Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
andar na ponta dos pés

Andar na ponta dos pés é sinal de autismo?

Andar na ponta dos pés é um comportamento bastante comum em crianças, principalmente nas mais novas que estão começando a aprender a andar. No entanto, quando esse comportamento deixa de ser pontual e passa a ser algo mais presente na rotina, muitas famílias acabam se preocupando e perguntando se esse pode ser um sinal de autismo.

Apesar de não ser um hábito exclusivo no autismo, o andar na ponta dos pés de forma persistente tem sim uma frequência maior em crianças com TEA, podendo afetar até 30% delas. Isso porque, ele pode estar ligado aos sinais de atraso no desenvolvimento infantil.

Neste artigo, você vai entender melhor o que é autismo, quais os seus sinais e se o ato de andar na ponta dos pés está relacionado ao TEA. Continue a leitura!

O que é autismo?

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) é um transtorno do neurodesenvolvimento caracterizado por dificuldades na comunicação e interação social e pela presença de padrões de comportamentos restritos e repetitivos.

Por ser um espectro e mudar a forma como as pessoas veem e interagem com o mundo, algumas pessoas com autismo podem ter dificuldade em se comunicar, outras podem ter comportamentos repetitivos e interesses restritos, enquanto outras podem ter dificuldade em interpretar as emoções dos outros.

Seus sinais podem ser percebidos ainda na primeira infância, e cada criança ou adulto com TEA pode apresentar diferentes níveis de necessidade de suporte. Ou seja, enquanto alguns precisam de maior apoio para realizar atividades básicas do dia a dia, outros têm maior facilidade em algumas ações.

Qual a ligação de andar na ponta dos pés e autismo?

Andar na ponta dos pés é um comportamento comum em crianças pequenas, principalmente nas que estão aprendendo a andar. Isso pode ser explicado pelo fato de que as crianças continuam se acostumando com o peso do corpo e com o equilíbrio.

O termo médico para esse comportamento é marcha em pontas idiopáticas, que acontece por conta da falta de contato do calcanhar com o chão, na fase inicial do andar. Geralmente, esse hábito aparece durante o desenvolvimento da marcha e fica com a criança até os 2 anos de idade.

Esse andar na ponta dos pés acontece quando a criança está passando pelo seu desenvolvimento psicomotor, já que ela ainda não consegue apoiar a planta do pé no chão por completo.

A maioria das crianças modifica esse comportamento naturalmente com o passar do tempo, e conforme alcança novos marcos do desenvolvimento das habilidades motoras, mas, em alguns casos, pode estar relacionado a autismo.

Crianças com autismo podem andar na ponta dos pés para estimular seus sentidos ou como uma maneira de se acalmar. Esse comportamento também pode estar relacionado a dificuldades motoras e de equilíbrio.

Além disso, estudos sugerem que esse padrão pode estar relacionado com uma hipersensibilidade, sendo uma forma de reduzir o estímulo tátil, amenizando o perfil sensorial da pessoa.

Isso quer dizer que quando o bebê começa aprender a andar, ele passa a sentir e processar as informações captadas pela sola dos pés, o que pode não ser tão confortável dependendo da textura ou temperatura, por exemplo.

Outro fator que relaciona o andar na ponta dos pés com o autismo é o sistema vestibular disfuncional, ou seja, o processo que o nosso cérebro tem de dar comandos sobre como movimentaremos o nosso corpo. Para pessoas no espectro essa disfunção acontece e o organismo não trabalha exatamente como deveria, criando novos padrões de movimento.

Andar na ponta dos pés pode estar relacionado com outros diagnósticos

Apesar do andar na ponta dos pés ter algum tipo de relação com o diagnóstico de autismo, é importante ressaltar que esse comportamento não é um sinal definitivo de TEA, podendo estar relacionado com outras condições.

Além do transtorno do espectro autista, o andar na ponta dos pés pode estar relacionado com:

  • Tendão de Aquiles encurtado: parte do corpo que liga os músculos da perna com o calcanhar, e quando muito curto, pode acabar impedindo o calcanhar de tocar o chão;
  • Paralisia Cerebral: esse distúrbio pode desencadear diversas barreiras de postura e movimento, como o andar na ponta dos pés;
  • Distrofia muscular: na distrofia as fibras musculares são muito propensas a sofrerem danos e ficarem mais fracas ao longo do tempo, dificultando o caminhar.

É fundamental lembrar que o diagnóstico do autismo é clínico, feito por profissionais da saúde qualificados, como um neuropediatra ou psiquiatra infantil, após uma avaliação cuidadosa dos sinais da criança.

Assim, se desconfiar que sua criança está no espectro e apresenta outros sinais além do andar na ponta dos pés, procure um médico o quanto antes e converse sobre suas observações. Esse é um passo importante para que a criança possa começar as intervenções precoces e ganhar independência e autonomia.

Banner sobre a Rede Genial de terapeutas com mulher sentada em um escritório, com um notebook a sua frente.

Quais os riscos de andar na ponta dos pés?

Independente do hábito de andar na ponta dos pés estar ou não ligado ao diagnóstico de autismo, é importante que esse comportamento seja modificado conforme a criança vai crescendo e desenvolvendo novas habilidades motoras.

Isso porque, isso pode enfraquecer a musculatura dos pés e da perna, gerando dificuldade de usar a panturrilha para se impulsionar para frente ao caminhar. Além disso, quadris, joelhos e coluna podem receber uma sobrecarga de extra quando isso acontece, podendo levar a dores e futuras lesões.

Também é importante observar esse comportamento relacionando-o às interações sociais, já que algo assim por toda a vida pode prejudicar a criança na hora de se relacionar com outras pessoas.

A terapia de integração social é feita na Terapia Ocupacional e também os exercícios de Fisioterapias são ótimas maneiras de realizar alongamento e estímulos para o andar. Por isso, é muito importante conversar com a equipe multidisciplinar que acompanha o desenvolvimento da criança e encontrar ações que auxiliem na qualidade de vida e bem-estar.

Aqui em nosso blog temos um conteúdo completo sobre integração sensorial e a importância desse processo na vida de pessoas com TEA, vale muito a leitura!

Integração Sensorial no Autismo

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul Meu filho foi diagnosticado com autismo, e agora?