Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
Menina em consulta sobre ensino de habilidades comunicativas

A importância da avaliação e do ensino de habilidades comunicativas para crianças com TEA

Quando falamos do ensino de habilidades comunicativas em crianças com TEA, estamos pensando no ensino de habilidades que garantam que essas crianças consigam se comunicar e consequentemente participar de atividades interativas.

Isso porque, o uso funcional da linguagem está ligada ao uso e a interpretação de qualquer forma de comunicação, seja gestual, vocal ou verbal. Muitas crianças no espectro podem ter dificuldades em usar a linguagem para comunicar desejos e até mesmo interpretar mensagens passadas por outros.

Por isso, considerando que uma comunicação efetiva proporciona autonomia e qualidade de vida, nosso papel enquanto terapeuta de crianças com TEA é realizar uma boa avaliação da comunicação. Para assim, traçar objetivos terapêuticos assertivos que estimulem oportunidades de aprendizagem e uso das habilidades comunicativas das crianças.

Mas como fazer isso?

Neste texto, você vai entender melhor sobre esse ensino de habilidades comunicativas no TEA. Continue lendo para aprender sobre o assunto!

O que é o ensino de habilidades comunicativas?

Quando falamos em habilidades comunicativas estamos nos referindo à capacidade que uma pessoa tem de participar de uma troca interativa mantendo uma comunicação efetiva.

Uma comunicação efetiva pode ocorrer por diferentes meios (contato visual, escrita, gestos, expressões faciais, língua de sinais, CAA, entre muitos outros) e podem ser estimuladas a todo momento, isso porque, todo comportamento nos comunica algo, independente de ser vocal ou não, afinal de contas, a comunicação vai muito além da fala.

Segundo o DSM-5 os primeiros sintomas de TEA, frequentemente envolvem atraso no desenvolvimento da linguagem e da comunicação social, em geral, acompanhado por ausência de interesse social ou interações sociais incomuns, caracterizados por:

  • Ausência de vocalizações funcionais.
  • Dificuldade em manter contato visual;
  • Pouco interesse em responder a sorrisos, imitar expressões faciais ou gestos simples; Não responder quando são chamados pelo nome;
  • Falta de interesse pelo outro ou por outras crianças;
  • Atenção compartilhada prejudicada;
  • Ausência do gesto de apontar, entre outros.

E a partir de uma boa avaliação e intervenção especializada, essas habilidades podem ser melhoradas, o que reforça a importância da intervenção precoce em crianças com TEA.

Afinal de contas, o que é a comunicação?

Fono praticando CAA com criança. Isso faz parte do ensino de habilidades comunicativas.

Segundo a Asha, comunicação é qualquer ato pelo qual uma pessoa dá ou recebe de outra pessoa, informações sobre as necessidades, desejos, percepções, conhecimentos ou estados efetivos.

Ela pode ser intencional ou não intencional, pode envolver sinais convencionais ou não convencionais, pode assumir formas linguísticas ou não linguísticas e pode ocorrer através da fala ou através de outros meios.

Portanto, todas as pessoas, de alguma forma, se comunicam. No entanto, a eficácia e a eficiência desta comunicação pode variar de acordo com uma série de fatores individuais e ambientais.

Porque, como e quando utilizamos a comunicação?

Os nossos relacionamentos se concretizam quando os processos envolvidos na comunicação são efetivados.

E a razão pela qual nos comunicamos uns com os outros costumamos chamá-la de “função comunicativa”..

Assim, podemos entender que o motivo de expormos nossas necessidades pode ser resumido em uma determinada função comunicativa.

São muitas as funções comunicativas que utilizamos em uma interação, e a pragmática é a subárea da linguagem primariamente relacionada à habilidade funcional da linguagem e envolve os aspectos relacionados aos atos, meios e funções comunicativas.

Os atos comunicativos constituem no primeiro conhecimento da criança em relação à pragmática, e eles são quaisquer comportamentos que a criança emita com iniciativa, seja para:

  • Pedir;
  • Reclamar;
  • Comentar;
  • Nomear;
  • Gritar;
  • Falar;
  • Gesticular.

A razão pela qual nos comunicamos uns com os outros chamamos de função comunicativa.

E elas são divididas em dois grandes grupos: as mais interpessoais, que são utilizadas com a intenção de se comunicar com o outro e as menos interpessoais, quando não são dirigidas a um interlocutor e sim a um objeto.

Quanto maior for o número de funções comunicativas mais interpessoais utilizadas pela criança, maior é a sua capacidade de utilizar sua comunicação de maneira funcional para a socialização.

E a forma pelas quais um ato comunicativo ocorre, chamamos de meios comunicativos. Eles são divididos em verbais (os que envolvem pelo menos 75% de fonemas da língua), vocais (todas as outras emissões) e gestuais (que envolvem movimentos do corpo e expressão facial).

Então, como avaliar o uso de habilidades comunicativas?

As teorias pragmáticas consideram o contexto extremamente importante para a comunicação.

Isso desde o período pré-verbal; ou seja, antes mesmo de emitir as primeiras palavras, a criança é capaz de responder às iniciativas sociais.

Por isso, uma avaliação da comunicação deve ter como objetivo analisar os aspectos funcionais da comunicação, ou seja, analisar o uso da linguagem nos contextos em que ela acontece.

Para isso, aqui na Genial Care, além da observação clínica, nossa equipe de fonoaudiologia faz uso de dois principais instrumentos, para avaliação da comunicação, o Perfil funcional da Comunicação Checklist (PFC-C) e a prova de pragmática do Teste de Linguagem Infantil – ABFW.

De uma forma resumida, o PFC-C ele é um instrumento preenchido pelo principal cuidador da criança.

Com essa avaliação do ensino de habilidades comunicativas, conseguimos avaliar a maneira que uma pessoa se comunica, levando em consideração os meios comunicativos verbal, vocal e gestual, as funções comunicativas utilizadas e qual a frequência em que elas aparecem.

Essas frequências podem ser classificadas em: (sempre – S, muitas vezes – MV, raramente – R ou nunca – N).

De forma geral, o PFC-C é uma forma de avaliar, na percepção dos cuidadores, a funcionalidade comunicativa da criança.

Considerando que cuidadores e familiares são as pessoas mais próximas e que estão engajadas com a criança no dia-a-di, é fundamental colher a percepção deles.

Assim, conseguimos compreender o funcionamento comunicativo das nossas crianças para além do contexto da terapia é fundamental.

E como já foi dito, outro instrumento utilizado aqui na Genial Care para a avaliação da comunicação das nossas crianças, é a prova de pragmática do Teste ABFW.

O objetivo desta prova também é a análise dos aspectos funcionais da comunicação e a análise também envolve os aspectos relacionados aos atos, meios e funções comunicativas.

Entretanto, diferente do questionário PFC-C, nesta prova, o terapeuta filma a sua interação com a criança, em seguida seleciona o melhor trecho para registrar e analisar todos os atos comunicativos emitidos pela criança de forma espontânea. Traçando assim o seu perfil comunicativo.

Em relação à análise dos resultados, os dados obtidos nos testes nos permitem entender o espaço comunicativo ocupado pela criança numa situação interativa e dos recursos/meios comunicativos utilizados por ela.

Nos possibilitando determinar objetivos terapêuticos focados em comunicação, fala e linguagem.

Além disso, os resultados poderão contribuir também para diagnósticos diferenciais, dentre eles quadros como distúrbios específicos de desenvolvimento de linguagem, transtornos motores da fala, TEA e outros distúrbios de comunicação.

Conclusão

Para finalizar, é importante enfatizarmos que a comunicação é multimodal, ou seja, podemos nos comunicar de diferentes maneiras.

Mas é importante frisar também que o seu desenvolvimento é influenciado por diferentes fatores, incluindo fatores genéticos, ambientais e sociais.

Crianças que crescem em ambientes ricos em oportunidades comunicativas, tendem a desenvolver habilidades comunicativas mais rapidamente.

Por isso, o vínculo e as interações com terapeutas, cuidadores e pares desempenham um papel fundamental no desenvolvimento da comunicação de crianças com TEA, fornecendo oportunidades para desenvolver e praticar habilidades da comunicação social.

Considerando isso, durante o ensino de habilidades comunicativas, uma avaliação da comunicação deve ter como principal objetivo analisar os aspectos funcionais da comunicação.

Ela será a base para traçarmos objetivos terapêuticos e orientarmos a família de forma efetiva e de acordo com a individualidade de cada criança.

Além disso, ao entendermos que todo comportamento (mesmo quando não dirigido a um interlocutor) tem uma função e nos comunica algo, nos torna parceiros de comunicação mais assertivos.

Desta forma validamos os atos comunicativos emitidos por nossas crianças e quando necessário ensinamos formas mais funcionais de comunicação a elas, como, por exemplo, por meio de um recurso de comunicação alternativa e aumentativa (CAA).

Já temos um texto bem completo sobre a Comunicação Alternativa e Aumentativa aqui no nosso blog, e você pode continuar lendo agora mesmo:

Comunicação aumentativa e alternativa

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Por que precisamos do Dia do Orgulho Autista? Conheça o estudo retratos do autismo no Brasil 2023 | Genial Care Dia Mundial do Meio Ambiente: natureza e a interação de crianças TEA Pessoas com TEA tem direito ao Benefício de prestação continuada (BPC)? Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Câmara aprova projeto que visa contratação de pessoas autistas Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi