Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
Menino com superdotação em matemática resolvendo tabuada em lousa escolar

Superdotação: entenda o que é e por que não devemos associá-la ao espectro autista

Infelizmente, ainda existem muitas suposições, estereótipos e mitos sobre o Transtorno do Espectro Autista, como a superdotação, por exemplo, onde muita gente acredita que todo autista tem habilidades excepcionais em áreas específicas, como matemática.

Com certeza você já ouviu a frase “Todo autista é um gênio”. Apesar de muitas pessoas autistas terem maior facilidade com números e conseguirem ter habilidades diferenciadas nesse sentido, não podemos afirmar que todo autista é superdotado.

Esse estereótipo de “genialidade fora do comum” já é antigo, e por isso é comum que algumas pessoas teorizem que cientistas como Albert Einstein e Isaac Newton podem ter sido autistas.

Neste texto, você vai entender sobre essa ligação de superdotação com o TEA e como assumir isso para todas as pessoas, pode ser algo prejudicial. Confira e aprenda!

O que significa superdotação?

Menino com superdotação em arquitetura. Ele segura um lápis em sua mão esquerda

A superdotação intelectual é uma característica ligada ao desenvolvimento de uma habilidade de forma superior à média populacional em determinada área de conhecimento.

Uma pessoa superdotada, com alta habilidade ou talento elevado, demonstra um desempenho excepcional ou potencial em áreas específicas, como intelectual, criatividade, artes, liderança ou habilidades acadêmicas, em comparação com seus pares da mesma idade, cultura e ambiente.

Essas habilidades excepcionais geralmente se manifestam em áreas como matemática, linguagem, ciências, artes visuais, música ou outras formas de expressão.

Pessoas com superdotação podem ter uma capacidade única de assimilar, analisar e sintetizar informações complexas, bem como de resolver problemas de maneiras inovadoras.

Dessa forma, eles podem mostrar uma curiosidade intensa, uma capacidade de raciocínio abstrato e uma inclinação para explorar conceitos em profundidade.

É importante ressaltar que a superdotação é algo multidimensional e pode se manifestar de maneiras diferentes em cada pessoa. Além disso, nem todos os superdotados se destacam academicamente; alguns podem exibir talentos em áreas criativas, sociais ou práticas.

Quais os sinais da superdotação?

Uma pesquisa feita pela Associação Mensa, traz dados referentes às pessoas com alta capacidade intelectual pelo mundo. No Brasil, foram identificadas mais de 2,6 mil pessoas com esse perfil, no qual 70% dele é de jovens entre 19 e 36 anos.

Entre os principais sinais ligados à superdotação, a associação aponta 5:

  1. Raciocínio rápido na resolução de problemas;
  2. Boa memória a longo prazo, captando informações e as recuperando com facilidade;
  3. Boa memória operacional, que é a ação de processar e receber diferentes tipos de informação ao mesmo tempo;
  4. Capacidade de diferenciar sons e visualizar imagens de forma nítida;
  5. Rápida curva de aprendizado, com habilidades avançadas para idade cronológica.

Além disso, existem alguns testes que podem ser feitos para ter mais clareza da superdotação de uma pessoa. Entre o principal, está o teste de QI, que ajuda a compreender e comparar habilidades, considerando diferentes tipos de inteligência e áreas de pensamento.

Superdotação e hiperfoco, são o mesmo?

Talvez esse seja o ponto de maior dúvida quando pensamos em pessoas autistas ou superdotadas, uma vez que o hiperfoco de alguém no espectro pode ser a matemática ou os números, por exemplo.

Mas é importante ficar claro que, embora a superdotação e o hiperfoco possam estar interconectados em certos contextos, eles não são a mesma coisa e representam características diferentes.

Como falamos, a superdotação refere-se a um conjunto de habilidades excepcionais ou potencial em áreas específicas, como intelectual, criatividade, artes ou habilidades acadêmicas.

Já o hiperfoco, por outro lado, é um conceito relacionado ao funcionamento cognitivo e comportamental, que se refere à capacidade de uma pessoa concentrar-se intensamente em uma tarefa ou atividade específica, muitas vezes ao ponto de perder a noção do tempo e do ambiente ao redor.

