Genial Care

Pesquisar
Pesquisar
Criação de filhos: família passeia no campo

Práticas parentais positivas na criação de filhos atípicos

A  responsabilidade sentida na criação dos filhos é um grande desafio para qualquer mãe, pai ou pessoa cuidadora. Existem as dificuldades atreladas à nova rotina, às noites de sono mal dormidas e o trabalho cansativo que é suprir as necessidades da criança, desde seu nascimento até o desenvolvimento de sua autonomia com o passar dos anos.

Para cuidadores de crianças no espectro do autismo essa dificuldade frequentemente é ainda maior. Isso vem desde o recebimento do diagnóstico, processo por vezes longo e estressante, até o manejo de potenciais comportamentos desafiadores e a desarticulação dos cuidados necessários.

A seguir, veremos algumas práticas parentais indicadas pela ciência como benéficas para o desenvolvimento infantil e como elas podem impactar no decorrer da vida da criança e na saúde da família. Vamos lá?

Criando filhos com desenvolvimento atípico

Como já abordado no blog anteriormente, pessoas cuidadoras de crianças no espectro tendem a ter uma maior sobrecarga de estresse relacionada a parentalidade, refletindo em maiores índices de estresse parental.

Isso ocorre por motivos diversos, como, por exemplo:

  • Cuidadores de crianças com desenvolvimento atípico investem mais horas diárias no cuidado de seus filhos, se comparados a cuidadores de crianças com desenvolvimento típico;
  • Serviços de saúde desarticulados que fazem com que os pais tenham que passar muito tempo para encontrar profissionais de cada uma das áreas necessárias para o cuidado da criança.

Uma das estratégias levantadas pela ciência como efetiva para lidar com essas dificuldades é o treinamento parental. Esse trabalho é  importante tanto para o suporte das famílias, quanto para a educação a respeito do diagnóstico e, especialmente, para a capacitação dos cuidadores, que permite melhor manejo das dificuldades que podem surgir durante o desenvolvimento da criança.

Pesquisadores e profissionais discutem há anos algumas práticas parentais que facilitam o desenvolvimento saudável de qualquer criança e  outras que, pelo contrário, podem dificultar esse desenvolvimento. Veremos algumas delas a seguir.

Práticas parentais positivas na criação de filhos

É inegável o efeito que as práticas parentais têm no desenvolvimento de qualquer criança. Muitos autores descrevem que a ausência de um ambiente acolhedor e afetuoso está relacionada ao aumento de comportamentos considerados anti sociais, como baixa autorregulação, em crianças.

Além disso, pesquisadores apontam que a forma com que pais e cuidadores agem com a criança afeta o seu desenvolvimento cerebral, suas habilidades sociais e de autocontrole, sua linguagem e sua capacidade de regulação emocional.

O que são práticas parentais positivas?

Diferentes autores nacionais e internacionais pesquisam e descrevem ações que pais e cuidadores praticam que podem beneficiar o desenvolvimento infantil e práticas que podem atrapalhar esse desenvolvimento saudável.

De acordo com Paula Gomide, pesquisadora brasileira, as práticas parentais positivas incluem:

  • monitoria positiva: atenção e distribuição de privilégios;
  • comportamento moral: ensino de empatia, justiça e responsabilidade.

Enquanto as práticas consideradas nocivas são:

  • negligência;
  • ausência de atenção e afeto;
  • inconsistência nas regras e punições.

Outras duas autoras brasileiras, Alessandra Bolsoni-Silva e Sônia Loureiro, propõem uma segunda categorização de práticas educacionais positivas:

  • comunicação: conversar/perguntar;
  • expressão de sentimentos e enfrentamento: expressão de sentimentos negativos e positivos, opiniões, carinho;
  • estabelecimento de limites: estabelecer regras, ser consistente, concordância entre os pais/cuidadores primários, comprimir promessas, identificar erros e pedir desculpas

Independente das diferenças entre classificações propostas, é possível identificar fatores comuns apresentados como benéficos, dentre eles ressaltam-se:

  • ambiente acolhedor, afetuoso;
  • diálogo: conversar, demonstrar interesse;
  • expressão de sentimentos negativos e positivos;
  • consequências adequadas para os comportamentos habilidosos e não habilidosos;
  • consistência nos limites, regras e nas punições.

Essas práticas para a criação de filhos foram descritas a partir de estudos realizados com crianças com desenvolvimento típico com comportamentos considerados desafiadores. Mas o quanto elas beneficiam o desenvolvimento de crianças atípicas? A seguir entraremos neste tópico.

Como essas práticas podem ajudar na criação de filhos atípicos?

Um estudo intitulado Positive Parenting of children with developmental disabilities: A meta-analysis (Parentalidade positiva de crianças com deficiências de desenvolvimento: Uma metanálise) foi realizado visando sistematizar a literatura científica sobre práticas parentais positivas e seus efeitos na criação de crianças com desenvolvimento atípico.

A primeira coisa que os autores levantam é a escassez de estudos direcionados à parentalidade positiva atípica (os poucos que existem focam apenas em mães), enquanto há um grande número de pesquisas que focam nessas práticas com crianças com desenvolvimento típico.

Após fazerem as análises entre os estudos, os pesquisadores perceberam que, aparentemente, não há diferenças significativas entre os efeitos das práticas parentais positivas em crianças com desenvolvimento típico e atípico. Inclusive, foi possível perceber que não há diferença do efeito dessas práticas também entre tipos diferentes de deficiência (TEA x síndrome de down).

Sendo assim, as mesmas práticas que favorecem o desenvolvimento de crianças típicas, tendem a favorecer crianças atípicas e, segundo os autores, podem beneficiar especialmente crianças com TEA, que apresentam prejuízos sociais.

4 práticas parentais positivas para criar crianças com TEA

Com base nas referências apresentadas no texto, foram resumidos quatro âmbitos relevantes quando falamos em práticas parentais positivas para crianças no espectro:

  • atenção: demonstrar interesse, conversar, perguntar, acolher, dar carinho, brincar;
  • expressão de sentimentos: positivos, negativos e opiniões;
  • consequências adequadas: consequências que aumentem a probabilidade de que comportamentos habilidosos voltem a ocorrer;
  • consistência: concordância entre pais/cuidadores quanto às regras e combinados; e quais são as consequências dadas ao cumprimento ou não das mesmas.

O treinamento parental é uma boa forma de treinar esses comportamentos em pais e cuidadores, por isso deve fazer parte de intervenções focadas no TEA. Se quiser saber mais sobre isso leia nossos textos do blog sobre: treinamento parental; o impacto do bem-estar nos pais no desenvolvimento da criança no espectro e sobre intervenções efetivas para o autismo.

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul Meu filho foi diagnosticado com autismo, e agora? Conheça a Sessão Azul: cinema com salas adaptadas para autistas Síndrome sensorial: conheça o transtorno de Bless, filho de Bruno Gagliasso Escala M-CHAT: saiba como funciona! Déficit na percepção visual: Como a terapia ocupacional pode ajudar? 3 aplicativos que auxiliam na rotina de crianças autistas 3 Animações que possuem personagens autistas | Férias Geniais Conheça os principais tratamentos para pessoas no espectro autista Diagnóstico de autismo do meu filho. O que preciso fazer? Quais os principais sinais de que meu filho tem autismo? Diagnóstico de autismo: quais os próximos passos. Veja 5 dicas Estereotipias: o que são e quais as principais em pessoas autistas Graus de autismo: Conheça quais são e como identificá-los