Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
menina segurando videogame, olhando para cima e gritando

Comportamento Desafiador: o que é, por que ocorre e como intervir?

É muito comum que as famílias sejam encaminhadas para atendimento psicológico por conta de dificuldades ao lidar com alguns comportamentos difíceis da criança: esses são os chamados comportamentos desafiadores.

Sua ocorrência pode gerar grandes questões na convivência familiar e social da criança, bem como atrapalhar a aprendizagem de outros comportamentos importantes.

Por sua relevância e possíveis impactos na vida da criança e da família, os comportamentos desafiadores são considerados alvos prioritários das intervenções terapêuticas.

Nesse texto, vamos descobrir mais sobre o comportamento desafiador: o que são, porque ocorrem e como intervir sobre eles na rotina de desenvolvimento infantil. Continue lendo para aprender!

O que é um comportamento desafiador?

menino sentando tendo comportamento desafiador com as mãos dobradas no joelho

Um comportamento desafiador é aquele cuja ocorrência atrapalha o desenvolvimento de uma pessoa, independente da sua idade ou até mesmo possível diagnóstico.

Assim, esses comportamentos podem ser mais ou menos claros para o convívio social, criando dificuldades das mais diversas, tanto para a criança quanto para seus familiares e outras pessoas próximas.

Os comportamentos desafiadores podem:

  • Produzir afastamento social;
  • Dificultar o acesso a lugares ou ambientes novos, ou enriquecidos;
  • Dificultar a aprendizagem de comportamentos importantes;
  • Até mesmo produzir risco para o bem-estar físico.

É muito fácil perceber que esses comportamentos, como o de morder a própria mão, por exemplo, traz risco à integridade física da criança. Por outro lado, um comportamento repetitivo de cutucar a pele também pode abrir feridas, expondo a criança a uma possibilidade de infecção.

Assim, seja o risco mais ou menos evidente, a intervenção nesses comportamentos é importante para evitar que a criança se lesione e perca oportunidades de aprendizagem.

Para decidir se ele deve ser alvo de intervenção, portanto, o terapeuta e a família devem levar em consideração o impacto que ele produz na vida e no bem-estar da criança.

É importante notar que, apesar de o nome “comportamento desafiador” remeter ao Transtorno Opositor-Desafiador (ou TOD), todas as crianças podem exibir comportamentos desafiadores que coloquem em risco sua integridade física e social e atrapalhem a sua aprendizagem.

Por que o comportamento desafiador acontece?

Como já vimos, a ocorrência de comportamentos desafiadores traz grandes dificuldades para a vida da criança, de sua família e de todos aqueles que estão próximos.

Quando observamos todos os problemas gerados por eles, é comum que nos façamos a pergunta: se causam tantos prejuízos, por que esses comportamentos ocorrem? Responder a essa questão não é nada fácil!

O primeiro passo para entender a “causa” dos comportamentos desafiadores, é compreender que eles produzem mudanças no mundo ao redor da criança, e para começar a pensar em uma solução, é importante que consigamos saber exatamente quais são essas mudanças.

Elas podem ser de alguns tipos:

Ganhar itens

A criança pode ganhar itens de preferência depois que tem um comportamento desafiador. Isso acontece, por exemplo, quando a criança tem um pedido para usar o celular negado, mas acaba recebendo ele após insistir e agredir a mãe.

Evitar tarefas e demandas

É possível que o comportamento desafiador faça com que a criança não precise fazer uma tarefa ou demanda. Quando uma criança protesta e chora ao ser chamada para o banho, por exemplo, pode fazer com que o banho seja adiado ou até mesmo deixado de lado.

Receber atenção

Às vezes, esses comportamentos fazem com que outras pessoas deem atenção que comumente não dão para a criança, seja em forma de explicações, cuidado ou até mesmo em forma de broncas.

Um exemplo disso é a criança que se coloca em risco quando os pais estão trabalhando em casa, o que faz com que os adultos interrompam suas tarefas e, mesmo que de forma breve, deem atenção para a criança.

Produzir sensações ou estimulação corporal

Esses casos são os mais difíceis de identificar, já que a maioria dos comportamentos produz algum tipo de estimulação dos sentidos, mas que nem sempre são relevantes para a sua manutenção.

Um exemplo desse tipo de comportamento que produz estimulação sensorial importante acontece quando a criança coça a própria pele no local em que tomou uma picada de pernilongo, fazendo-o até se ferir.

Múltiplas mudanças

É bastante frequente que os comportamentos desafiadores da criança produzam mais de um destes tipos de mudança no mundo.

Imagine uma criança que tem restrição alimentar, por exemplo, e protesta quando colocada à mesa, dizendo que não vai comer, gerando um debate com sua mãe, que explica porque é importante se alimentar.

