Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
Menina sorrindo brincando em balanço.

Autism Friendly: entenda o que é e como espaços assim auxiliam no envolvimento social

A jornada de inclusão do autismo na sociedade deve começar, antes de tudo, pela compreensão e aceitação das diferenças individuais. Cada pessoa é única, assim como cada pessoa no espectro também interage com o mundo de forma singular.

Imaginar um mundo onde todos se sintam verdadeiramente incluídos, é um objetivo fundamental promovido por espaços considerados autism friendly, onde a inclusão não é apenas uma palavra, mas uma realidade vivida e praticada por todos.

Nesse texto, falaremos mais sobre esses espaços e como eles impactam no desenvolvimento e bem-estar da pessoa autista.

O que é autismo?

O autismo, conhecido como Transtorno do Espectro do Autismo (TEA), é um transtorno de neurodesenvolvimento caracterizado pela dificuldade de interação e comunicação com o mundo. Envolve dificuldades em aspectos sociais, comunicação e controle emocional, sendo visíveis desde a infância.

Pessoas com TEA têm diferentes níveis de necessidades de apoio. Alguns conseguem realizar atividades cotidianas sem ajuda, enquanto outros precisam de suporte para tarefas básicas, como higiene pessoal e alimentação.

Para falar de autismo e inclusão, é preciso ouvir pessoas autistas e pessoas cuidadoras, por isso, recentemente a Genial Care lançou uma pesquisa em parceria com a Timoos.me, para entender a realidade de cada um e buscar ainda mais pela inclusão da diversidade.

O estudo “Retratos do Autismo no Brasil em 2023” foi realizado entre 01 e 30 de setembro com o objetivo de colher dados relevantes sobre as pessoas autistas e suas famílias. Aqui, apresentamos os resultados finais do estudo que obteve 2.247 respostas no total. Pesquisa estatisticamente válida com margem de erro de 3%.

O que significa Autism Friendly?

Menino em um ambiente Autism Friendly. Ele brinca ao chão com brinquedos coloridos.

Quando falamos em “autism friendly”, nos referimos a um ambiente ou espaço que é acolhedor, compreensivo e adaptado para as necessidades das pessoas autistas. Essa abordagem busca criar experiências inclusivas e garantir que todos se sintam confortáveis e incluídos, promovendo o envolvimento social e a participação plena.

O autismo é um transtorno de desenvolvimento que transforma a maneira como uma pessoa percebe o mundo ao seu redor e interage com ele. Algumas pessoas podem ser sensíveis a estímulos sensoriais, ter dificuldades na comunicação ou preferir rotinas específicas.

É aí que entra a importância de espaços Autism Friendly!

Importância de um ambiente Autism Friendly para inclusão

A verdadeira essência dos ambientes autism friendly vão além de simples ajustes físicos, embora esses sejam importantes.

Envolve também a sensibilização e o treinamento de pessoas e equipes para compreenderem as singularidades do espectro autista. É sobre criar uma cultura de aceitação e respeito mútuo, onde a diversidade não é apenas tolerada, mas celebrada.

Imagine um espaço onde o ruído é controlado, onde as luzes não são excessivamente intensas e onde há áreas tranquilas para quem precisa de um momento de descanso. Esse tipo de adaptação faz toda a diferença para pessoas autistas, possibilitando que participem ativamente de situações que, de outra forma, poderiam ser desconfortáveis.

Além disso, um ambiente autism friendly não apenas beneficia aqueles no espectro, mas também enriquece a experiência de todos os frequentadores. Ao promover a compreensão e a empatia, esses espaços nos convidam a enxergar a diversidade como uma força, não como uma barreira.

A inclusão genuína não se trata apenas de garantir o acesso físico, mas também emocional e social. É sobre criar oportunidades para que todos possam contribuir com suas habilidades únicas, sem se sentirem excluídos ou deslocados.

Portanto, a importância de ambientes autism friendly na busca pela inclusão não pode ser subestimada. Esses espaços têm o compromisso de construir uma sociedade mais justa, onde todos têm o direito de pertencer, independentemente de suas características individuais.

Benefícios da criação de ambientes e experiências inclusivas

A busca por ambientes e experiências inclusivas não é apenas uma ação de boa vontade, mas uma transformação essencial para uma sociedade mais conectada e acolhedora.

Os benefícios que surgem desses espaços vão além da simples acessibilidade. Eles englobam aspectos emocionais, sociais e até mesmo econômicos, como por exemplo:

Diversidade enriquecida

Ambientes inclusivos celebram as diferenças e a diversidade de perspectivas. Essa riqueza de experiências e visões de mundo cria um caldeirão de criatividade e inovação.

Aceitação e empatia

Ao interagir em ambientes inclusivos, as pessoas têm a oportunidade de entender e apreciar as experiências alheias. Isso promove uma cultura de aceitação e empatia, construindo pontes entre diferentes grupos sociais.

Bem-estar emocional

Ambientes inclusivos proporcionam um senso de pertencimento e segurança emocional. Todos se sentem valorizados e respeitados, o que contribui para um ambiente mais acolhedor e positivo.

Aprendizado contínuo

Ao interagir com pessoas de origens e habilidades diversas, todos têm a chance de aprender uns com os outros. Isso amplia os horizontes e estimula um crescimento pessoal e coletivo constante.

Desenvolvimento social

Esses ambientes oferecem oportunidades para o desenvolvimento de habilidades sociais e de comunicação. Para indivíduos no espectro autista, por exemplo, isso pode representar um ambiente onde se sintam mais confortáveis para interagir e se expressar.

Inclusão econômica e comunitária

A inclusão vai além do âmbito social, impactando também a economia e a comunidade. Empresas e organizações que adotam práticas inclusivas muitas vezes prosperam, alcançando uma base de consumidores mais ampla e leal.

Estímulo da inovação

A diversidade de pensamento e experiências em ambientes inclusivos alimenta a criatividade e a resolução de problemas de maneiras que a homogeneidade não poderia alcançar.

Construção de uma sociedade igualitária

Ao priorizar a inclusão, estamos contribuindo para a construção de uma sociedade mais justa, onde todos têm a oportunidade de participar e contribuir de acordo com suas habilidades individuais.

Esses benefícios destacam a importância de criar ambientes e experiências inclusivas. Eles não apenas promovem uma sociedade mais justa, mas também fortalece a vida de todos os envolvidos, tornando o mundo um lugar melhor para se viver.

Exemplos de ambientes que podem se tornar amigáveis para pessoas autistas

Tornar os ambientes mais acolhedores para pessoas no espectro autista é um passo significativo em direção à inclusão.

Pequenas adaptações podem fazer uma grande diferença, tornando locais como cinemas, shows, meios de transporte e instituições educacionais mais acessíveis e confortáveis para todos.

Vamos explorar exemplos de como esses espaços podem ser adaptados para atender às necessidades das pessoas autistas, proporcionando experiências mais inclusivas e positivas.

Cinema

  • Sessões sensoriais: oferecer sessões especiais com luzes mais suaves, volume reduzido e a permissão de movimento durante o filme pode tornar a experiência do cinema mais confortável para pessoas autistas.
  • Espaços de descanso: disponibilizar áreas de descanso ou oferecer intervalos durante o filme pode ajudar aqueles que precisam de pausas sensoriais.

Um exemplo de autism friendly envolvendo o cinema é a Sessão Azul, onde todas as sessões de filme são adaptadas com sons mais baixos e luz acessa, para que as crianças com distúrbio sensorial se sintam mais confortáveis durante todo o filme.

Shows

  • Zonas calmas: com áreas mais tranquilas e menos lotadas para pessoas que precisam de um espaço mais silencioso durante o evento.
  • Informações claras: disponibilizar informações detalhadas sobre o evento com antecedência, incluindo o tipo de iluminação, volume do som e a duração do espetáculo, pode ajudar na preparação.

