Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
Terapeuta observando motivação da criança

Como usar a motivação da criança nas intervenções?

As intervenções focadas na aquisição de habilidades são muito importantes para crianças com atrasos no desenvolvimento, já que é através delas que os repertórios deficitários podem evoluir, construindo o caminho para uma vivência plena do cotidiano.

Entretanto, para que um repertório possa ser desenvolvido na terapia, é necessário que o terapeuta conheça a motivação da criança e possa utilizá-la a favor desse desenvolvimento.

Nesse texto, vamos discutir alguns passos e atitudes que podem ajudar o terapeuta a utilizar a motivação da criança como uma alavanca para o desenvolvimento, garantindo a aquisição de repertórios importantes. Continue lendo para aprender!

O que é motivação na terapia?

A motivação é uma “força” que impulsiona a pessoa a agir. Nós a reconhecemos como um “estado”, mas é importante saber que nos sentimos motivados a depender de fatores externos, como recompensas e reconhecimento.

Quando falamos sobre a motivação da criança durante as intervenções terapêuticas e educativas, estamos pensando em como podemos garantir o engajamento nas atividades, fazendo com que consiga alcançar os objetivos propostos.

Crianças motivadas tendem a se envolver mais ativamente nas atividades, aprender com mais eficácia e apresentar maiores progressos. Por isso, no espaço clínico, os profissionais devem ser capazes de garantir a motivação da criança, para que, assim, ela consiga desenvolver as habilidades almejadas.

Por onde começar a entender a motivação da criança?

Crianças motivadas são mais propensas a se engajar nas atividades propostas, mantendo o foco e a atenção por períodos mais longos. Além disso, a motivação aumenta a disposição da criança para aprender e experimentar novas habilidades.

Conheça os interesses da criança

Menino aponta para brincando e sorri.

O primeiro passo para o sucesso de uma intervenção é conhecer a motivação da criança: o que ela gosta de fazer quando está sozinha? Que tipo de brincadeiras faz com pares? E com adultos? Existem temas de interesse especial?

Para responder a essas e outras perguntas, o terapeuta tem duas principais ferramentas: a entrevista e a observação.

A entrevista, enquanto processo indireto de coleta de dados, reúne informações importantes sobre a criança através do relato dos familiares, cuidadores, professores, entre outros.

Para descobrir mais sobre a motivação da criança através da entrevista, o profissional deve questionar sobre suas atividades e preferências.

Já a observação, como forma direta de coleta de dados, se constitui em atentar-se ao comportamento da criança durante a interação.

A fim de saber mais sobre a motivação da criança durante as observações, o terapeuta deve estar atento àquilo que mobiliza a criança, despertando seu interesse e engajamento.

Teste a motivação da criança

Terapia comprovando a motivação da criança em brincar com blocos de montar

Depois de coletar os dados, é importante que o profissional seja capaz de fazer hipóteses sobre a motivação da criança e testá-las.

Se, durante a avaliação, o terapeuta hipotetiza que a criança se interessa por brinquedos de encaixe, ele deve apresentar diversos tipos de brinquedos de encaixe para a criança.

Além disso, ele deve atentar-se a como a criança responde àquilo que ele apresenta. Para isso, pode ser útil considerar alguns sinais de engajamento e motivação:

  • Olhar para o item ou atividade
  • Mover-se em direção ao item ou atividade
  • Manipular o item
  • Engajar-se na atividade, ainda que não consiga realizá-la de forma perfeita
  • Solicitar o item ou atividade, seja de forma vocal, através de gestos comunicativos ou comunicação alternativa

E como posso utilizar a motivação da criança na intervenção?

Após conhecer os itens e atividades que motivam a criança, o terapeuta deve usar desse conhecimento para planejar e implementar a sua sessão. Ele deve se atentar a algumas práticas importantes:

Apresente atividades com características preferidas pela criança

Ao utilizar da motivação da criança no planejamento das atividades, o terapeuta garante engajamento e, assim, favorece o aprendizado.

Pense só: se você sabe que a criança gosta de instrumentos musicais, não seria o ideal ensinar contagem através de músicas? Da mesma forma, se uma criança tem preferência por carrinhos, não parece ideal ensiná-la o repertório de seguir instruções, iniciando por aquelas relacionadas ao carrinho, como empurrar, puxar ou girar?

Apresente consequências preferidas pela criança depois de atividades

Após a finalização de uma atividade difícil, o terapeuta pode (e deve) apresentar brincadeiras e itens preferidos pela criança.

Você pode imaginar isso pensando em uma criança que faz uma atividade de ligar os pontos e, ao terminar, pode brincar com a massinha de modelar, que é um item de preferência.

Mescle atividades mais preferidas e menos preferidas

Quando o terapeuta descobre algo de alta preferência para a criança, é comum que ele deixe que a criança manipule e brinque com o item por bastante tempo.

Entretanto, já sabemos que a motivação comumente diminui conforme o tempo que se tem acesso ao item ou atividade de preferência.

Por isso, é importante que o terapeuta saiba mesclar em uma proporção ideal as atividades preferidas com outras menos preferidas, o que ajuda a manter a criança engajada e responsiva à intervenção!

Crie um ambiente de aprendizagem motivador

Criar um ambiente que favoreça a motivação é essencial para que a criança se sinta confortável e possa usar isso a seu favor.

Isso inclui aspectos físicos e emocionais do ambiente de aprendizagem. Aqui, é possível decorar o espaço de forma colorida e atrativa, utilizando materiais que chamem a atenção da criança. Também é importante que o terapeuta seja encorajador, e consiga validar o engajamento da criança nas atividades propostas. Um terapeuta emocionalmente conectado à criança é capaz de compreender suas dificuldades e, ao mesmo tempo, incentivar e acreditar no potencial de seus pontos fortes.

Para favorecer o engajamento, um bom instrumento é a rotina estruturada de forma clara e previsível, ajudando a criança a se sentir segura e confortável com aquilo que precisa ser feito. Além disso, é importante dar autonomia à criança na medida certa, fornecendo suporte conforme necessário para que ela seja capaz de realizar as tarefas e atividades com êxito.

Ainda, é possível aumentar o engajamento criando oportunidades de escolha entre diferentes atividades, incluindo a criança no processo de decisão sobre a ordem na qual fará as tarefas e, assim, promovendo senso de controle e autonomia;

Conclusão

Usar a motivação da criança a favor do aprendizado faz toda a diferença no processo de terapia!

Ao conhecer e testar a motivação da criança, o terapeuta é capaz de utilizá-la para produzir um maior engajamento, garantindo aprendizagem real e significativa, que é o objetivo da intervenção.

A motivação não só facilita o aprendizado, mas também promove um desenvolvimento mais harmonioso e satisfatório para a criança.

Pais e profissionais da saúde devem trabalhar juntos para implementar essas estratégias, sempre atentos às necessidades e preferências individuais da criança, garantindo assim uma abordagem personalizada e eficaz.

Aqui em nosso blog já temos um conteúdo que fala sobre os reforçadores e como isso pode ajudar nesse momento. Que tal continuar a leitura e aprender mais?

O que é reforçamento positivo?

Conheça nosso atendimento para autismo

Esse artigo foi útil para você?

Por que precisamos do Dia do Orgulho Autista? Conheça o estudo retratos do autismo no Brasil 2023 | Genial Care Dia Mundial do Meio Ambiente: natureza e a interação de crianças TEA Pessoas com TEA tem direito ao Benefício de prestação continuada (BPC)? Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Câmara aprova projeto que visa contratação de pessoas autistas Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Lei obriga SUS a aplicar Escala M-chat para diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin Neuropediatra especializado em autismo e a primeira consulta Dia da escola: origem e importância da data comemorativa Ecolalia: definição, tipos e estratégias de intervenção Park Eun-Bin: descubra se a famosa atriz é autista Síndrome de Tourette: entenda o que aconteceu com Lewis Capaldi