Com seu comportamento de protesto, a criança evita a refeição e, ao mesmo tempo, produz atenção da mãe em forma de explicações.

Como intervir sobre comportamentos desafiadores?

Para agir sobre determinado comportamento que pode ser desafiador, é muito importante começar por uma avaliação das mudanças no ambiente da criança produzidas por esse comportamento.

Só assim é possível fazer uma intervenção assertiva e efetiva, contemplando tanto as necessidades da criança quanto que previna os riscos e prejuízos causados pelo comportamento.

As intervenções para os comportamentos desafiadores são baseadas em alguns princípios importantes, que auxiliam a criança a desenvolver habilidades necessárias e, ao mesmo tempo, diminuem a frequência desses comportamentos.

6 dicas para melhorar um comportamento desafiadormenina e homem fazendo xiu com a boca, com mulher ao lado olhando

Separamos 6 dicas podem ser úteis na condução cotidiana dos comportamentos desafiadores:

1. Entenda quais são as mudanças produzidas pelo comportamento

Como já dissemos, o comportamento desafiador aparece como uma forma de a criança obter ou remover algo do seu ambiente. O primeiro passo para a melhora é compreender quais são as mudanças importantes produzidas por esse comportamento.

2. Fique atento aos primeiros sinais

Esse comportamento normalmente não acontece “do nada”; ele costuma ser precedido por outros comportamentos mais brandos, em uma “escalada” de intensidade.

É muito comum vermos que, antes de chorar e jogar-se no chão, por exemplo, a criança diz que quer o item, passando a protestar quando não o recebe e, só após uma nova negativa, passa a emitir comportamentos mais severos.

É importante estar atento a todo esse trajeto para que possamos intervir antes que a situação se agrave.

3. Aja de forma preventiva

Se você já sabe quais são os “gatilhos” para esse tipo de comportamento, rearranje as situações para diminuir a sua ocorrência. Caso a criança tenha dificuldades em esperar na fila do supermercado, por exemplo, use a fila preferencial para evitar que a espera seja longa demais. Se a criança apresenta comportamentos desafiadores durante a refeição, evite colocar muita comida não-preferida em seu prato.

4. Evolua aos poucos

Como os comportamentos desafiadores causam muito desconforto, tanto para a criança quanto para sua família e outras pessoas próximas, é comum que tentemos “acabar com eles de uma só vez”.

Esse tipo de estratégia, por sua vez, não é muito efetiva, e acaba tornando a situação desconfortável e insustentável para todos os envolvidos.

É melhor compreender que a evolução deve ser lenta e gradual, e que os adultos podem auxiliar a criança através do aumento gradual da dificuldade. Se a criança apresenta comportamentos desafiadores durante a escovação de dentes, por exemplo, é melhor abreviar esse momento por alguns dias, aumentando, aos poucos, o tempo de escovação.

5. Comemore as conquistas

Quando pensamos em diminuir o desafio que apresentamos para a criança, estamos falando em aumentar o sucesso que ela tem com aquela tarefa.

Fazemos isso porque a psicologia nos mostra que aprendemos mais com os acertos do que com os erros. Por isso, esteja atento aos pequenos progressos que a criança demonstra, e comemore genuinamente suas conquistas.

Além de encorajá-la a tentar e se engajar novamente na atividade, isso faz com que a criança tenha vontade e otimismo ao encontrar novos desafios.

6. Use a motivação da criança para ensinar a comunicação

Quando sabemos o que a criança quer, podemos utilizar essa oportunidade para ensinar habilidades importantes, sem esperar que o ele ocorra.

Se uma criança frequentemente tem comportamentos desafiadores durante os momentos de lição de casa, os pais podem ficar atentos aos sinais de dificuldades dela, auxiliando-a a solicitar ajuda, por exemplo.

Conclusão

Por mais que pareça difícil, intervir sobre um comportamento desafiador é possível! Para fazer isso da melhor forma possível, é indicado que se busque a ajuda de um profissional especializado.

Lembre-se, comportamentos desafiadores são algo que fazem parte do desenvolvimento infantil. Todas as crianças têm a capacidade de aprender, e com as intervenções e estratégias corretas, conseguimos transformar um comportamento em algo positivo para a rotina.

Nós, da Genial Care, estamos aqui para auxiliá-lo! Nossos princípios envolvem avaliações e intervenções individualizadas para auxiliar as crianças e suas famílias no enfrentamento de comportamentos desafiadores, dando suporte através de uma combinação entre terapia comportamental e orientação de pais.

Se você quer saber mais sobre nossos serviços e potencializar as habilidades da sua criança, clique no banner e fale com nossa equipe:

Rede de cuidado de saúde atípica

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Câmara aprova projeto que visa contratação de pessoas autistas Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul