Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
Análise de tarefas: mãe com filho

Como funciona a Análise de Tarefas?

A Análise de Tarefas é uma Prática Baseada em Evidências Científicas e está nas ferramentas utilizadas pela da Análise de Comportamento, conhecida também Ciência ABA, ou Terapia ABA.

Essa estratégia na ciência ABA é uma forma de quebrar, em pedaços menores, uma tarefa que pode ser complexa para uma pessoa. Ou seja, com ela, é possível potencializar as habilidades e ensinar um comportamento de forma simplificada em passos mais simples.

Quando falamos de crianças com autismo, essa estratégia é muito importante no desenvolvimento diário. Neste artigo você vai conhecer mais sobre os benefícios de utilizar a Análise de Tarefas no processo de aprendizagem de crianças autistas. Confira!

O que é a Análise de Tarefas?

O termo Análise de Tarefas, ou Task Analysis, significa, de forma simples, pegar uma habilidade complexa e dividi-la em etapas para facilitar o processo e o desenvolvimento da mesma, ou seja, “quebrar a tarefa maior em pequenos pedacinhos”.

Desta forma, é possível ensinar cada pedacinho desta habilidade maior, pausadamente, para a criança conseguir entender e aprender cada etapa, antes de passar para a próxima.

Por exemplo, vamos pensar em uma criança que tem dificuldade em escovar os dentes sozinha. Com a Análise de Tarefas pode quebrar toda essa habilidade em passos pequenos e que facilitam o aprendizado.

Assim, ela pode, primeiro, aprender como abrir a torneira para molhar a escova, desenvolvendo sua habilidade motora para girar, por exemplo. Depois, ela pode aprender a pegar a pasta e abrir o tubo, apertando para colocar a pasta de dente na escova.

Em seguida, ela pode aprender a manusear a escova na boca, entendendo como girar para escovar os dentes. E por aí vai, até que após todas as etapas se tornem um processo fácil para ser feito diariamente.

É importante lembrar que a pessoa só irá passar para o próximo passo, quando ela se sentir confortável com o primeiro. Por isso, a Análise de Tarefas considera o perfil individual e o processo de aprendizagem.

O que é ABA?

Como falamos, a Análise de Tarefas é uma estratégia que faz parte da Análise do Comportamento Aplicada (ABA), uma ciência de ensino e desenvolvimento, que direciona sua intervenção à modificação de comportamentos sociais pelos estudos, e pesquisas da Ciência do Comportamento.

As intervenções baseadas em ABA permitem a estruturação de um trabalho individualizado, respeitando a singularidade de cada criança.

Todo o acompanhamento e as intervenções que serão escolhidas consideram aspectos individuais da criança em questão, moldados e modificados de acordo com a evolução da criança e as necessidades da família.

Sendo assim, esse processo se baseia no repertório comportamental pré-existente da criança, e também na evolução comportamental que a mesma passa no decorrer do tratamento.

O acompanhamento de intervenções baseadas na ABA tem ganhado cada vez mais espaço no Brasil, e no mundo todo, principalmente quando se trata do contexto da aprendizagem direcionada a crianças com desenvolvimento atípico.

Uma das aplicações das técnicas e métodos da ABA, no acompanhamento de crianças com desenvolvimento atípico é realizada de forma estruturada.

E o foco da mesma consiste em ensinar novos comportamentos. Principalmente os relacionados à linguagem. Bem como, em diminuir a ocorrência de comportamentos estereotipados.

Os comportamentos que o acompanhamento baseado em ABA propõe promover são aqueles que, aplicados ao dia a dia da criança e de sua família, possam aumentar a qualidade de vida dos envolvidos.

E como a Análise de Tarefa funciona na Análise do Comportamento (ABA)?

O procedimento de Análise de Tarefa, dentro da ABA, descomplica, para a criança atípica, a execução de todo o processo de aprendizagem de uma habilidade, principalmente por essa divisão de tarefas, permitindo que a criança consiga aprender mais e melhor as novas habilidades que estão sendo apresentadas para ela.

Assim, a aprendizagem é realizada de passo a passo, com um aprendizado aprofundado de cada pedaço menor da habilidade. Até que seja possível chegar a habilidade maior, que é o objetivo final do procedimento.

Alguns dos objetivos da prática da Análise de Tarefas estão relacionados em promover o bem-estar e auxiliar a interação da criança autista com outras pessoas ao redor. Buscando, por exemplo:

  • Desenvolver a tolerância ao contato corporal;
  • Ensinar uma criança a utilizar um sistema alternativo e aumentativo de comunicação;
  • Ensinar a rotina diária a uma criança.

