Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
Mãe mostrando histórias sociais para filho.

O que são histórias sociais e como usá-las com crianças com TEA?

Você já ouviu falar em histórias sociais no autismo? Também conhecidas como histórias narrativas, elas são uma ferramenta bastante utilizada por profissionais clínicos e famílias para tornar experiências menos desafiadoras e ajudar a criança a ter contexto e adquirir habilidades.

Isso porque, prejuízos na compreensão e no uso da linguagem para comunicação social podem estar associadas ao TEA, Com isso, a capacidade de interagir socialmente em diversas situações do cotidiano muitas vezes é impactada.

Dessa forma, podem acontecer dificuldades de iniciar interações sociais, em compartilhar emoções, pensamentos e ideias, além de dificuldades em compreender o outro e responder a regras sociais de forma adequada.

Considerando que a comunicação é multimodal, ou seja, ela acontece de diversas maneiras, as histórias sociais podem ser importantes recursos para apoiar a comunicação e a compreensão de pessoas com TEA, para que a mensagem que quer ser passada seja entendida por eles.

Neste texto, vamos juntos entender como isso acontece e como podemos usar as histórias sociais de forma eficiente na rotina e processo comunicativo de pessoas autistas. Confira!

O que são histórias sociais?

Criadas em 1991 por Carol Gray, as histórias sociais são descrições curtas e específicas de situações sociais, escritas com o objetivo de fornecer informações precisas e compreensíveis para crianças com TEA.

Essas histórias ajudam as crianças a entenderem como se comportar em determinadas situações, o que esperar dos outros, como responder e saber o que está por vir. Dessa forma, elas conseguem fornecer informações sobre as situações que vão acontecer, aumentando a previsibilidade e diminuindo possíveis crises em ambientes novos.

De forma resumida, elas têm como objetivo aquisição de novas habilidades, previsibilidade e manejo de comportamento desafiador.

Elas podem fornecer informações sobre o que as pessoas, em uma determinada situação, fazem ou sentem, e também fornece informações sobre a sequência dos eventos, possíveis pistas sociais e seus significados e a descrição do que fazer ou dizer em determinados contextos.

Entre os principais usos de histórias sociais para crianças autistas, temos:

  • Orientação sobre como ela pode se comportar em determinadas situações;
  • Ajuda para lidar melhor com mudanças e imprevistos na rotina;
  • Desenvolvimento de habilidades e atividades da vida diária.

Essas histórias narrativas ajudam a criar um entendimento sobre uma situação desconhecida ou confusa, apresentando informações de maneira literal. Além disso, também possibilitam que essas informações sejam adaptadas conforme a necessidade de cada criança.

Exemplos bastante comuns e usados de histórias sociais para crianças com TEA são a narrativa de “Como cortar o cabelo” ou “Como funciona a hora do lanche”. Com desenhos e etapas que ajudam ela a entender cada ação desse momento.

A importância das histórias sociais na intervenção de pessoas com TEA

De acordo com o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, 5ª edição (DSM-5)), publicado pela Associação Americana de Psiquiatria, o Transtorno do Espectro Autista (TEA) é classificado como um transtorno do neurodesenvolvimento caracterizado por dificuldades de interação social, comunicação e comportamentos repetitivos e restritos.

Os prejuízos na comunicação e na interação social no TEA podem ser persistentes e possuírem manifestações variadas, assim como déficits de linguagem receptiva e expressiva.

E mesmo quando habilidades linguísticas formais (por exemplo, vocabulário e gramática) estão adequadas, o uso da linguagem para comunicação social pode estar prejudicado.

Com isso, a capacidade de interagir socialmente em diversas situações do cotidiano muitas vezes pode estar prejudicada, acarretando dificuldades de iniciar interações sociais e de compartilhar emoções, pensamentos e ideias, além de dificuldades em compreender o outro e responder a regras sociais de forma adequada.

Nestes casos, os suportes visuais, incluindo a história narrativa, vai além do apoio à linguagem receptiva e expressiva, e pode também ser apoio às funções executivas como memória, planejamento, organização temporal, flexibilização cognitiva. E por isso podem ser utilizadas no ensino de habilidades sociais.

A história social é uma ferramenta valiosa para ajudar as pessoas a enfrentarem situações novas e difíceis para elas.

Quando falamos em pessoas autistas, esse instrumento tem diferentes usos, e no geral são para:

  • Dar previsibilidade sobre um evento que vai acontecer;
  • Antecipar como outras pessoas podem reagir;
  • Antecipar sons e estímulos visuais que podem estar presentes;
  • Diminuir a ansiedade social diante de uma situação.

Como criar histórias sociais para crianças autistas?

Para começar a criar uma história social, primeiro, é muito importante entender qual objetivo dela e quais são as informações que precisam ser passadas para a criança. Um bom começo é separar as seguintes informações:

  • Qual será o local que a situação vai acontecer?
  • Quem vai estar presente?
  • Como essa situação começa e termina?
  • Quanto tempo ela vai durar?
  • O que vai acontecer?
  • Por que ela vai acontecer?