Assim, o hiperfoco acontece quando uma pessoa fica em absorção total em determinada atividade ou informação. Em geral, ele é uma atividade que dá prazer e diverte as pessoas, e por isso, é tão poderoso.

Toda pessoa autista tem superdotação?

Como falamos, esse mito está diretamente relacionado ao fato de muitas pessoas autistas apresentarem hiperfoco em determinados assuntos. Mas a resposta para essa pergunta é não!

Pessoas no espectro podem, sim, ter altas habilidades e até mesmo a superdotação como características, mas isso não é uma regra. Alguns apresentam habilidades acima da média em áreas específicas como arte, música, matemática ou memória.

Inclusive, quando falamos de pessoas diagnosticadas com TEA e com superdotação, existe uma relação de desafio de aprendizagem maior em outras áreas. Dessa forma, embora possam ser mais talentosos com algo específico, ainda têm maior dificuldade em se comunicar e socializar, precisando de suporte para essas ações.

Além disso, pessoas superdotadas podem ter dificuldades na adaptação escolar na forma mais tradicional, já que o ensino pode não atender às suas necessidades específicas.

Mas assim como nem toda pessoa autista tem um hiperfoco, muitas delas não são superdotadas (ou geniais), inclusive, muitas podem ter dificuldades na hora de aprender ensinamentos específicos, como matemática, por exemplo.

Qual a relação entre superdotação, autismo e matemática?

Quando falamos dessa relação entre superdotação, hiperfoco e autismo, muitas pessoas tendem a associar pessoas no espectro como extremamente gênios em matemática ou áreas mais complexas.

De fato, existe um estudo feito na Faculdade de Medicina de Stanford, nos Estados Unidos, que viu uma relação com o QI de pessoas autistas e o seu melhor desempenho em resolver problemas matemáticos.

Os pesquisadores acreditam que isso acontece pela forma única em que o cérebro de uma pessoa no espectro é organizado, já que ele apresenta maior atividade em áreas cerebrais que favorecem a habilidade em matemática.

Inclusive no começo de 2024, após os resultados do Enem 2023 serem divulgados, tivemos a maior nota em matemática alcançada por um estudante autista. Alexandre Andrade de Almeida fez 958,6 pontos na prova de Matemática e suas Tecnologias.

Alexandre já é conhecido por acumular várias conquistas em sua jornada acadêmica com mais de 73 medalhas em olimpíadas científicas no Brasil e no exterior. Apenas nas olimpíadas de matemática, o estudante tem 19 medalhas, sendo 6 de ouro, 6 de prata, 4 de bronze e 3 menções honrosas.

Alexandre Andrade de Almeida segurando diversas medalhas que ganhou em competições de ensino.

Mas isso não significa que todos os alunos autistas têm facilidade em matemática e conseguem dominar os números. Seja através de dificuldades do ensino da matéria ou transtornos relacionados com aprendizagem, como a discalculia, muitas crianças com TEA podem precisar de suporte para esse aprendizado.

Por que as pessoas com TEA têm dificuldades em aprender matemática?

É muito importante desconstruirmos esse mito de que toda pessoa autista é superdotada em matemática ou um gênio de alguma forma. Embora certos estudos apontem uma prevalência maior de habilidades matemáticas em pessoas autistas, essa generalização é simplista e não reflete a realidade diversificada do espectro autista.

Cada pessoa é única e por isso, irá apresentar desafios únicos relacionados com seu repertório e necessidade de suporte.

Muitas pessoas com TEA podem ter dificuldades com habilidades de processamento, incluindo processamento visual e auditivo, que são fundamentais para compreender conceitos matemáticos.

Além disso, o TEA pode impactar diretamente na capacidade de generalização, o que significa que algumas pessoas têm dificuldade em aplicar conceitos aprendidos de uma situação para outra. Isso pode dificultar a transferência de habilidades matemáticas de um contexto para outro.

Outro ponto é que algumas pessoas com TEA podem ter barreiras de comunicação, o que pode dificultar a expressão de dúvidas ou dificuldades em relação a conceitos matemáticos. Isso pode levar a uma falta de apoio adequado e compreensão por parte dos educadores.

O que é discalculia?

A discalculia é um transtorno de aprendizagem que dificulta a habilidade de uma pessoa em compreender e lidar com conceitos matemáticos e números.

