Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
torcedores autistas

Torcedores autistas: Conheça mais sobre inclusão no futebol em algumas torcidas inclusivas

Os grupos de fãs, incluindo torcedores autistas, e as torcidas inclusivas fazem parte de um movimento importante no mundo do futebol. Nesse contexto, a paixão pelo esporte une pessoas de diferentes origens e identidades, derrubando barreiras.

Essas iniciativas buscam criar ambientes acolhedores e acessíveis para todos os torcedores, especialmente para os torcedores autistas e outras pessoas neurodiverversas.

Neste artigo, vamos falar sobre conhecer mais sobre as torcidas inclusivas, entender a importância e o impacto positivo no mundo do futebol, especialmente para os torcedores autistas.

Presença de torcedores autistas contribuem para inclusão

Quando você imagina uma típica torcida de futebol, aquelas que vemos na TV em uma tarde de domingo, é raro considerar a presença de torcedores autistas e outras Pessoas Com Deficiência (PCDs) nesses espaços. No entanto, as torcidas inclusivas estão mudando esse cenário!

O papel fundamental das torcidas inclusivas é assegurar que todos tenham o direito de celebrar sua paixão pelo futebol, inclusive os torcedores autistas. Elas trabalham para promover:

  • Maior acessibilidade nos estádios;
  • Conscientização e educação sobre a diversidade;
  • Promoção ativa da diversidade;
  • Reforço do sentimento de pertencimento;
  • Impacto e inspiração social.

E como fazem isso? Por meio de iniciativas educacionais e na disseminação de informações, elas se dedicam a desconstruir estereótipos e combater o preconceito, promovendo empatia e respeito em relação aos torcedores autistas.

Essa conscientização é essencial para criar um ambiente acolhedor e inclusivo nas arquibancadas, garantindo que todos se sintam bem-vindos, independentemente de suas habilidades ou características, especialmente os torcedores autistas.

Além disso, o exemplo positivo dessas torcidas inspira outras comunidades e torcidas a abraçarem a inclusão como um valor fundamental, estendendo os benefícios da diversidade para além do mundo do futebol, e impactando positivamente a sociedade em geral.

Torcidas autistas: paixão pelo futebol e inclusão social

montagem com diversas imagens de torcidas autistas

O mundo do futebol é conhecido por sua paixão fervorosa e amor incondicional pelo esporte. No entanto, muitas vezes negligenciamos um grupo importante de entusiastas do futebol: os torcedores autistas.

Eles compartilham a mesma paixão, mas frequentemente enfrentam desafios adicionais ao desfrutar do jogo em estádios e ambientes de torcida tradicionais.

As torcidas autistas representam uma revolução no mundo do esporte, promovendo a inclusão e a conscientização sobre o autismo.

Estas iniciativas não apenas tornam os estádios mais acessíveis, mas também desempenham um papel crucial na quebra de estereótipos e na promoção do respeito e da empatia entre os torcedores autistas e neurotípicos.

As torcidas autistas são importantes para o cenário esportivo, principalmente na construção de um mundo mais inclusivo para todos. Afinal, o futebol é uma linguagem universal que une pessoas de todas as origens, e as torcidas autistas estão assegurando que ninguém seja deixado para trás.

Conheça algumas torcidas autistas que se destacam no mundo do futebol:

Salas sensoriais em estádios de futebol

As salas sensoriais em estádios de futebol são espaços inovadores que desempenham um papel fundamental na promoção da inclusão de torcedores autistas.

Projetadas com sensibilidade às necessidades específicas desses torcedores, essas áreas são equipadas com elementos como:

  • Iluminação suave;
  • Áreas de descanso;
  • Recursos de cancelamento de ruído e
  • Materiais sensoriais.

Essas salas proporcionam um refúgio tranquilo e acolhedor para os torcedores autistas, permitindo que desfrutem do jogo de futebol em um ambiente que respeita sua sensibilidade sensorial.

Dessa forma, é criado um ambiente que minimiza estímulos sensoriais indesejados.

Esse esforço exemplar reflete o compromisso crescente em tornar os estádios de futebol lugares verdadeiramente inclusivos, onde todos os torcedores, incluindo aqueles no espectro autista, possam compartilhar a emoção e a paixão pelo esporte em igualdade de condições.

Estádio do Café

Imagem da sala sensorial no estádio do Café, em Londrina - PR

O Estádio do Café, em Londrina, agora oferece uma sala sensorial para torcedores autistas e seus familiares, proporcionando um ambiente mais confortável com cadeiras estofadas, fones abafadores de som e brinquedos para as crianças.

A iniciativa da sala sensorial foi liderada pela torcida Tubautistas (Londrina Esporte Clube), fundada por Matheus Dantas, um torcedor diagnosticado com autismo.

Além da sala sensorial, o estádio também disponibiliza um espaço reservado para pessoas com autismo e seus familiares nas cadeiras cativas, seguindo o exemplo de outros estádios do país, como o Couto Pereira e a Neo Química Arena, que também possuem salas sensoriais dedicadas aos torcedores autistas.

Projeto Espectro Azul: sala sensorial na Arena do Grêmio

Imagem da Sala Sensorial no Estádio do Grêmio, em Porto Alegre - RS

Durante o jogo contra o Bahia pelo Campeonato Brasileiro, que aconteceu no sábado, 4 de novembro, o Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense e a Arena implementaram o Projeto Espectro Azul, que transformou o camarote 52 da Arena em uma sala sensorial especialmente preparada para receber, com exclusividade, torcedores autistas e seus familiares.

No evento piloto, oito crianças com autismo e seus acompanhantes foram acolhidos com atenção especial, com a presença do presidente do Conselho Deliberativo, Alexandre Bugin.

Além disso, outras ações de inclusão foram realizadas no campo, como a participação do torcedor Miguel Estega da Rosa, de oito anos, acompanhando os jogadores gremistas.

A sala sensorial continuará disponível em todos os jogos na Arena, e o Projeto Espectro Azul, abraçado pelo Grêmio, teve origem na criação da torcida Gremistas no Espectro, que une o amor de torcedores autistas pelo clube à luta pela inclusão. O projeto foi possível graças à colaboração de diversos parceiros e especialistas na área do autismo.

Espaço TEA na NEO Química Arena do Corinthians

Sala Sensorial no Estádio Neo Química Arena, São Paulo - SP

A torcida inclusiva do Corinthians é formada principalmente por pessoas neurodiversas, com a maioria sendo autistas. A Autistas Alvinegros está ativa desde abril de 2022 e é composta não apenas por torcedores autistas, mas também por psicólogos, familiares e cuidadores de pessoas autistas.

Além de apoiar o time em jogos de campeonatos regulares, a torcida faz questão de estar presente nos jogos da equipe feminina e da categoria de base para demonstrar seu amor pelo time do coração.

A presença dos Autistas Alvinegros é tão valorizada pelo time paulista que foi criada uma sala adaptada especialmente para recebê-los nos estádios. Nessa sala, eles podem assistir aos jogos sem o incômodo do barulho da multidão e de outros estímulos sensoriais que podem causar desconforto.

Hailé Pinheiro: Goiás Esporte Clube

Sala Sensorial no Estádio Hailé Pinheiro, em Goiânia - GO

Em celebração do “Dia do Orgulho Autista”, abril de 2023, foi inaugurado o camarote para pessoas autistas e pessoas com TDAH, com um ambiente físico adaptado e construído especialmente para atender as necessidades, e assim deixar os torcedores autistas e neurodiversos confortáveis e seguros para aproveitar a partida.

Segundo o site oficial do clube, o Presidente Executivo do Goiás Esporte Clube, Paulo Rogério Pinheiro, ressaltou a importância de ações inclusivas para o clube.

A inauguração do camarote representa mais uma ação do Goiás visando a inclusão e o conforto do nosso torcedor. Ficamos contentes em proporcionar uma experiência mais agradável e segura para os portadores de autismo e TDAH no Estádio Hailé Pinheiro. Sempre buscaremos as adaptações necessárias para o conforto e a segurança de nossa torcida”.

Espaço inclusivo em estádios pode ser lei no Rio de Janeiro

Em junho de 2023, foi aprovado o Projeto de Lei 463-A/2021, também conhecido como Lei Arthur Colecto, com o propósito de construir espaços adaptados nos estádios de futebol do Rio de Janeiro para atender aos torcedores autistas, que têm Transtorno do Espectro Autista (TEA). Essa aprovação marca mais um avanço significativo na promoção da inclusão na cidade.

Essa iniciativa ganhou impulso graças à contribuição do torcedor Eduardo Colecto, que compartilhou sua experiência com seu filho Arthur, um grande apaixonado pelo futebol. Arthur enfrentava dificuldades para assistir às partidas até o final devido ao barulho e a outros estímulos sensoriais.

Inspirados pelo exemplo da Arena Corinthians, unimos esforços com famílias de torcedores autistas e torcidas cariocas para desenvolver o projeto.

Se o prefeito sancionar a lei, o Rio de Janeiro avançará ainda mais no caminho da inclusão. Os estádios de futebol com capacidade para mais de 5 mil pessoas deverão dispor de espaços com adaptações sensoriais para receber os torcedores autistas.

Celebrando o mesmo time e a inclusão

As torcidas inclusivas estão abrindo caminho para uma nova era no mundo do futebol, onde a diversidade é celebrada e a inclusão é valorizada.

Ao criar espaços acessíveis e promover a conscientização sobre o TEA, essas torcidas inspiram outras comunidades a adotarem a inclusão como um valor fundamental.

O futebol tem o poder de unir pessoas de diferentes origens e identidades, e as torcidas inclusivas estão deixando sua marca, mostrando que o amor pelo esporte não conhece limites.

Conclusão

Cada vez mais torcedores autistas, neurodiversos e PCDs ocupam espaços que se identificam e, acima de tudo, se sentem pertencentes ao grupo e/ou movimento que apoiam e admiram.

Vale sempre lembrar que: inclusão é um direito de todos! Existe a Lei Brasileira de Inclusão (também conhecida como LBI ou Estatuto da Pessoa com Deficiência), que tem como objetivo assegurar e promover os direitos das pessoas com deficiência em todo território nacional.

Para saber mais sobre ela, acesse o texto no blog:

LBI

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul Meu filho foi diagnosticado com autismo, e agora? Conheça a Sessão Azul: cinema com salas adaptadas para autistas Síndrome sensorial: conheça o transtorno de Bless, filho de Bruno Gagliasso