Para criar histórias sociais adequadas, é fundamental que o conteúdo esteja de acordo com o repertório e nível de compreensão da criança. Por isso, o vocabulário utilizado precisa ser preciso e objetivo. É muito importante evitar palavras que causam ansiedade ou desconforto.

O formato da história deve ser feito sob medida para as habilidades daquela pessoa, focando na atenção, estilo de aprendizagem e interesses. Podem ser usadas figuras, fotografias, objetos e até mesmo outros recursos visuais para facilitar o entendimento.

Dicas de como utilizar a história social na prática clínica

Ao identificar uma situação desafiadora, o terapeuta ou pessoa cuidadora pode produzir uma história (impressa ou via aplicativos), contendo objetos, vídeos, figuras ou fotografias com descrições de interações sociais que precisam ser treinadas ou, então, um evento novo ou até mesmo um evento aversivo para a criança.

Pensando em exemplos práticos, vamos falar de uma história social feita para o treino do uso do banheiro — ensino de uma nova habilidade.

Neste caso, o terapeuta poderá explicar para a criança a importância de fazer xixi e cocô no banheiro, dar detalhes de como ela deve fazer isso e mostrar a ela todas as etapas do processo, por exemplo, por meio de uma história impressa ou até mesmo de um vídeo.

Ou no caso de um contexto em que é necessário dar previsibilidade e manejar um comportamento desafiador para uma situação aversiva, por exemplo, durante um exame de sangue.

Os pais podem começar explicando a ela o porquê é necessário tirar sangue e dar detalhes de como será o procedimento, detalhes de todas as etapas e pessoas envolvidas, onde será e quanto tempo vai durar, e o que fazer, por exemplo, neste caso, se a criança ficar com medo ou assustada.

Os cuidadores podem, inclusive, dizer à criança como ela será reforçada após “enfrentar” o procedimento.

Ao planejar uma história social, fique atento às seguintes etapas:

  • Identifique a habilidade social que precisa ser treinada, um evento novo ou um evento que pode ser aversivo para a criança;
  • Crie uma história social individualizada e adaptada ao contexto da criança/família;
  • Apresente a história social para a criança na terapia, lendo e apontando para as figuras e garanta que a criança esteja engajada e atenta;
  • Use linguagem simples e sempre no tempo verbal presente, divida a história em pequenas etapas e detalhe o máximo possível;
  • Oriente os cuidadores a como utilizar este recurso em casa, ou antes da situação a ser treinada.

Conclusão

As histórias sociais podem ser usadas para treinar situações sociais como iniciar interação com um colega, seguir regras de um lugar, usada para atividades de vida diária, desafios dos adolescentes (namoro, puberdade, entrevista de emprego) dentre outras situações.

O terapeuta deve apresentar a história social para a criança na terapia e orientar os pais a como usar em casa, pois é indicado retomar a história imediatamente antes de a criança vivenciar a situação desafiadora.

Pois além de dar previsibilidade, e apoiar a compreensão, as histórias sociais também podem ser utilizadas como uma estratégia preventiva de possíveis comportamentos desafiadores, pois ajudam a criança a compreender o que está acontecendo, utilizando outras formas de comunicação além da fala.

E atenção, ao narrar uma história social para a criança, garanta que ela esteja atenta e engajada, use uma linguagem acessível e de acordo com o seu nível de compreensão. Ao utilizá-la para situações aversivas é importante evitar o uso de palavras que possam causar medo ou ansiedade, mantenha sempre um tom positivo.

O objetivo é oferecer conforto e familiaridade. Por isso, as interações e a linguagem precisam deixar a criança segura. Notou como este recurso é importante e necessário para a nossa prática? Espero que sim!

Aqui em nosso blog já temos vários outros conteúdos que ajudam a garantir habilidades comunicativas para crianças com TEA, acesse e continue aprendendo:

Conteúdos sobre habilidades comunicativas

Conheça nosso atendimento para autismo

Conteúdos relacionados

Esse artigo foi útil para você?

Dia Nacional do Futebol: inclusão e emoções das pessoas com TEA Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Aprovado Projeto de Lei que obriga SUS aplicar a escala M-CHAT em crianças de 2 anos Dia mundial do Rock: conheça 5 bandas com integrantes autistas Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? Senado: debate público sobre inclusão educacional de pessoas com TEA Emoções no autismo: saiba como as habilidades emocionais funcionam Dia do cinema nacional: conheça a Sessão Azul Por que precisamos do Dia do Orgulho Autista? Conheça o estudo retratos do autismo no Brasil 2023 | Genial Care Dia Mundial do Meio Ambiente: natureza e a interação de crianças TEA Pessoas com TEA tem direito ao Benefício de prestação continuada (BPC)? Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Câmara aprova projeto que visa contratação de pessoas autistas Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin