Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
Capa com rosto de mulher autista. Psicologa Myrian Letícia.

Dia Internacional das Mulheres: Como é ser uma mulher autista?

No dia 8 de março, celebramos o Dia Internacional das Mulheres, uma data que nos convida a refletir não apenas sobre as conquistas e desafios, mas também sobre as diversas perspectivas femininas, como a de ser uma mulher autista.

Infelizmente, ainda existe uma falta de informações verdadeiras e até mesmo dúvidas sobre autismo, quando falamos de mulheres no espectro, esse assunto é ainda mais negligenciado.

Até hoje a relação entre as mulheres e o diagnóstico de autismo é uma questão complexa e frequentemente subestimada, principalmente, pois muitas pessoas acreditavam que era mais difícil diagnosticar autismo em meninas.

Já vimos que essa não é uma afirmação totalmente verdadeira e que muito desse mito tem relação com a camuflagem social e os estereótipos relacionados ao transtorno, geralmente ligados a homens.

Para entendermos mais sobre essa visão, convidamos Myriam Letícia, uma mulher autista, grau 1 de suporte, para contar sobre sua perspectiva de mulher no espectro e ampliar os espaços de discussões sobre as várias camadas do mês da mulher.

Myrian Letícia, muher autista.

Como é ser uma mulher autista?

Ser uma mulher autista pode ser uma experiência singular e desafiadora. Quando falamos de neurodiversidade, vemos ainda mais diferenças e desigualdades sobre os diferentes gêneros.

A começar pela cor azul, que ainda é tida como tonalidade para representar o TEA, e que já foi questionada por ser algo ligado a ampla prevalência do sexo masculino entre os diagnósticos.

Mulheres com autismo muitas vezes enfrentam dificuldades em serem compreendidas e diagnosticadas precocemente, devido à camuflagem social, um fenômeno no qual elas aprendem a imitar comportamentos sociais considerados “padronizados”, mascarando assim os sintomas do autismo.

Os sintomas relacionados ao autismo na infância ou adolescência, principalmente no gênero feminino, são geralmente explicados como sendo algumas coisas ligadas ao que se espera da caricatura do gênero, para Myriam não foi diferente.

“O hiperfoco e outros comportamentos repetitivos e restritos, eram sinal de inteligência, já que os assuntos não pareciam tão estranhos” a dificuldade de socialização e de comunicação, eram vistas como timidez, o que para uma menina do interior num contexto bastante religioso, era considerado até mesmo uma “virtude”.

Ela conta que esses estereótipos de gênero acabaram contribuindo para que sinais do autismo passassem em branco em sua infância e adolescência. Já na fase adulta, essas questões foram se acumulando, com crises de ansiedade e depressão.

Isso também não parecia incomum para uma mulher, que muitas vezes, do ponto de vista do estereótipo do gênero, é vista como mais sensível, emotiva e instável, pontua ela.

A ligação entre uma mulher autista e a camuflagem social

Quando falamos em camuflagem social estamos falando de um conjunto de estratégias usadas para esconder comportamentos comuns em pessoas autistas. Ou seja, o objetivo dessa camuflagem é fazer com que a pessoa se adapte ao ambiente, agindo de acordo com as normas e expectativas sociais.

Pesquisadores afirmam que, por mulheres serem mais expostas em situações sociais e forçadas a se comportar de forma “adequada” desde muito cedo, muitas das características do TEA acabam sendo ocultadas nesse processo.

Myriam conta que cresceu realmente tentando se “adaptar” socialmente, o que causava grande exaustão e sofrimento mental.

“O não saber como agir ou como me comunicar em determinadas situações, e mesmo assim, me ver impelida a performar uma socialização e comunicação que correspondesse às expectativas que se tem sobre o gênero feminino na sociedade nesse sentido, foi uma grande causa de exaustões, depressões e crises sensoriais e de ansiedade, que só fui descobrir e entender muitos anos depois, já adulta, com o diagnóstico tardio”.

A camuflagem também era uma forma dela se sentir menos “estranha” e mais aceita socialmente, o que também está diretamente ligado às questões do gênero, pois a pressão de querer ser aceita, de querer agradar, principalmente aos homens, é muito passada para mulheres, conta ela.

Para as mulheres o diagnóstico de autismo é ainda mais complexo

Mulheres com autismo muitas vezes enfrentam dificuldades em serem compreendidas e diagnosticadas precocemente, devido à camuflagem social, um fenômeno no qual elas aprendem a imitar comportamentos sociais considerados “normais”, mascarando assim os sintomas do autismo.

Myriam conta que “antes do diagnóstico de mulher autista, passou muitos anos entre várias crises de depressão, ansiedade, sensoriais, sem entender direito tudo que acontecia com ela, tomando vários remédios diferentes, e tendo prejuízos nas áreas pessoal, profissional e de saúde física e mental”.

É comum que as meninas não se ajustem aos estereótipos típicos associados ao transtorno do espectro autista e, consequentemente, apresentem sintomas mais camuflados em comparação aos meninos.

Esse fenômeno é particularmente evidente no aspecto do comportamento social, que desempenha um papel fundamental na identificação do TEA.

Devido às normas sociais estabelecidas, as meninas tendem a disfarçar mais suas dificuldades em relação aos meninos, muitas vezes imitando comportamentos considerados padronizados para sua faixa etária.

Esse comportamento de camuflagem social é muitas vezes motivado pela busca de aceitação social e pela pressão para se encaixar nos padrões sociais estabelecidos.

Para Myriam o diagnóstico foi fundamental na melhoria da qualidade de vida, conhecimento de limites e potenciais, medicações adequadas, e também suporte terapêutico adequado.

“Faço terapia desde então e obtive grande salto em comunicação e socialização, autorregulação, além de autoconhecimento e autoaceitação”.

Muitas mulheres autistas ainda têm dificuldade de encontrar uma rede de cuidado e atendimento para seus diagnósticos, principalmente por receberem esse diagnóstico tardio.

Myriam acredita que ter acessado um diagnóstico mais precocemente poderia ter evitado muitas das crises e prejuízos sociais, além de que poderia ter ajudado a se conhecer, entender e desenvolver muito antes.

“De toda forma, ainda assim, é muito importante que esses diagnósticos tardios estejam sendo feitos agora, pois eu acredito que sempre é tempo e nunca é tarde para a gente reescrever nossa história”.

Quase a totalidade da rede de cuidado e atendimento para autistas é formada por mulheres

Além disso, é fundamental reconhecer o papel feminino no cuidado e apoio a mulheres autistas, já que profissionais de desenvolvimento para pessoas com TEA são majoritariamente mulheres.

Segundo dados do IBGE de 200, equipes de várias especialidades, incluindo psicologia, neuropediatria, fonoaudiologia, terapia ocupacional, fisioterapia, pedagogia e outros, são predominantemente ocupadas por mulheres.

Esse é um dado reforçado pela OMS em 2019, que depois de fazer um levantamento em 104 países, concluiu que as mulheres representam 70% dos trabalhadores do setor de saúde e social.

Assim, desde profissionais de saúde e educadores até terapeutas e cuidadores familiares, as mulheres constituem uma parte significativa da rede de apoio para pessoas autistas.

No entanto, é essencial que essa responsabilidade não recaia exclusivamente sobre elas, e que haja um reconhecimento e suporte adequados para seu trabalho vital.

Conclusão

À medida que celebramos o Dia Internacional da Mulher, é fundamental reconhecer as experiências das mulheres em todas as suas formas, incluindo mulheres autistas que podem ter necessidades e percepções diferentes.

É importante que exista um aumento da conscientização sobre as nuances do autismo em mulheres, promover uma maior compreensão e aceitação, além de apoio especializado, com profissionais de saúde para que todas consigam desenvolver suas habilidades.

À medida que continuamos a avançar, é essencial que ouçamos e valorizemos as vozes das mulheres com autismo, aprendendo com suas experiências e trabalhando juntos para criar um mundo mais inclusivo e compassivo para todos.

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” Divulgação estudo Genial Care O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi 10 anos da Lei Berenice Piana: veja os avanços que ela proporcionou 7 passos para fazer o relatório descritivo da criança com autismo Diagnóstico tardio de autismo: conheça a caso do cantor Vitor Fadul Meu filho foi diagnosticado com autismo, e agora? Conheça a Sessão Azul: cinema com salas adaptadas para autistas Síndrome sensorial: conheça o transtorno de Bless, filho de Bruno Gagliasso