Quando e como utilizar a Análise de Tarefas?

A Análise de Tarefas pode ser utilizada em qualquer momento do dia em que a criança precisa cumprir algum objetivo, seja ele uma atividade diária, ou até mesmo realizar a tarefa da escola.

Os componentes da Análise de Tarefas constituem uma cadeia de comportamentos, e o processo de ensinar o comportamento através do treino e reforço de cada um dos componentes chama-se encadeamento (chaining).

As sequências podem ser ensinadas por fases — da primeira para a última ou em sentido contrário — ou ensinando todas as componentes de uma vez. Esta decisão depende muito da avaliação do profissional e das necessidades de suporte da criança.

O ensino destas sequências envolve um acompanhamento próximo do responsável em ensinar a tarefa (profissional ou pessoa cuidadora), que pode utilizar suportes visuais, e, eventualmente, ajudas físicas.

Ilustração de passo a passo visual Genial Care

Quando falamos em suporte visuais, muitas vezes é indicado fixar pequenos cartazes, ou criar um quadro, com imagens representativas das sequências a cumprir, para que as crianças possam seguir na ausência da supervisão do adulto.

Por onde começar a aplicar a Análise de Tarefas?

Como falamos, a Análise de Tarefas é um processo estruturado que envolve várias etapas. Desde a identificação da tarefa até a implementação de melhorias, cada fase desempenha um pedacinho para o processo.

Por isso, é importante entender como é possível fazer essa quebra de passos e como estruturar, de maneira eficiente e acessível, a tarefa para que a pessoa autista consiga desenvolver a habilidade.

1. Identifique a tarefa que você quer ensinar

A Análise de Tarefa pode ser aplicada em muitas habilidades do dia a dia, ou até mesmo tarefas relacionadas à escrita e aprendizagem. Converse com a equipe e entenda quais tarefas diárias podem ser aplicadas com essa estratégia.

Alguns exemplos são:

  • Escovar os dentes;
  • Se vestir;
  • Ir ao banheiro;
  • Comer;
  • Escrever o próprio nome;
  • Fazer a tarefa de matemática;
  • Pintar um desenho.

2. Identifique as competências ou conceitos que a criança já detém para desempenhar a tarefa

É importante entender o quanto da tarefa a criança já consegue realizar. Ela consegue segurar a escova de dentes? Quanto tempo consegue ficar sentada no lugar? Quais letras do seu nome conhece? Este passo indica as competências ou conceitos necessários para realizar a tarefa.

3. Divida a tarefa numa sequência de passos

Esta é a fase essencial do processo e nem sempre é muito fácil. Como, por exemplo, no ato de lavar as mãos, que pode ser dividida em sete etapas, da seguinte forma:

  1. 1. Abrir a torneira;
  2. 2. Molhar as mãos na água;
  3. 3. Colocar sabonete nas mãos molhadas;
  4. 4. Esfregar as mãos até fazer espuma;
  5. 5. Tirar a espuma com água corrente;
  6. 6. Fechar a torneira;
  7. 7. Secar as mãos na toalha.

Cada “passo” da tarefa, irá auxiliar a pessoa atípica a entender a habilidade de forma simplificada, e também desenvolver habilidades específicas, como motoras, comportamentais ou de socialização.

4. Ajuste a sequência de passos às competências da criança

Por exemplo, se o objetivo for que a criança fique sentada durante 10 minutos, é preciso ver quanto tempo é que ela consegue ficar sentada neste momento e decidir qual será a progressão razoável.

Assim, a criança consegue estar sentada 2 minutos no início da intervenção, estabeleça objetivos de progressão, aumentando tempo gradualmente, 3 minutos, 5 minutos, até atingir os 10 minutos desejados.

Lembre-se: para que a Análise de Tarefas funcione, é muito importante que o terapeuta aplicador ABA, ou outros profissionais da equipe, acompanhem o desenvolvimento da criança e entendam quais habilidades ela necessita de maior intervenção.

Além de, é claro, estar sempre em contato com a pessoa cuidadora para compreender todas as singularidades da criança autista e quais são as necessidades e barreiras diárias.

Conclusão

A Análise de Tarefas é uma estratégia muito importante quando falamos do desenvolvimento de habilidades em pessoas atípicas. Com ela, é possível simplificar o comportamento e permitir que cada passo seja feito em seu tempo.

Ao compreender como funciona, podemos moldar de forma proativa o desenvolvimento de habilidades, melhorar o desempenho e promover um ambiente mais saudável e produtivo.

ABA

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Câmara aprova projeto que visa contratação de pessoas autistas Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul