Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos

Autismo em adultos

O autismo em adultos é um assunto que tem se tornado cada vez mais comum. Isso porque muitas pessoas que passaram a vida toda se sentindo diferentes receberam o diagnóstico de autismo na vida adulta.

Esses diagnósticos tardios de autismo são fundamentais para quem se sentiu incompreendido durante grande parte da vida e também para ajudar a estabelecer limites e promover o autoconhecimento para cada uma delas.

Além disso, quando falamos em autismo em adultos, falamos da possibilidade de conhecer pessoas que podem nos ajudar a entender o espectro do lado de dentro e trazer contribuições valiosas para que conheçamos mais sobre o TEA.

Também falamos em pessoas que têm criado um ativismo cada vez mais potente no que diz respeito à conscientização do autismo, movimentos pela neurodiversidade e lutado para desconstruir mitos importantes, como o de que autistas são anjos azuis, por luz a temas como o autismo em mulheres, capacitismo e inclusão.

Na Genial Care, acreditamos na importância de escutar pessoas autistas e trazer sua contribuição como uma forma de aprender mais sobre o tema e respeitar suas opiniões. Por isso produzimos diversos conteúdos em parceria com pessoas autistas sobre o tema.

Aqui, você encontra textos sobre capacitismo, diagnóstico tardio de autismo, símbolos do TEA reconhecidos por pessoas autistas e temas que eles discordam, com o objetivo de demonstrar nossa contribuição com o ativismo autista e conscientizar cada vez mais famílias sobre a importância de movimentos como o “nada sobre nós, sem nós”. Venha aprender com pessoas autistas.

Categoria: Autismo em adultos

Pesquisar

Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro?

Dia Internacional das Mulheres: Como é ser uma mulher autista?

Conversando sobre o futuro: planejando a independência de jovens autistas

Toda Jornada Importa: Fortalecendo a saúde mental na comunidade autista

Aleitamento materno e autismo: entenda sobre possíveis desafios no TEA

Bissexualidade no autismo: conheça Luca Nolasco, do Introvertendo