criança precisa se acalmar para fazer a abordagem, pois a criança não vai entender a abordagem no momento em que tem muito a processar”, reforça o psiquiatra.

Desobediência no autismo nem sempre significa TOD!

Muitas pessoas acreditam que o transtorno se resume em apenas desobediência, e por isso imaginam que crianças autistas também têm o transtorno por simplesmente não aceitarem um combinado, mas não é bem assim.

Dr. Ênio reforça: “levar em conta o diagnóstico diferencial, muitas crianças com TEA não entendem as ordens, mas ela não entende e não quer mudar, como, por exemplo, uma mudança na rotina, isso vai deixar ansiosa, mas não significa que ela tem TOD”.

E como diferenciar se a criança está lidando com uma ansiedade pela falta de previsibilidade, ou se está sofrendo uma crise por conta do TOD? É o que o psiquiatra explica: “as crianças autistas, que também lidam com o Transtorno Opositivo Desafiador, vão ser bem mais opositoras às regras, é um comportamento desafiador que prevalece independente da mudança da rotina”.

Qual a prevalência de TOD em pessoas com autismo?

Existem estudos que investigaram a prevalência do Transtorno Opositivo Desafiador em crianças com Transtorno do Espectro Autista (TEA). Embora os resultados variem entre os estudos, algumas pesquisas sugerem que a taxa de ocorrência do TOD em crianças autistas pode ser mais alta do que em pessoas típicas.

“O que a gente tem que ter em mente, é que o TOD é muito frequente, então se fizer contas matemáticas, 15% das crianças têm TOD e 2% das crianças tem a chance de ter TEA”, explica o psiquiatra, “então há uma possibilidade grande de que você vai ter uma criança que apresente TEA e TOD”.

Um estudo publicado na revista científica “National Library of Medicine” examinou a prevalência do TOD em crianças com TEA, devido às crises de estresse constantes.

Os resultados indicaram que a taxa de transtorno entre crianças autistas era significativamente maior em comparação com crianças sem TEA. No entanto, é importante ressaltar que a presença de TOD em crianças autistas pode variar amplamente, e nem todas as crianças autistas apresentam esse transtorno comórbido.

Embora esse estudo e outros forneçam algumas evidências da associação entre o TOD e o TEA, é importante reconhecer que a ocorrência desses transtornos pode variar.

Cada pessoa é única, e o diagnóstico e o tratamento devem ser feitos por profissionais de saúde qualificados com base nas necessidades individuais de cada criança.

Conclusão

É fundamental compreender que, apesar do Transtorno Opositivo Desafiador causar danos à saúde e ao bem-estar da pessoa, com intervenções adequadas, é possível promover um ambiente de compreensão e apoio, permitindo que a pessoa desenvolva habilidades para lidar melhor com suas emoções e comportamentos desafiadores.

Com a ajuda de profissionais da saúde mental, é possível trabalhar em conjunto para encontrar estratégias e soluções que possam melhorar a qualidade de vida, fortalecendo os laços familiares e promovendo o bem-estar geral.

Para continuar a ler sobre autismo e outros transtornos de desenvolvimento, acesse o blog genial:
Blog Genial Care

Conheça nosso atendimento padrão ouro em intervenção para autismo
Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Canabidiol no tratamento de autismo Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul Meu filho foi diagnosticado com autismo, e agora? Conheça a Sessão Azul: cinema com salas adaptadas para autistas Síndrome sensorial: conheça o transtorno de Bless, filho de Bruno Gagliasso Escala M-CHAT: saiba como funciona! Déficit na percepção visual: Como a terapia ocupacional pode ajudar? 3 aplicativos que auxiliam na rotina de crianças autistas 3 Animações que possuem personagens autistas | Férias Geniais Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Conheça os principais tratamentos para pessoas no espectro autista Diagnóstico de autismo do meu filho. O que preciso fazer? Quais os principais sinais de que meu filho tem autismo? Diagnóstico de autismo: quais os próximos passos. Veja 5 dicas Estereotipias: o que são e quais as principais em pessoas autistas 5 personagens autistas representados em animações infantis Graus de autismo: Conheça quais são e como identificá-los Outubro Rosa: 5 maneiras da mãe se cuidar 5 brincadeiras para o Dia das Crianças O Rol taxativo da ANS chegou ao fim? AUTISMO em ADULTOS: Quando e como saber? AUTISMO e ASPERGER: 25 sinais de Autismo Infantil Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Autismo: Fui diagnosticada aos 60 anos e agora?