É uma condição neurológica que dificulta a realização de cálculos matemáticos básicos e a compreensão de conceitos numéricos, mesmo que a pessoa tenha uma inteligência geral típica (sem deficiência intelectual).

Os sintomas dela podem variar, mas geralmente incluem em:

  • Dificuldades em aprender a contar;
  • Identificar números;
  • Compreender conceitos de quantidade e realizar operações matemáticas básicas.

Esse transtorno pode afetar o raciocínio lógico-matemático e causar frustração significativa nas tarefas escolares e na vida diária.

Como auxiliar pessoas autistas no aprendizado?

Apesar dessas dificuldades no aprendizado da matéria, isso não significa que pessoas no espectro não podem aprender matemática durante a vida. Muito pelo contrário, com as intervenções e apoio correto, todo mundo pode aprender e se desenvolver!

Estratégias pedagógicas adaptativas e individualizadas são essenciais para promover o sucesso acadêmico nesse domínio.

  • Abordagens visuais e concretas: muitas crianças autistas são aprendizes visuais e podem se beneficiar de materiais concretos, como blocos de construção, diagramas e gráficos, para compreender conceitos matemáticos abstratos, além de outros suportes visuais como apoio;
  • Rotinas e estrutura: a consistência e a previsibilidade são fundamentais para crianças autistas. Estabelecer rotinas claras e estruturadas durante as aulas de matemática pode ajudar a reduzir a ansiedade e promover a concentração e a aprendizagem.
  • Flexibilidade e paciência: o ritmo de aprendizado pode variar significativamente entre as crianças com TEA. É fundamental demonstrar flexibilidade e paciência, adaptando o currículo e as atividades conforme necessário para atender às necessidades individuais de cada aluno.
  • Incorporação de interesses específicos: muitas crianças autistas têm interesses intensos e específicos. Integrar esses interesses no contexto do ensino de matemática pode aumentar a motivação e o engajamento, tornando a aprendizagem mais significativa.
  • Utilização de tecnologia assistiva: recursos tecnológicos, como aplicativos educacionais e softwares interativos, podem ser ferramentas poderosas para apoiar o aprendizado de matemática para crianças com TEA. Essas tecnologias podem oferecer feedback imediato, personalização do conteúdo e uma abordagem multimodal que atenda às diferentes necessidades de aprendizado.

Conclusão

Podemos entender que a superdotação é algo diferente do hiperfoco no autismo e que nem sempre toda pessoa no espectro demonstrará uma habilidade ou talento excepcional em alguma área, e tudo bem.

A diversidade faz parte da nossa condição como seres humanos, e isso não seria diferente para pessoas atípicas. Cada pessoa no espectro é única e possui um repertório diferente, com necessidades de aprendizado e habilidades distintas.

Embora alguns autistas possam exibir talentos excepcionais nessa área, não é correto generalizar ou assumir que todos os autistas são naturalmente superdotados em matemática.

Entender o perfil específico de cada pessoa, criar abordagens individualizadas e centradas no ensino, reconhecendo suas necessidades únicas e valorizando suas habilidades diversas em um ambiente de aprendizado inclusivo e acessível, é o caminho correto a seguir.

A educação tem um papel fundamental na vida de pessoas autistas e precisamos entender como transformar esse espaço em um ambiente cada vez mais inclusivo. Você pode ler nosso conteúdo sobre Educação inclusiva e continuar aprendendo ainda mais:

Educação inclusiva

Conheça nosso atendimento para autismo

Conteúdos relacionados

Esse artigo foi útil para você?

Dia Nacional do Futebol: inclusão e emoções das pessoas com TEA Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Aprovado Projeto de Lei que obriga SUS aplicar a escala M-CHAT em crianças de 2 anos Dia mundial do Rock: conheça 5 bandas com integrantes autistas Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? Senado: debate público sobre inclusão educacional de pessoas com TEA Emoções no autismo: saiba como as habilidades emocionais funcionam Dia do cinema nacional: conheça a Sessão Azul Por que precisamos do Dia do Orgulho Autista? Conheça o estudo retratos do autismo no Brasil 2023 | Genial Care Dia Mundial do Meio Ambiente: natureza e a interação de crianças TEA Pessoas com TEA tem direito ao Benefício de prestação continuada (BPC)? Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Câmara aprova projeto que visa contratação de pessoas autistas Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin