Genial Care

Pesquisar
Dias
Horas
Minutos
Dia do orgulho autista: Fernanda Fialho

Dia do orgulho autista: Fernanda Fialho fala sobre sua vivência e perspectiva como pessoa autista e mãe atípica

O Dia do Orgulho Autista é uma data importante para reconhecer e celebrar a diversidade dentro do espectro do autismo, principalmente quando falamos de pessoas autistas, adolescentes ou adultas.

Isso porque, infelizmente, ainda é muito comum associar o TEA com crianças, o que acaba inviabilizando a vivência e também a jornada de desenvolvimento de pessoas adultas.

É muito comum encontrar relatos de pessoas no espectro que falam das dificuldades do diagnóstico adulto e também intervenções de qualidade com profissionais especializados naquelas vivências e jornadas.

Neste artigo, conversamos com Fernanda Fialho, uma mulher autista de nível 2 e mãe de uma criança também autista, sobre suas experiências, desafios e perspectivas como uma autista adulta, oferecendo uma visão única sobre a vida atípica e a importância da aceitação e inclusão. Além disso, Fernanda também trouxe sua perspectiva nos dados do nosso estudo “Retratos do Autismo no Brasil”. Confira para saber sobre!

O que é o Dia do Orgulho Autista?

O Dia do Orgulho Autista foi criado em 2005 pelo grupo Aspies for Freedom, uma organização que defende os direitos dos autistas.

O objetivo era fortalecer o movimento da neurodiversidade e esclarecer a sociedade que o autismo não é uma doença e sim uma condição. Por isso, não existe uma cura para autismo, mas sim intervenções e estratégias corretas para garantir qualidade de vida em diversos aspectos da rotina.

Com esse foco, a data consegue lembrar que pessoas autistas não são doentes, mas apenas possuem barreiras de aprendizado e características únicas que fazem o cérebro processar informações de outra forma.

Conhecendo Fernanda Fialho

Fernanda Fialho é uma mulher autista diagnosticada no nível 2 de suporte. Além disso, ela também tem TDAH, TAG, TEPT, TPS e Dispraxia como comorbidades. É mãe da Ana Laura, de 3 anos e também autista.

Hoje ela é criadora de conteúdo na comunidade autista, escritora e palestrante. Tudo começou em 2018, antes mesmo do diagnóstico, com as redes sociais em um espaço com o diário e que ela se sentia segura para se expressar.

“Recebi o diagnóstico tardio, depois que minha filha foi diagnosticada precocemente e depois de ter sobrevivido há muitos anos de tratamentos incorretos e internações psiquiátricas”, conta ela.

Depois do diagnóstico na vida adulta, com 25 anos, Fernanda começou a ganhar visibilidade na internet, palestrando e compartilhando sua história na esperança de que ela não se repita.

Isso porque grande parte da trajetória de Fernanda está ligada a questões de saúde mental. “Sobrevive há 15 internações psiquiátricas e inúmeras violências. Hoje, vivo um dia de cada vez, de passinho em passinho.”

A Jornada do diagnóstico na vida de Fernanda

Fernanda compartilha que seu diagnóstico foi uma jornada longa e desafiadora. Como muitos adultos autistas, Fernanda só foi diagnosticada na vida adulta, após o diagnóstico de sua filha.

“Descobri que sou autista em 2022, enquanto levava a minha filha para avaliação e intervenção precoce, passei a ouvir dos profissionais que eu tinha todas as características de também estar no espectro.”

Esse diagnóstico tardio é bastante comum, especialmente entre mulheres, devido aos estereótipos de gênero, à falta de compreensão sobre como o autismo e também da camuflagem social, muito mais presente em meninas.

“Após o diagnóstico eu pude começar a entender porque eu sempre fui do jeito que sou e ressignificar muitas vivências, porém também foi um desafio porque sempre ouvi dos profissionais que se me esforçasse o suficiente melhoraria, que não tinha uma vida funcional e estável porque não me esforçava o suficiente”, conta ela.

O que é o Dia do orgulho autista para você?

Fernanda reforça que o Dia do Orgulho Autista é uma data de luta, na qual precisamos lembrar dos diferentes níveis de suporte e diversas vivências individuais, “nada sobre nós, sem nós.”

Esse é um movimento que pede a participação de pessoas autistas em eventos, palestras e demais discussões que envolvem o tema, trazendo lugar de fala e representatividade.

“A data precisa mostrar que não somos apenas pacientes, não somos apenas pessoas com deficiência, somos indivíduos diversos, com opiniões próprias e desejos individuais que merecem ser ouvidos e respeitados.”

Mulher autista e mãe atípica

Ser mãe é um desafio por si só, e ser mãe de uma criança autista traz uma série de desafios únicos. Para Fernanda, isso significa uma combinação de entender as necessidades da sua filha enquanto gerencia suas próprias.

Além disso, Fernanda conta que existe uma cobrança e culpa muito grande sobre ela como mulher autista e mãe, como se a maternidade não pudesse ser realidade para pessoas no espectro.

“Os maiores desafios são que, ou eu sou muito autista para ser mãe e minimamente validada na minha capacidade, nas minhas opiniões e decisões como adulta, ou eu sou muito mãe e muito consciente para ser autista e ter minhas dificuldades e limitações respeitadas.”

Os dados do nosso estudo “Retratos do autismo no Brasil em 2023” mostrou que 36% dos cuidadores sentem culpa pela condição da criança, sendo 89% deles mulheres. Isso está diretamente relacionado a essa cobrança sobre mulheres atípicas em suas maternidades.

Fernanda relatou que já sentiu essa culpa, pois “quando nasce uma mãe, nasce uma culpa”. Principalmente por não saber antes que era uma pessoa autista, ela se culpou pelo diagnóstico da filha.

Baixe nosso estudo e conheça mais sobre a perspectiva da Fernanda

Nosso estudo em parceria com a Tismoo.me foi feito em 2023 com objetivo de colher dados relevantes sobre as pessoas autistas e suas famílias.

Com 2.247 resposta no total, conseguimos uma amostra válida de acordo com a Calculadora de Tamanho de Amostra, considerando uma estimativa de 4 milhões de pessoas com TEA no Brasil — estimativa feita com base em dados do CDC que dizem que 1 em cada 36 pessoas está no espectro do autismo nos Estados Unidos (2023) — com grau de confiança de 99% e margem de erro de 3%.

Essa nova versão traz os principais resultados e conta com falas e percepções da Fernanda, de acordo com sua vivência e jornada como mulher autista e mãe de uma criança no espectro.

Ela comentou sobre 4 dados principais:

  • Apenas 46% dos adultos autistas trabalham em tempo integral.
  • 36% dos cuidadores sentem culpa pela condição da criança, destes: 89% são mulheres;
  • 49% dos autistas já tiveram comportamentos de autolesão/automutilação, sendo que 7% já tentaram tirar a própria vida.
  • 24,2% das pessoas autistas na amostra também são cuidadores de uma criança autista, reforçando o papel dos fatores genéticos no desenvolvimento do transtorno.

Ela fala que “é preciso saber que autistas têm dificuldades em comunicar seus sentimentos e vivências o que propicia um sofrimento em silêncio. É preciso ter atenção a esse tipo de comportamento e intervir o mais cedo possível.”

Conclusão

O Dia do Orgulho Autista é uma oportunidade para celebrar a diversidade e promover a aceitação das pessoas autistas.
Através da perspectiva da Fernanda Fialho, como pessoa autista e mãe atípica, conseguimos perceber que são muitas as nuances e singularidades de pessoas com TEA e que conhecer uma única pessoa autista não quer dizer que conhecemos o autismo.

É preciso potencializar e abrir cada vez mais espaços para que pessoas no espectro possam compartilhar suas experiências e vivências. Assim, conseguiremos criar redes de apoio e promover a inclusão, permitindo mais acolhimento para todos.

Você pode ver essa nova versão do estudo e todos os comentários da Fernanda acessando o botão a baixo:

Baixe já a nova versão

Conheça nosso atendimento para autismo

Conteúdos relacionados

Esse artigo foi útil para você?

Dia Nacional do Futebol: inclusão e emoções das pessoas com TEA Se o autismo não é uma doença, por que precisa de diagnóstico? Aprovado Projeto de Lei que obriga SUS aplicar a escala M-CHAT em crianças de 2 anos Dia mundial do Rock: conheça 5 bandas com integrantes autistas Como aproveitar momentos de lazer com sua criança autista? Senado: debate público sobre inclusão educacional de pessoas com TEA Emoções no autismo: saiba como as habilidades emocionais funcionam Dia do cinema nacional: conheça a Sessão Azul Por que precisamos do Dia do Orgulho Autista? Conheça o estudo retratos do autismo no Brasil 2023 | Genial Care Dia Mundial do Meio Ambiente: natureza e a interação de crianças TEA Pessoas com TEA tem direito ao Benefício de prestação continuada (BPC)? Cássio usa camiseta com número em alusão ao Autismo Câmara aprova projeto que visa contratação de pessoas autistas Marcos Mion visita abrigo que acolhe pessoas autistas no RS Existem alimentos que podem prejudicar a saúde de pessoas autistas? Escala M-CHAT fica de fora da Caderneta da Criança O que são níveis de suporte no autismo? Segunda temporada de Heartbreak High já disponível na Netflix Símbolos do autismo: Veja quais são e seus significados Dia Mundial de Conscientização do Autismo: saiba a importância da data Filha de Demi Moore e Bruce Willis revela diagnóstico de autismo Brinquedos para autismo: tudo que você precisa saber! Dia internacional das mulheres: frases e histórias que inspiram Meltdown e Shutdown no autismo: entenda o que significam Veja o desabafo emocionante de Felipe Araújo sobre seu filho autista Estádio do Palmeiras, Allianz Parque, inaugura sala sensorial Peça teatral AZUL: abordagem do TEA de forma lúdica 6 personagens autistas em animações infantis Canabidiol no tratamento de autismo Genial Care recebe R$ 35 milhões para investir em saúde atípica Autismo e plano de saúde: 5 direitos que as operadoras devem cobrir Planos de saúde querem mudar o rol na ANS para tratamento de autismo Hipersensibilidade: fogos de artifício e autismo. O que devo saber? Intervenção precoce e TEA: conheça a história de Julie Dutra Cezar Black tem fala capacitista em “A Fazenda” Dia do Fonoaudiólogo: a importância dos profissionais para o autismo Como é o dia de uma terapeuta ocupacional na rede Genial Care? O que é rigidez cognitiva? Lei sugere substituição de sinais sonoros em escolas do Rio de janeiro 5 informações que você precisa saber sobre o CipTea Messi é autista? Veja porque essa fake news repercute até hoje 5 formas Geniais de inclusão para pessoas autistas por pessoas autistas Como usamos a CAA aqui na Genial Care? Emissão de carteira de pessoa autista em 26 postos do Poupamento 3 séries sul-coreanas sobre autismo pra você conhecer! 3 torcidas autistas que promovem inclusão nos estádios de futebol Conheça mais sobre a lei que cria “Centros de referência para autismo” 5 atividades extracurriculares para integração social de crianças no TEA Como a Genial Care realiza a orientação com os pais? 5 Sinais de AUTISMO em bebês Dia das Bruxas | 3 “sustos” que todo cuidador de uma criança com autismo já levou Jacob: adolescente autista, que potencializou a comunicação com a música! Síndrome de asperger e autismo leve são a mesma coisa? Tramontina cria produto inspirado em criança com autismo Como a fonoaudiologia ajuda crianças com seletividade alimentar? Genial Care Academy: conheça o núcleo de capacitação de terapeutas Como é ser um fonoaudiólogo em uma Healthtech Terapeuta Ocupacional no autismo: entenda a importância para o TEA Como é ser Genial: Mariana Tonetto CAA no autismo: veja os benefícios para o desenvolvimento no TEA Cordão de girassol: o que é, para que serve e quem tem direito Como conseguir laudo de autismo? Conheça a rede Genial para autismo e seja um terapeuta de excelência Educação inclusiva: debate sobre acompanhantes terapêuticos para TEA nas escolas Letícia Sabatella revela ter autismo: “foi libertador” O que é discalculia e qual sua relação com autismo? Rasgar papel tem ligação com o autismo? Quem é Temple Grandin? | Genial Care Irmãos gêmeos tem o mesmo diagnóstico de autismo? Parece autismo, mas não é: transtornos comumente confundidos com TEA Nova lei aprova ozonioterapia em intervenções complementares Dicas de como explicar de forma simples para crianças o que é autismo 5 livros e HQs para autismo para você colocar na lista! Como é para um terapeuta trabalhar em uma healthcare? Lei n°14.626 – Atendimento Prioritário para Pessoas Autistas e Outros Grupos Como fazer um relatório descritivo? 7 mitos e verdades sobre autismo | Genial Care Masking no autismo: veja porque pessoas neurodivergentes fazem 3 atividades de terapia ocupacional para usar com crianças autistas Apraxia da fala (AFI): o que é e como ela afeta pessoas autistas Por que o autismo é considerado um espectro? Sala multissensorial em aeroportos de SP e RJ 18/06: dia Mundial do orgulho autista – entenda a importância da data Sinais de autismo na adolescência: entenda quais são Diagnóstico tardio da cantora SIA | Genial Care Autismo e futebol: veja como os torcedores TEA são representados MMS: entenda o que é o porquê deve ser evitada Tem um monstro na minha escola: o desserviço na inclusão escolar Autismo e esteriótipos: por que evitar associar famosos e seus filhos Diagnóstico tardio de autismo: como descobrir se você está no espectro? Autismo e TDAH: entenda o que são, suas relações e diferenças Eletroencefalograma e autismo: tudo que você precisa saber Neurodivergente: Saiba o que é e tire suas dúvidas Como ajudar crianças com TEA a treinar habilidades sociais? Prevalência do autismo: CDC divulga novos dados Show do Coldplay: momento inesquecível para um fã no espectro Nova temporada de “As Five” e a personagem Benê Brendan Fraser e seu filho Griffin