O show da banda Coldplay é um exemplo de experiência exclusiva para pessoas autistas, pois reservam um espaço para Pessoas Com Deficiência (PCDs), garantindo que eles tenham uma visão privilegiada do palco e possam desfrutar do show com segurança e conforto.

Mobilidade urbana (meios de transporte)

  • Sinalização clara: tornar a sinalização nos transportes mais simples e direta pode ser útil para pessoas autistas.
  • Assentos reservados: dispor de assentos reservados ou áreas específicas nos transportes públicos para pessoas com necessidades sensoriais.

Um exemplo de inclusão, é também o desconto de 80% em passagens áreas para acompanhantes de pessoas autistas, iniciativa da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), que surgiu como forma de promover a inclusão e facilitar a vida das pessoas com autismo, para tornar as viagens de avião mais acessíveis e confortáveis para todos.

Com isso, os acompanhantes de pessoas autistas têm direito a 80% de desconto em passagens aéreas.

Educação

  • Ambientes calmos: oferecer salas de aula mais silenciosas ou espaços designados para momentos de descanso pode ajudar alunos autistas.
  • Comunicação eficaz: garantir comunicação clara e direta entre educadores e alunos, além de fornecer informações prévias sobre mudanças na rotina escolar

Adaptar esses ambientes de educação para atender às necessidades das pessoas no espectro autista envolve não apenas ajustes físicos, mas também a sensibilização e a compreensão por parte dos responsáveis por esses espaços.

Essas mudanças podem fazer uma grande diferença, garantindo que todos tenham a oportunidade de desfrutar de experiências sem se sentirem sobrecarregados ou excluídos.

Tecnologias e estratégias que tornam ambientes mais acessíveis

Existem várias estratégias e tecnologias que podem ser implementadas para tornar os ambientes mais acessíveis para pessoas autistas. Isso inclui o uso de aplicativos e tecnologias assistivas, como aplicativos de comunicação e organização que oferecem suporte visual e sistemas de comunicação alternativa.

Além disso, a realidade virtual e aumentada são usadas para simular ambientes e situações, ajudando a reduzir a ansiedade em relação a novos locais ou experiências.

Adaptações no design e na iluminação dos espaços também desempenham um papel fundamental. A utilização de iluminação suave, cores neutras e a minimização de padrões visuais intensos pode criar ambientes mais confortáveis para pessoas com sensibilidades sensoriais.

Além disso, ferramentas de treinamento e sensibilização são fundamentais para capacitar profissionais a compreender e interagir melhor com pessoas autistas, ensinando estratégias de comunicação e manejo de situações específicas.

Sistemas de comunicação alternativa e aumentativa, como tablets com aplicativos especializados, pranchas de comunicação visual e dispositivos de fala, são recursos valiosos para pessoas com dificuldades verbais.

A combinação e adaptação dessas tecnologias e estratégias são fundamentais para criar ambientes mais inclusivos, visando proporcionar oportunidades equitativas e garantir que todos se sintam confortáveis e capazes de participar plenamente da sociedade.

Conclusão

Os espaços autism friendly são mais do que adaptações físicas; eles representam um convite à compreensão e ao respeito mútuo. Ao criar ambientes acolhedores e adaptados, esses lugares não só beneficiam pessoas autistas, mas enriquecem a vida de todos.

Promover uma visão onde a diversidade é celebrada, impulsionando uma sociedade mais justa e acolhedora para cada indivíduo, independentemente das diferenças é fundamental para o bem-estar de pessoas autistas, suas famílias e todos ao seu redor.

Quer saber mais sobre inclusão e os direitos de pessoas autistas? Clique no botão abaixo para conferir nosso vídeo do YouTube sobre o assunto:

Direitos e Benefícios Sociais de pessoas autistas

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Por que precisamos do Dia do Orgulho Autista? Conheça o estudo retratos do autismo no Brasil 2023 | Genial Care Dia Mundial do Meio Ambiente: natureza e a interação de crianças TEA Pessoas com TEA tem direito ao Benefício de prestação continuada (BPC)? Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Câmara aprova projeto que visa contratação de pessoas autistas Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi